Monthly Archives: fevereiro 2017

#SaúdeNoCarnaval: Dicas para uma alimentação saudável fora de casa

Durante os dias de folia é comum optar pela alimentação fora de casa, já que nem sempre sobra tempo para preparar a própria comida. Mas para que nada atrapalhe a festa é importante ficar atento às condições de higiene do local e da forma como a comida é armazenada. As altas temperaturas características do carnaval podem facilitar a proliferação de microrganismos na comida, ocasionando as chamadas Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA). Por isso, evite alimentos que permaneceram expostos ao sol, sem proteção ou que sejam perecíveis. Cuidados especiais devem ser tomados com o armazenamento de queijo branco, embutidos, carnes, molhos, patês e bolos recheados.
 
Verifique também se os alimentos que precisam de refrigeração estão acondicionados de forma adequada, já que a temperatura é fundamental na prevenção de intoxicações causadas pela comida. Também é recomendado que o gelo utilizado em bebidas seja industrializado, produzido com água potável e armazenado em embalagem ou recipiente devidamente fechado, limpo e separado de outros alimentos.
 
A contaminação dos alimentos pode ocorrer de diferentes maneiras, como falta de higienização das mãos, das superfícies da cozinha e dos utensílios utilizados no preparo da comida. Outros fatores como a umidade do ar, animais domésticos, lixo e água utilizada no preparo também podem contribuir para uma possível contaminação. Entre os principais sintomas causados por alimentos contaminados estão vômito, diarreia, dor abdominal e náuseas. Neste caso, procure imediatamente um serviço de saúde.

#NãoÉNão: Naturalização do assédio de mulheres no Carnaval persiste

Por Leíse Costa (ESP-MG)

Em pesquisa elaborada pela Organização Internacional de Combate à Pobreza (ActiOnaid) mostra que 86% das mulheres brasileiras já sofreram algum tipo de assédio em espaços públicos. O levantamento ouviu 2.500 mulheres com idade acima de 16 anos nas principais cidades da Tailândia, Índia, Inglaterra e Brasil e concluiu que o assédio as mulheres é um problema global.

No Carnaval esse problema tende a ficar mais grave. Pelo menos, é o que a pesquisa feita pelo Instituto Data Popular, realizada no pré-carnaval de 2016, com 3,5 mil brasileiros com idade igual ou superior a 16 anos, em 146 municípios mostra. Já que para 61% dos homens abordados uma mulher solteira que vai pular Carnaval não pode reclamar de ser “cantada”.

Apaixonada pelo carnaval, a trabalhadora da Escola de Saúde Pública no Estado de Minas Gerais (ESP-MG), Gabriela Santos (22), acompanha diversos blocos de rua de Belo Horizonte, e nem todas as lembranças são boas. “Já fui vítima e já presenciei muito assédio sexual como passar a mão, agarrar, tentar beijar sem consentimento ou falar coisas que não deveriam ser ditas com desconhecidas na rua. A objetificação dos corpos lidos como femininos está sempre presente em todos os espaços, no carnaval é pior”, conta.

Sociedade sem respeito

Perguntamos aos psicólogos e trabalhadores da ESP-MG do Núcleo de Redes de Atenção à Saúde (NRAS), Marcelo Arinos e Daniene Santos o porquê desse tipo de violação persistir ainda em 2017. Para Marcelo, esse comportamento não se trata de um fenômeno relacionado à um desvio social individual, mas uma clara manifestação coletiva, que só encontra lugar em um específico e perverso pacto social. “Sem dúvida, trata-se de uma ação que só ocorre em sociedades patriarcais, como a nossa, onde o poder masculino é notadamente hegemônico”, afirma.

Ainda de acordo com ele, a novidade é a naturalização desse tipo de comportamento social abusivo. “Talvez tal comportamento faça parte da disseminação de um discurso neoconservador que vem lançando suas sobras sobre mundo”, explica.

