Monthly Archives: agosto 2016

#Ciência: Startup parceira da Funed foi uma das vencedoras do Inovativa Brasil

Oncotag

A Oncotag, startup parceira da Fundação Ezequiel Dias (Funed), coordenada pelas pesquisadoras Luciana Silva, Letícia Braga e Fernanda Coelho, do Serviço de Biologia Celular, da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação, foi uma das vencedoras do Inovativa Brasil, programa de aceleração de startups do Governo Federal, com a pesquisa de Teste Molecular, que pode melhorar o tratamento de mulheres com câncer de ovário.

A Oncotag faz parte do grupo de empreendedores participantes da BioStartup Lab, a primeira iniciativa no Brasil que oferece um programa especializado em pré-acelerar startups de ciências da vida, promovida pela Biominas Brasil e pelo Sebrae Minas. Das seis startups da 2ª rodada do BioStartup Lab selecionadas para o Inovativa Brasil, três delas foram finalistas e a Oncotag foi uma das vencedoras do Ciclo 2016/1.

#VidaSaudável: Nutricionistas atuam na promoção da alimentação saudável no SUS

banner_nutricionista

Dia 31 de agosto é o Dia do Nutricionista. Para celebrar a data, o Ministério da Saúde fez um levantamento da atuação desse profissional no Sistema Único de Saúde (SUS). Ao todo, cerca de 19 mil profissionais dessa categoria estão atualmente na rede pública de saúde, segundo dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Esse número praticamente dobrou em seis anos. Para se ter uma ideia, no ano de 2010, eram 10 mil nutricionistas atuando no SUS. “Esse aumento potencializa as ações de alimentação e nutrição e o enfrentamento do atual cenário epidemiológico da população brasileira”, explica a coordenadora geral de Alimentação e Nutrição (CGAN) do Ministério da Saúde, Michele Lessa.

Os nutricionistas atuam desde a atenção básica até a atenção especializada hospitalar, realizando atenção nutricional, que inclui a promoção da saúde e da alimentação adequada e saudável, a vigilância alimentar e nutricional e ações de prevenção e tratamento de doenças.

Dentro dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família cerca de 90% dessas unidades têm ao menos um profissional de nutrição. Em 2011, eram 1.283 nutricionistas atuando em 1.564 NASF. Em 2016, esse número aumentou para 3.824 nutricionistas atuando em 4.326 NASF.

Entre os principais desafios relacionados à alimentação e nutrição no SUS estão as doenças crônicas, como a obesidade, que acomete 18,9% dos adultos brasileiros (dados do Vigitel 2015), o diabetes que acomete 7,4% e a hipertensão que atinge 24,9%. Em 2006, a obesidade acometia 11,8% da população brasileira.

Os nutricionistas são protagonistas no enfrentamento dessas doenças e têm importante papel junto a outros profissionais do SUS no incentivo à amamentação e à alimentação saudável de crianças menores de dois anos, à divulgação das recomendações do Guia Alimentar da População Brasileira, à inserção do tema da alimentação saudável no Programa Saúde na Escola.

 

Por Carolina Valadares / Blog da Saúde / Min. da Saúde.

#SomosTodosEsquecidos: Publicitária cria página para conscientizar sobre Esclerose Múltipla

Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla-01

Nesta terça-feira (30/08), é celebrado o Dia Nacional de Conscientização sobre Esclerose Múltipla. E foi também para aumentar a conscientização da população sobre a doença que a publicitária paulista Raquel Costa Silva, 26 anos, criou o projeto #SomosTodosEsquecidos, onde coloca depoimentos de pessoas não-portadoras da doença que afirmam sofrer de esquecimento durante as atividades cotidianas. A ideia é animar os diagnosticados e mostrar para a sociedade de que isso acontece com qualquer um.

Paralelamente, a jovem criou um grupo virtual de apoio a pessoas com esclerose múltipla no Vale do Paraíba. O grupo, utilizado para a troca de experiências, começou com apenas cinco participantes, mas com a viralização do conteúdo colocado na página do projeto tem aumentado.

Atualmente, os portadores realizam na casa de Raquel, em São José dos Campos, encontros presenciais do grupo. Na primeira reunião, onze membros estiveram presentes. “Você vê o pessoal falando que na época que eles descobriram não conheciam ninguém, ninguém sabia o que era [a doença]. Foi muito emocionante”, comenta Raquel. Para ler a matéria completa, clique aqui.

somos todos esquecidos_banners

Foto: Reprodução / Facebook.

