#SomosTodosEsquecidos: Publicitária cria página para conscientizar sobre Esclerose Múltipla

By | 30 de agosto de 2016

Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla-01

Nesta terça-feira (30/08), é celebrado o Dia Nacional de Conscientização sobre Esclerose Múltipla. E foi também para aumentar a conscientização da população sobre a doença que a publicitária paulista Raquel Costa Silva, 26 anos, criou o projeto #SomosTodosEsquecidos, onde coloca depoimentos de pessoas não-portadoras da doença que afirmam sofrer de esquecimento durante as atividades cotidianas. A ideia é animar os diagnosticados e mostrar para a sociedade de que isso acontece com qualquer um.

Paralelamente, a jovem criou um grupo virtual de apoio a pessoas com esclerose múltipla no Vale do Paraíba. O grupo, utilizado para a troca de experiências, começou com apenas cinco participantes, mas com a viralização do conteúdo colocado na página do projeto tem aumentado.

Atualmente, os portadores realizam na casa de Raquel, em São José dos Campos, encontros presenciais do grupo. Na primeira reunião, onze membros estiveram presentes. “Você vê o pessoal falando que na época que eles descobriram não conheciam ninguém, ninguém sabia o que era [a doença]. Foi muito emocionante”, comenta Raquel. Para ler a matéria completa, clique aqui.

somos todos esquecidos_banners

Foto: Reprodução / Facebook.

Em tempo

A Esclerose Múltipla é uma doença neurológica degenerativa que atinge mais de 2,5 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e cerca de 30 mil brasileiros, segundo a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM). Em 2014, o Ministério da Saúde anunciou a incorporação no Sistema Único de Saúde (SUS) de um novo medicamento para o seu tratamento. Trata-se do fingolimode, o primeiro medicamento oral para a doença.

A incorporação do medicamento representa uma conquista para os pacientes que passarão a contar com toda a linha de tratamento no SUS. O novo medicamento é mais uma alternativa de tratamento aos pacientes que não responderam aos medicamentos já disponibilizados na rede pública. Para receber o medicamento, o paciente deve ter apresentado resistência ou não ter apresentado resposta aos tratamentos com o betainterferona e glatirâmer e a impossibilidade do uso de natalizumabe, além de não apresentar contraindicação ao uso de fingolimode.

 

 

______________________________________________________________
* Com informações do G1 e do Blog da Saúde/Ministério da Saúde.

Deixe uma resposta