Para Daniene, a questão é ampla e carece de discussões aprofundadas. “O assédio ainda é algo arraigado em nossa cultura, ainda há uma “naturalização” deste tipo de comportamento, infelizmente. São necessárias muitas discussões e mobilizações para que a sociedade possa caminhar no sentido da reflexão acerca desta questão, que é uma entre tantas discussões necessárias. A leitura, informações, debates, campanhas desenvolvidas pela mídia, inclusão destas discussões na formação escolar, tudo isso é imprescindível para que a sociedade comece a questionar seus valores e a forma de lidar com o outro”, diz.

Juntas contra o assédio

Reagir a situações de assédio sozinha pode ser perigoso, mas já existem iniciativas de coletivos de mulheres unidas para coibir atitudes machistas. Como a campanha #UmaMinaAjudaAOutra, da instituição AzMina, que incentiva mulheres a não ignorarem situações de assédio contra outras mulheres, mesmo que desconhecidas.

A campanha Chega de fiu fiu, do site feminista Think Olga, encoraja as mulheres a não deixarem situações de assédio de lado e para isso elas tentam mapear os lugares mais incômodos e até perigosos para mulheres no Brasil. Se você sofreu assédio ou algum outro tipo de violência pode compartilhar seu depoimento associado ao local onde o assédio ocorreu. Reunir esses dados são importantes para combater o problema.

Nas redes

Em suas redes sociais, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), está promovendo campanhas educativas de Carnaval com a temática de Cultura da Paz, em que um dos assuntos é o assédio durante a folia com a marcação #NãoÉNãoClique aqui e confira a campanha #CarnavalDaPaz.

Serviços

De acordo com o Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (CIM), violência contra a mulher é “qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial”. Constrangimento, humilhação, manipulação, perseguição e insulto por pessoas conhecidas ou desconhecidas estão inclusos e são resguardados pela Lei n.º 11.340/06, a Lei Maria da Penha. 

A Central de Atendimento à Mulher é pelo número telefônico 180.

SES-MG promove Encontro Estadual do SUS 2017 com gestores municipais de saúde

Nesta quinta-feira (23/02), prefeitos, secretários municipais de saúde, profissionais de saúde e representantes de diversas entidades ligadas ao Sistema Único de Minas Gerais (SUS) participaram do Encontro Estadual do Sistema Único de Saúde de Minas Gerais 2017, realizado no Grande Teatro do Palácio das Artes, em Belo Horizonte. Clique aqui e confira a nossa galeria de fotos do evento.

Na abertura do Encontro, o secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Sávio Souza Cruz, frisou a importância do evento como forma de conhecer melhor a estrutura, diretrizes e políticas do sistema público de saúde. “Os gestores que recentemente assumiram as prefeituras relatam uma grave situação financeira em seus municípios. No âmbito estadual a situação não é diferente. No entanto, nós não podemos desistir diante das dificuldades e, em momentos como esse, a união de esforços se torna essencial para enfrentar qualquer desafio”, disse Sávio. Para ler a matéria completa no site da SES-MG, clique aqui.

Abaixo, confira algumas das nossas postagens nas redes sociais durante o evento:

Assista o pronunciamento de abertura do secretário Sávio Souza Cruz no Encontro Estadual do #SUS 2017:

Uma publicação compartilhada por saudemg (@saudemg) em

#FalaRegional: Regional de Saúde de Varginha promove encontro com coordenadores de Atenção Primária

Com o objetivo de apresentar o contexto da Atenção Básica na Região de Saúde de Varginha e alinhar as ações dentro dos Programas do Núcleo de Atenção Primária das Unidades Regionais de Saúde (NAPRIS), a  Regional de Saúde de Varginha realizou nesta quinta-feira (23/02), o último dia de encontro com os coordenadores de Atenção Primária à Saúde dos municípios de jurisdição da Regional. O evento, que teve início na terça-feira, foi aplicado em diferentes dias, para as diferentes regiões de saúde, sendo no dia 21/02 para a Região de Saúde de São Lourenço, dia 22/02 de Varginha e Três Pontas e, por último, no dia 23/02 para as Regiões de Saúde de Três Corações e Lavras.