Em tempo

A Esclerose Múltipla é uma doença neurológica degenerativa que atinge mais de 2,5 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e cerca de 30 mil brasileiros, segundo a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM). Em 2014, o Ministério da Saúde anunciou a incorporação no Sistema Único de Saúde (SUS) de um novo medicamento para o seu tratamento. Trata-se do fingolimode, o primeiro medicamento oral para a doença.

A incorporação do medicamento representa uma conquista para os pacientes que passarão a contar com toda a linha de tratamento no SUS. O novo medicamento é mais uma alternativa de tratamento aos pacientes que não responderam aos medicamentos já disponibilizados na rede pública. Para receber o medicamento, o paciente deve ter apresentado resistência ou não ter apresentado resposta aos tratamentos com o betainterferona e glatirâmer e a impossibilidade do uso de natalizumabe, além de não apresentar contraindicação ao uso de fingolimode.

 

 

______________________________________________________________
* Com informações do G1 e do Blog da Saúde/Ministério da Saúde.

#Ciência: Vacina inédita para esquistossomose inicia nova fase de estudos

Crédito: Gutemberg Brito - IOC/Fiocruz

Crédito: Gutemberg Brito – IOC/Fiocruz

O Brasil inicia neste ano a nova fase de estudos clínicos para a vacina de esquistossomose, chamada de Vacina Sm14. O anúncio foi feito esta sexta-feira (26), no Rio de Janeiro pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os testes acontecerão entre setembro e dezembro de 2016, período que corresponde à mais alta endemicidade da doença em território africano. A produção e desenvolvimento da vacina é uma parceria público-privada (PPP) entre a Fiocruz e a empresa Orygen Biotecnologia S.A. O projeto é um dos priorizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ao longo das três etapas de Fase II, está prevista a participação de 350 voluntários, entre adultos, inicialmente, e em criança. A Vacina Sm14 será administrada em três doses, com intervalos de um mês entre cada uma. A conclusão e os resultados dos estudos estão previstos para 2017. “É a primeira vez no mundo que uma vacina parasitária produzida com tecnologia brasileira de última geração chega à Fase II de estudos clínicos. Um importante passo para o enfretamento desse problema de saúde que atinge principalmente populações pobres de diferentes países”, comemorou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Desenvolvida e patenteada pelo Sistema Único de Saúde (SUS), por meio do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), a vacina utiliza a proteína Sm14, sintetizada a partir do Schistosoma mansoni, verme causador da esquistossomose na América Latina e na África. Será produzida a partir de um antígeno – substância que estimula a produção de anticorpos, evitando que o parasita causador da doença se instale no organismo ou que lhe cause danos. “Esse tipo de iniciativa fortalece o Brasil como uma base tecnológica capaz de assegurar o atendimento das demandas do sistema público de saúde”, afirmou o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha.

Nessa fase do estudo, os testes serão realizados em adultos moradores da região endêmica no Senegal, na África, local atingido simultaneamente por duas espécies do parasito Schistosoma, causador da doença. Essa característica, que não existe em nenhuma região brasileira, é muito importante para que se possa verificar a segurança da Vacina Sm14.

Esquistossomose

Os casos da doença acontecem em ambientes onde não há infraestrutura adequada de saneamento básico: fezes de pessoas infectadas com o verme Schistosoma, quando despejadas inapropriadamente em rios e outros cursos de água doce, podem infectar caramujos do gênero Biomphalaria. Por sua vez, os caramujos liberam larvas do verme na água, podendo infectar outras pessoas por meio do contato com a pele, reiniciando o ciclo da doença. A vacinação terá potencial de interromper o ciclo de transmissão, induzindo uma imunidade duradoura.

Por Agência Saúde, com informações da Fiocruz

#VidaSaudável: conheça histórias de quem conseguiu largar a dependência do cigarro

campanhatabagismo_post20

Nesta segunda-feira (29/08) é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Fumo. Com o slogan “Atitude gera saúde: troque o cigarro por uma vida saudável”, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), contagiada pelo espírito dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, quer mobilizar as pessoas a trocarem o cigarro por uma uma atividade física regular. Presente nas redes sociais da SES-MG, o objetivo da campanha é divulgar dicas para ajudar as pessoas a pararem de fumar, incentivar a prática de esporte e falar dos males provocados pelo cigarro.

Além disso, a SES-MG também irá compartilhar, durante as próximas semanas,  histórias de pessoas que conseguiram abandonar o vício. São pessoas reais, com histórias de vida particulares, mas também semelhantes à de muitos fumantes e ex-fumantes. Em busca de uma vida saudável, qualidade de vida e disposição para as atividades diárias, essas pessoas abandonaram o vício do cigarro e contam para nós suas experiências e conquistas.

