#MitoOuVerdade: Esclareça suas dúvidas sobre proteção solar

By | 2 de dezembro de 2015

enquetes_blogdasaúde_2

O tema vencedor da primeira enquete realizada pelo Blog da Saúde MG junto aos internautas foi “proteção solar”. Por sabermos que esse assunto envolve uma série de dúvidas e controvérsias, esclarecemos para você o que é mito e verdade quando se trata de proteger a pele dos efeitos nocivos do sol. O filtro solar é a medida mais eficiente para se combater o envelhecimento cutâneo e o surgimento do câncer de pele. Então, vamos lá?

Mesmo para o dia a dia, o filtro solar com FPS30 é o mínimo recomendado?

Verdade. O que ocorre, no entanto, é que as pessoas geralmente não aplicam a quantidade mínima recomendada para garantir essa proteção, que seria de cerca de dois gramas de produto por cada cm² de área de pele – ou uma colher de café cheia para o rosto. Assim, usar uma quantidade menor de filtro solar com um FPS mais alto, pode-se chegar mais próximo à proteção solar ideal.

Para ir à praia ou ao clube, é preciso aumentar o fator de proteção solar?
Verdade, uma vez que a pele fica mais exposta à radiação e por tempo mais prolongado.

Logo que aplicado, o filtro solar já está protegendo a minha pele?
Mito. Os protetores solares podem ser divididos em dois grupos: os físicos e os químicos. Os protetores químicos interagem com a pele e precisam de cerca de 20 a 30 minutos para começarem a agir. Pela mesma razão, perdem a efetividade com 2 horas decorridas da aplicação ou após banhos de mar ou piscina, ou suor excessivo. Já os protetores físicos, fazem uma película protetora sobre a pele e são de efeito imediato. Apesar disso, são pouco estéticos, ou seja, ficam mais visíveis sobre a pele, podendo deixar um aspecto esbranquiçado.

O filtro solar deve ser aplicado mesmo em ambientes fechados, como um escritório?
Verdade. Isso porque as pessoas nunca ficam 100% em ambientes fechados, e nestes casos aplicar o protetor solar pela manhã e reaplicar no meio do dia fornece uma boa proteção no dia a dia.

A luz artificial, emitida por lâmpadas, também é prejudicial à pele?
Mito. A quantidade de radiação ultravioleta A e B emitida por lâmpadas de uso comum é muito pequena e totalmente bloqueada pela película protetora presente nos invólucros de vidro das lâmpadas existentes no mercado. Não há relação entre a exposição às lâmpadas artificiais comuns em residências e escritórios e o câncer de pele.

Maquiagem com filtro solar substitui o uso do protetor?
Verdade. No entanto, deve ser observado o fator de proteção solar, e se esse protege tanto para radiação UVB com UVA.

No inverno ou em dias nublados posso deixar de usar o protetor?
Mito. O tempo muito nublado pode atenuar a radiação ultravioleta que chega à superfície da terra de maneira significativa, porém isso não significa que a pessoa possa deixar de usar o protetor solar. A quantidade de radiação UV que atinge a superfície terrestre é muitas vezes superior à dose diária recomendada pela Organização Mundial da Saúde. Dessa forma, a recomendação é de usar protetor solar sempre: você estará mais protegido e tendo atitude de se proteger do câncer de pele!

Com a colaboração da dermatologista Ana Regina Andrade, médica voluntária do departamento de Dermatologia do Hospital das Clínicas.

Deixe uma resposta