A referência técnica do Núcleo de Atenção Primária à Saúde, Mônica Maciel, apresentou os programas e atividades dos grupos de Promoção à Saúde, Atenção Integral à Saúde e Políticas e Estrutura de Atenção Primária à Saúde. Na ocasião, as referências técnicas apresentaram a situação atual de cada município, projetos para implantação e alinhamento de ações para o ano de 2017.

#SexoSeguro: SES-MG promove ações de conscientização nos blocos de rua no Carnaval

banner-2

Com a campanha “No Bloco da Saúde só vai com camisinha”, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) quer reforçar a importância do #SexoSeguro e do uso do preservativo para a prevenção de gravidez indesejada, HIV/Aids, hepatites, sífilis, além de outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s) neste #Carnaval2017.

Nesse sentido, a SES-MG irá fazer ações da campanha, por meio do projeto “Itatiaia no Ponto”, entre os dias 25 a 28 de fevereiro, nas cidades de Itabirito, Ouro Preto, Sabará, Tiradentes, Santa Luzia, São João Del Rey, Abaeté, Congonhas, Lagoa da Prata e Bonfim. Serão 10 ações promocionais durante o período de carnaval.

Já o Jornal Super irá realizar, entre os dias 24 a 27 de fevereiro, blitz educativa em 22 blocos de rua do carnaval de BH. Uma equipe de promotores devidamente identificada com a identidade da ação visitará vários blocos distribuindo um flyer com orientações educativas de prevenção às Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s) e preservativos para os foliões. Confira a relação dos blocos de rua da ação:

24/02 – 18h às 22h30

  • 18h – Tchanzinho Zona Norte – 18h – Av. Sebastião de Brito, 120 – Dona Clara.
  • 18h – Se Flopar nunca existiu – Rua Pouso Alegre, 2.952, Santa Tereza.
  • 19h30 – Sexta Ninguém Sabe – Rua Alvarenga Peixoto, 974, Lourdes.
  • 21h – Bloco Funebre – Praça da Bandeira – Serra.

25/02 – 8h às 18h

  • 8h – Então, Brilha! – Rua Guaicurus, 660 – Centro.
  • 12h – Praia da Estação – Av. dos Andradas, 201 – Praça da Estação.
  • 14h – Do seu Pai e Filhas da Gabi – Avenida Afonso Pena (em frente ao Palácio das Artes).
  • 14h – Bloco da Calixto – Rua Bernardo Monteiro, Funcionários.
  • 16h – Bloco do Approach – Av. Brasil, 41 – Santa Efigênia.
  • 16h – Bloco Volta Belchior – Rua Mármore, 170, Santa Tereza.

26/02 – 8h às 18h

  • 8h – Pena de Pavão Krishna – local ainda não definido.
  • 10h – Beiço do Wando – Rua dos Aimorés, 6, Funcionários.
  • 14h – Bloco do Batiza – Esquinda da Av. Francisco Sales com Rua Sapucaí.
  • 14h – Unidos do Samba do Queixinho – Av. Otácilio Negrão de Lima, 13.940, Pampulha.
  • 16h30 – Bloco Alcova Libertina – local ainda não definido.
  • 16h30 – Palco na Praça da Savassi.

27/02 – 9h30 / 19h30

  • 9h30 – Garota eu desço a Califórnia – Praça Alaska, Sion.
  • 11h – Havayanas Usadas – Av. Petrolina, 173, Sagrada Família.
  • 14h – Baianas Ozadas – Praça da Liberdade.
  • 14h – Corte Devassa – Rua Sapucaí, Floresta.
  • 16h – Garotas Solteiras – Rua Rio de Janeiro, Centro.
  • 18h – Bloco do Dalva – Av. Getúlio Vargas com av. Afonso Pena.

#CarnavalDaPaz: Divirta-se sem perder a gentileza e o respeito!

A Organização das Nações Unidas (ONU) definiu cultura da paz, em 1999, como um conjunto de valores, atitudes, tradições, comportamentos e estilos de vida de pessoas, grupos e nações baseados no respeito pleno à vida e na promoção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais, na prática da não-violência por meio da educação, do diálogo e da cooperação, podendo ser uma estratégia política para a transformação da realidade social. A violência é um problema social de grande dimensão que afeta toda a sociedade, responsável no mundo inteiro por adoecimento, danos emocionais e mortes.