Confira em nossa galeria:

Fotos: Marcus Ferreira | Arte: Deise Meireles

#TOP 5: Conheça alguns benefícios de parar de fumar e tenha uma Vida Saudável

campanhatabagismo_post7

O tabagismo é a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o hábito de fumar responsável por 85% das mortes por bronquite e enfisema. Além disso, o consumo de tabaco e seus derivados mata milhões de pessoas anualmente. Clique aqui e confira uma matéria completa sobre este assunto no site da SES-MG. O Blog da Saúde MG listou alguns benefícios para a saúde ao parar de fumar. Confira:

#MostreAtitude: Esporte é tema da campanha do INCA de enfrentamento ao tabagismo

 

campanha_2_tabagismo_2016

Com o intuito de mobilizar a população sobre os riscos do cigarro, no dia 29 de agosto é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Fumo. A data foi instituída em 1986 pela lei nº. 7488. Neste ano, o Instituto Nacional de Câncer (INCA), em parceria com o Ministério da Saúde, tem como tema a campanha #MostreAtitude.

Para aproveitar o momento de valorização do esporte no Brasil devido aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, o tema das ações este ano é relacionado ao esporte e possui como slogan #MostreAtitude: sem o cigarro sua vida ganha mais saúde. A prática de atividade física é importante fator de proteção para diversas doenças, em especial as crônicas não transmissíveis, como o câncer.

A associação desse tema com o controle do tabaco pode potencializar o alcance dos seguintes objetivos:

  • Prevenção da iniciação – o esporte pode manter os jovens longe do tabaco pela preocupação em manter a boa saúde e por favorecer a socialização. 
  • Apoio à cessação – a prática de atividade física é um aliado importante no processo da cessação do tabagismo. 
  • Promoção de ambientes livres de fumaça do tabaco – disseminar a ideia de incoerência do uso de tabaco em locais utilizados para prática de esportes, assim como reforçar a implementação da legislação Nacional sobre ambientes livres de fumo (Lei 12.547/11).

A campanha tem como foco o público jovem e adulto (aproximadamente de 13 a 35 anos), de ambos os sexos, fumantes ou não. A opção por focar no público jovem é parte da estratégia para prevenir a experimentação e a iniciação (que ocorrem principalmente entre adolescentes e jovens, aproximadamente dos 13 aos 25 anos).

Ainda, de acordo com o INCA, o esporte é um aliado para a não experimentação de produtos de tabaco. Ao consumir produtos de tabaco, os praticantes de esportes diminuem sua performance, principalmente em relação à respiração. Enquanto pratica esporte, quem fuma:

  • Fica cansado com mais facilidade;
  • Sofre com falta de ar;
  • Tem resistência reduzida;
  • Possui poder de reação mais lento.
  • A prática esportiva é uma forma de socialização importante. Ao reunir indivíduos com objetivos e gostos similares, o esporte torna-se ferramenta de identificação e aceitação.

Além disso, os ambientes livres da fumaça do tabaco são de extrema importância para a prática de esportes e auxiliam na prevenção à iniciação do tabagismo e no estímulo à cessação. Os ambientes livres de tabaco possibilitam:

  • Criar um ambiente coerente e saudável, como é a prática esportiva; 
  • Proteger crianças, adolescentes e jovens da exposição ao fumo passivo; 
  • Proteger o meio ambiente; 
  • Criar uma cultura livre de tabaco; 
  • Ajudar o fumante a parar de fumar. 
  • O esporte ajuda nos primeiros dias sem fumar e contribui para manutenção da cessação.

Pesquisa mostra que cerca de 30% dos jovens consomem doces em excesso

banner_comer doces_2016

Um estudo realizado pelo Governo Federal aponta que um em cada cinco brasileiros consome doces em excesso, cinco vezes ou mais na semana. O índice é ainda maior entre os jovens: 28,5% da população de 18 a 24 anos possui alimentação com excesso de açúcar. Nessa faixa etária, 30% também costuma beber refrigerantes diariamente. Esses hábitos preocupam diante do avanço de doenças crônicas no país, em especial o diabetes. A doença atinge atualmente 7,4% da população adulta do país, acima dos 5,5% registrados em 2006.

Os dados são da pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2015), lançado pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (07/08), Dia Mundial da Saúde. O estudo monitora fatores de risco para doenças crônicas, atualmente responsáveis por 72% dos óbitos no país. Foram entrevistados por telefone 54 mil adultos (18 anos ou mais) que vivem nas capitais brasileiras.

