#Dicas: Como escolher o filtro solar mais adequado?

By | 15 de janeiro de 2016

Mitos e Verdades - Protetor solar-03

O verão já chegou, e no desespero por uma “corzinha”, a gente acaba correndo para a praia ou o clube sem filtro solar, ou trocando o protetor pelo bronzeador, não é mesmo? No entanto, o filtro solar é essencial para proteger a pele dos efeitos nocivos do sol, como o câncer de pele, o envelhecimento precoce e as queimaduras solares.

Atualmente, o mercado disponibiliza uma série de marcas e tipos de filtros solares para atenderem a diferentes necessidades, usos e tipos de pele. Para que você não fique perdido nesse mar de opções, preparamos algumas orientações para que você possa escolher o produto mais adequado, vamos lá?

Em primeiro lugar, devemos verificar o fator de proteção solar, o FPS, que deve ser de, no mínimo 30. Além disso, deve-se observar se o produto é resistente ou não a água, e qual é a proteção quanto aos raios UVA. A nova legislação de filtros solares exige que a proteção UVA deva ser sempre de, no mínimo, metade do valor do filtro solar. Por exemplo, no caso de um filtro solar com FPS 30, a proteção UVA deve ser de, no mínimo 15. Isso porque se sabe que os raios UVA também contribuem para o risco de câncer de pele.

Outra questão que deve ser considerada também é a versão do produto, se em gel, creme, loção ou spray. Pessoas com pele com tendência a acne devem optar por produtos em gel ou livres de óleo. Já aqueles que fazem muita atividade física e que transpiram bastante, devem evitar os géis, pois saem mais facilmente.

Físico ou químico?

Os filtros solares podem ser físicos ou químicos. Os protetores físicos, ou inorgânicos, são feitos à base de dióxido de titânio ou óxido de zinco, e se depositam na camada mais superficial da pele, refletindo as radiações incidentes. Já os filtros químicos ou orgânicos, mas facilmente encontrados no mercado, funcionam como uma espécie de “esponja” dos raios ultravioletas, transformando-os em calor.

Deixe uma resposta