Nesse sentido, a chegada do Carnaval nos convida a debater a cultura da paz nestes dias de folia e comunhão de pessoas as mais diversas nas ruas das cidades de todo o país. Para que a festa seja de alegrias para todas e todos, é imprescindível que tod@s nós exercitemos o respeito, a paz e a diversão sem violência. Pensando nisso, ao longo desta semana, a fanpage da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) no Facebook apresentou uma série de posts que celebram o Carnaval enquanto festa do amor e bom humor para todas e todos, sem exceção. Salve as imagens, compartilhe com a sua rede e faça parte deste bloco com a gente! 🎉🎊😉🙏🙂

#Carnaval2017: caia na folia de forma saudável!

banner-4

Caia na folia de forma saudável no #Carnaval2017! Há menos de 1 semana do feriado, milhões de brasileiros já estão prontos para uma maratona de festa, diversão, blocos de rua, trios elétricos e samba no pé. Para aproveitar todos os dias com saúde e disposição, é preciso tomar alguns cuidados, não importa se o palco da sua folia será as ruas da sua cidade, a praia ou até mesmo o campo, longe de toda a agitação. Clique aqui e veja no site da SES-MG uma matéria completa sobre a campanha de carnaval deste ano sobre #SexoSeguro.

Abaixo, confira algumas dicas que o Blog da Saúde MG preparou para você:

  • Antes de tudo, escolha roupas leves e sapatos confortáveis. Nessa época do ano, o calor é grande e andar longas distâncias sob o sol com roupas inadequadas pode ser cruel.
  • Hidrate-se bem e faça uma refeição ou um lanche reforçado com alimentos ricos em carboidratos (pão, arroz, batata, mandioca, milho, macarrão) antes de sair para a festa para ter bastante energia na hora da folia. É adepto da prática do “isoporzinho”? Então aproveite para levar consigo frutas, sucos naturais, castanhas, ou outro lanche saudável preparado por você.
  • Antes sair de casa, aplique filtro solar, essencial para proteger a pele dos efeitos nocivos do sol, como o câncer de pele, o envelhecimento precoce e as queimaduras solares. Para garantir uma proteção adequada, escolha um produto com fator de proteção de, no mínimo 30, e não se esqueça de reaplica-lo a cada 2 horas ou após banhos de mar ou piscina, ou suor excessivo.

Durante a festa

  • Beba bastante água, sucos naturais de frutas, água de coco ou até mesmo bebidas isotônicas, para prevenir a desidratação causada pelo excesso de transpiração.
  • Não fique muito tempo sem se alimentar. Escolha alimentos leves e que favoreçam uma rápida digestão, hidratação e nutrição, como barrinhas de cereais, frutas, inclusive desidratadas, ou então sucos. Evite o consumo de alimentos gordurosos, que são de difícil digestão e dão a sensação de estômago pesado e de moleza.
  • Na parada para o almoço ou o lanche, observe as condições de higiene do local onde o alimento está sendo preparado, exposto e servido.
  • Caso consuma bebidas alcoólicas, beba com moderação e intercale com água e alimentos para retardar o efeito do álcool.
  • Use camisinha em toda e qualquer relação sexual. Ela continua sendo o método mais eficaz de prevenção contra a AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis, como alguns tipos de hepatites e a sífilis.

Vai viajar?

  • Tenha um kit de primeiro socorros. Alguns itens importantes como repelente, termômetro, curativos básicos, gaze e antisséptico não podem faltar. Além disso, se você utiliza algum medicamento de uso controlado, não se esqueça de levar sempre uma receita médica.
  • Esteja atento às doenças comuns ou notificadas na área visitada e se informe sobre a possível necessidade de ser vacinado. No caso de área rural, de mata ou silvestre, a vacina contra a Febre Amarela é essencial; saiba mais.
  • Em caso de febre, mal-estar, dor de cabeça ou dor no corpo, náusea, vômito, diarreia ou manchas no corpo, procure imediatamente uma Unidade de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) na sua cidade.
  • Na hora de nadar, procure sempre um local conhecido, onde existe a presença de salva-vidas ou o Corpo de Bombeiros, e evite nadar sozinho. Não se afaste das margens e não tome bebida alcoólica antes de entrar na água. Além disso, evite saltar de estruturas elevadas, como pedras, pontes ou árvores.