O diabetes é mais frequente nas mulheres (7,8%) que nos homens (6,9%) e se torna mais comum com o avanço da idade. Entre as cidades, o Rio de Janeiro apresentou o maior índice (8,8%), seguido de Porto Alegre (8,7%) e Campo Grande (7,9%). Palmas (3,9%) apresenta o menor percentual de população adulta com diagnóstico de diabetes, junto com São Luís (4,4%), Boa Vista (4,6%) e Macapá (4,6%).

Apesar do avanço do diabetes no país, o número de internações devido a complicações da doença reduziu 11,5% nos últimos cinco anos. Em 2015, foram 67,1 internações por 100 mil habitantes contra 75,9 por 100 habitantes em 2010. Ano passado, foram registradas 137,4 mil internações por agravos da doença no SUS, a um custo de R$ 92 milhões. Esse é resultado de políticas voltadas à melhoria do atendimento na Atenção Básica e expansão do acesso à medicamentos.

A mortalidade prematura (pessoas com menos de 70 anos) também caiu entre 2000 e 2013, acompanhando a tendência em relação ao óbito por Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) nessa faixa etária que reduziu 2,5% ao ano no período. Esse índice está acima da meta estipulada pelo Ministério da Saúde, que era de queda de 2% ao ano. Mas ainda é alto o número de pessoas que morrem por causa do diabetes no Brasil, foram registradas 58.017 óbitos em 2013.

Manual do Pé Diabético

A complicação mais frequente da doença, o chamado “pé diabético”, ocorre quando uma área machucada ou infeccionada nos pés desenvolve feridas. Cerca de 20% das internações por diabetes deve-se a lesões nos membros inferiores e 85% das amputações não traumáticas são precedidas de feridas. Para reduzir esses índices, o Ministério da Saúde lança o Manual do Pé Diabético para orientar profissionais de saúde na assistência ao paciente.

Cuidados simples, como a procura diária nos pés de feridas, bolhas ou áreas avermelhadas, bem como observar a presença de dormência e até mesmo orientações quanto ao tipo de sapato utilizar, são importantes no diagnóstico e assistência adequada e podem evitar uma futura complicação ou mesmo a amputação. Essas e outras medidas estão presentes no documento que será disponibilizado para as equipes de Atenção Básica e de outras unidades de saúde.

O Ministério da Saúde tem investido em políticas de promoção da saúde e redução de agravos por doenças crônicas. As mais de 40 mil equipes de Saúde da Família cobrem atualmente mais de 60% do território brasileiro. As equipes contam com o apoio de profissionais, como nutricionistas, fisioterapeutas e de educação física que ficam nos mais de 4.000 Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Também são realizadas ações de promoção à saúde com mais de 18 milhões de alunos do ensino fundamental por meio do Programa Saúde na Escola. Pela atenção básica é possível resolver até 80% dos problemas de saúde.

Sobre o incentivo a prática de atividade física destaca-se o Programa Academia da Saúde, que já conta com 1.568 polos com equipamentos e profissionais qualificados. Além disso, o novo Guia Alimentar para a População Brasileira e o livro Alimentos Regionais Brasileiros do Ministério da Saúde orientam as famílias a optarem por refeições caseiras e evitarem a alimentação  fast food.

Segundo dados do Vigitel, 87,2% da população com diabetes utiliza medicamento para controle da doença. O SUS oferece gratuitamente tratamento como insulinas e medicamentos, além de reagentes e seringas que ajudam no monitoramento do índice glicêmico do paciente. Esses produtos estão disponíveis nas unidades de saúde ou por meio do Aqui Tem Farmácia Popular, que está presente em mais de 4 mi municípios. Por meio deste programa, no ano passado, mais de 6,2 milhões de pacientes buscaram medicamentos gratuitos para diabetes. Esse número é mais que o dobro do total beneficiado em 2011 (2,6 milhões).

Essas e outras ações integram o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), lançado em 2011, que tem como meta deter o crescimento da diabetes e outros fatores de riscos, bem como incentivar a adoção de hábitos saudáveis entre a população.

Por Gabrielle Kopko, da Agência Saúde

Fiocruz Minas aprimora técnica no diagnóstico de esquistossomose

fiocruzminas_materia

O POC-CCA, método rápido, fácil e barato, é similar a um exame de farmácia para gravidez. Foto: Áureo Almeida / Fiocruz Minas. 

Um dos mais recentes métodos utilizados para o diagnóstico da esquistossomose, o POC-CCA, poderá fornecer resultados mais precisos, graças à introdução de um novo procedimento. Trata-se da liofilização da urina, que consiste em eliminar a parte líquida da urina do paciente, tornando mais evidente a presença de outras substâncias, como os parasitos causadores da doença. A técnica, testada por pesquisadores da Fiocruz Minas e descrita em um artigo publicado recentemente na revista científica Plos Neglected Tropical Diseases, elimina as possibilidades de resultados falso-negativos, um dos obstáculos enfrentados pelo Programa de Controle da Esquistossomose.

“O falso-negativo ocorre principalmente em regiões onde se predomina uma baixa carga parasitária, isto é, onde a maior parte dos indivíduos apresenta reduzida quantidade do parasito. Nessas localidades, o POC-CCA aponta resultados duvidosos, fazendo com que o paciente infectado deixe de receber o tratamento ou ainda que indivíduos negativos sejam medicados desnecessariamente”, explica Rafaella Fortini Grenfell, do Laboratório de Esquistossomose da Fiocruz Minas.

O POC-CCA, método rápido, fácil e barato, é similar a um exame de farmácia para gravidez. Pinga-se uma gota de urina sob o material de teste e, se aparecer um traço vermelho, significa que há presença do parasito. Com a técnica proposta pelos pesquisadores da Fiocruz Minas, substitui-se a urina simples pela concentrada por meio de um aparelho chamado liofilizador.

O estudo que apontou a eficácia do procedimento foi realizado na comunidade de Estreito de Miralta, zona rural de Montes Claros, norte de Minas, região endêmica e com baixa carga parasitária. Os pesquisadores analisaram 84 amostras, encontrando 49% de resultados duvidosos. Por meio do POC tradicional, apenas 2% de prevalência foi encontrado. Após o procedimento de concentração da urina, o índice subiu para 32%, indo ao encontro de resultados de outros métodos feitos com amostras de fezes.

 

Por Keila Maia / Fiocruz Minas.

#Videocast: O que é judicialização da saúde?

Quando o usuário não consegue acesso a remédios e/ou tratamentos de saúde que ainda não estão disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS), ele acaba entrando na Justiça para que o Poder Público possa oferecer esta assistência. Mas, o que muitas pessoas não sabem é que, quando alguém entra na Justiça para obter um tratamento específico, os recursos que eram para o coletivo, acabam tendo uma boa parte destinada a apenas um único caso. Tal ação pode comprometer a gestão dos recursos de saúde pública de uma determinada localidade.

Alguns juristas acreditam que os tribunais estão criando um sistema público de saúde de dois níveis: um para aqueles que podem recorrer e ter acesso a qualquer tipo de tratamento, independentemente dos custos, e outro para o resto da população, que não tem acesso a cuidados restritos. O debate deste tema é complexo, uma vez que todo brasileiro tem direito a um tratamento de saúde pelo SUS, garantido pela Constituição Federal.

Em vídeo, o Assessor Chefe do Núcleo de Atendimento à Judicialização da Saúde da SES-MG, Orozimbo Henriques Campos Neto, fala da parceria entre a SES-MG e o TJMG e explica as questões relacionadas à judicialização da saúde no SUS. Assista:

Programa “Ciência em Movimento” da Funed visita a cidade de Caetanópolis

Caminhão

A cidade de Caetanópolis, localizada a 96km de Belo Horizonte, na zona metalúrgica, será o próximo município a receber o Programa Ciência em Movimento (PCM), da Fundação Ezequiel Dias (Funed). A equipe do Programa, que acompanha o caminhão e leva conhecimento científico e tecnológico para as comunidades, irá desembarcar na cidade no dia 22 de agosto, permanecendo até o dia 25, na Praça Antônio Pinto Mascarenhas.

O Programa Ciência em Movimento foi criado em 2012, pela Funed, com o objetivo de difundir e popularizar a ciência por todo o estado. O caminhão leva conhecimento científico e tecnológico, através de linguagem lúdica e popular, estabelecendo uma relação de diálogo entre os pesquisadores e a sociedade e entre ciência, saúde e cultura. Durante a visita a Caetanópolis, haverá exposições sobre animais peçonhentos, abelhas, dengue, Zika e Chikungunya.

No ano de 2015, mais de 36 mil pessoas visitaram as 20 exposições itinerantes, realizadas em 15 cidades mineiras. Neste ano, a exposição do PCM já passou por Itaobim, Coronel Murta, Montes Claros, Espera Feliz, Chapada Gaúcha, Florestal, Boa Esperança e São Bento do Abade.

Serviço:
Exposição Programa Ciência em Movimento
Data: 22 a 25 de agosto
Praça Antônio Pinto Mascarenhas – Caetanópolis/MG
Informações: comunicacao@funed.mg.gov.br / 31 3314-4577