#FicaADica: Como usar a camisinha feminina?

Reprodução Internet

Reprodução Internet

Tal como a opção masculina, o preservativo feminino também serve para se prevenir contra a aids, hepatites virais e outras doenças sexualmente transmissíveis; bem como evitar uma gravidez indesejada. Lembrando, claro, que, uma vez que ela se acomoda dentro do canal vaginal, não pode ser usada ao mesmo tempo em que a masculina.

A camisinha feminina é como se fosse uma “bolsa”, de 15 centímetros de comprimento e oito de diâmetro, e possui dois anéis flexíveis. Um é móvel e fica na extremidade fechada, servindo de guia para a colocação da camisinha no fundo da vagina. O segundo, na outra ponta, é aberto e cobre a vulva, parte externa da vagina. É feita de poliuretano, um material mais fino que o látex da camisinha que envolve o pênis. É, também, mais lubrificada.

Como usar?

O anel móvel deve ser apertado e introduzido na vagina. Com o dedo indicador, ele deve ser empurrado o mais profundamente possível para alcançar o colo do útero, enquanto a argola fixa, externa, deve ficar aproximadamente 3 cm para fora da vagina. Durante a penetração o pênis deve ser guiado para o centro do anel externo. Uma vez terminada a relação sexual, a camisinha deve ser retirada apertando o anel externo. É preciso torcer a extremidade externa da bolsa para garantir a manutenção do esperma no interior da camisinha. Depois, basta puxar o preservativo para fora delicadamente. E a cada nova relação deve-se usar um novo preservativo.

Reprodução Internet

Reprodução Internet

Vale destacar que, com o vaivém do pênis, é normal que a camisinha se movimente. Se o anel externo estiver sendo puxado para dentro, é necessário segurá-lo ou colocar mais lubrificante. Outro detalhe interessante acerca da camisinha feminina, é que ao contrário do preservativo masculino, ela pode ser colocada até oito horas antes da relação, e pode ser retirada com tranqüilidade após a relação, de preferência antes de a mulher levantar-se, para evitar que o esperma escorra do interior do preservativo.

#SexoSeguro: SES-MG lança campanha que reforça o uso de preservativo no Carnaval

banner-3

Com o slogan “No Bloco da Saúde só vai com camisinha”, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) lança nesta segunda-feira (20/02) a campanha que reforça o uso de preservativo para a prevenção de gravidez indesejada, HIV/Aids, hepatites, sífilis, além de outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s) neste #Carnaval2017.

Além disso, foi criado um hotsite especial (www.saude.mg.gov.br/sexoseguro) com diversas informações para que você possa ter uma vida sexual saudável com o apoio do Sistema Único de Saúde (SUS). Clique aqui para ler a matéria completa no site da SES-MG.

Por que usar camisinha?

Muita gente já sabe, mas não custa nada reforçar que a camisinha é o método mais eficaz para se prevenir contra muitas IST’s e, sobretudo, uma gravidez não planejada. Por meio das Unidades Básicas de Saúde (também conhecidas como Posto de Saúde), Serviços de Atenção Especializada (SAE), Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e ONG’s, é possível ter acesso de forma gratuita a preservativos masculinos e de gel lubrificante.

Nova nomenclatura

Fique ligado! O termo IST é mais adequado e já é utilizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O Ministério da Saúde recomenda aos órgãos que trabalham com saúde pública e saúde coletiva o uso da nomenclatura “IST” (infecções sexualmente transmissíveis) no lugar de “DST” (doenças sexualmente transmissíveis).

A denominação ‘D’, de ‘DST’, vem de doença, que implica em sintomas e sinais visíveis no organismo do indivíduo. Já as ‘Infecções’ podem ter períodos assintomáticos, ou se mantém assintomáticas durante toda a vida do indivíduo, como são os casos da infecção pelo HPV e o vírus do Herpes, detectadas por meio de exames laboratoriais.