Monthly Archives: março 2017

#SaúdeLGBT: Saiba a importância do cuidado integral com a saúde de todo o público LGBT

Ilustração: Maycon Portugal

Neste próximo sábado (25/03) é celebrado o Dia Nacional do Orgulho Gay. A data que marca uma série de lutas pelo reconhecimento de direitos e igualdade que abrangem a população de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBT). Na data, aproveitamos para lembrar a importância do cuidado integral com a saúde de todo o público LGBT, composto por gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis.

É comum que a população LGBT seja associada a alguns estereótipos sociais negativos, que podem acabar interferindo nos atendimentos prestados a esse grupo nos serviços de saúde. Entretanto, é direito de toda a população LGBT ter acesso aos diferentes serviços oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de maneira igualitária, acolhedora e com atendimento humanizado. Por isso, em primeiro lugar, é necessário reconhecer os efeitos da discriminação para a população LGBT, reafirmando o compromisso do SUS com a universidade e integridade nos atendimentos.

Nesse contexto, a adoção do nome social no cartão do SUS é um grande passo para garantir o cuidado integral com a saúde de transexuais e travestis, garantindo atendimento com cidadania e coibindo situações constrangeras ou vexatórias. O nome social também pode ser utilizado por pessoas que possuem apelido amplamente conhecido em sua comunidade.

A Política Nacional de Saúde LGBT também pode ser considerada um dos maiores avanços na área, justamente por promover a quebra de estereótipos no atendimento clínico oferecido a essa população. Lançada em 2011 pelo Ministério da Saúde, a política garante importante avanços nos atendimentos de saúde, incluindo questões de identidade de gênero e de orientação sexual em formulários, prontuários e sistemas de informação em saúde. Também é prevista pela Política Nacional de Saúde LGBT a ampliação da participação dos movimentos sociais LGBT nos Conselhos de Saúde, destinados à avaliação das ações do SUS.

#FAQ: Tire todas as suas dúvidas sobre Tuberculose

tuberculose

A tuberculose é uma doença infectocontagiosa com profundas raízes sociais, mas que pode afetar qualquer indivíduo, independentemente de sua classe social. A doença é causada por uma bactéria, sendo transmitida pelo ar de pessoa para pessoa, através da fala, tosse ou espirro. Ela atinge principalmente os pulmões, mas outros órgãos também podem ser afetados. Clique aqui e confira no site da SES-MG uma matéria completa sobre este assunto.

Em função disso, nesta sexta-feira (24/03), onde é celebrado o Dia Mundial de Enfrentamento à Tuberculose, o Blog da Saúde MG esclarece algumas dúvidas importantes sobre a doença. Acompanhe:

1) O que é tuberculose?

A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível que afeta prioritariamente os pulmões (tuberculose pulmonar), embora possa acometer outros órgãos e sistemas (tuberculose extrapulmonar).

2) Qual a causa da tuberculose?

A tuberculose é causada por bactérias que integram o complexo Mycobacterium tuberculosis.

3) A tuberculose é uma doença grave?

Sim. A tuberculose quando não diagnosticada e tratada adequadamente pode matar. A doença se torna grave quando diagnosticada tardiamente, quando há uso inadequado da medicação, realização do tratamento de forma irregular ou abandono do tratamento.

4) Como se dá o contágio?

A tuberculose é uma doença transmitida de pessoa a pessoa a partir da inalação de partículas muito pequenas (aerossóis) eliminadas por pessoas com tuberculose ativa. Somente pessoas com tuberculose ativa pulmonar ou laríngea transmitem a doença e, em geral, após 15 dias de tratamento adequado elas já não são mais capazes de infectar outras pessoas.

5) Como é feita a prevenção?

A melhor forma de prevenir a disseminação da tuberculose é identificar rapidamente os pacientes com a doença e iniciar o tratamento (após 15 dias de uso regular dos medicamentos a maioria das pessoas não transmite mais a doença). Também é recomendado luz solar e ventilação, que contribuem para reduzir os riscos de transmissão. Outra forma de prevenção é a vacinação BCG, que é recomendada para menores de um ano e protege a criança principalmente contra as formas graves da doença.

6) Quais são os sintomas?

Em adolescentes e adultos jovens, o principal sintoma da tuberculose pulmonar é a tosse (por três semanas ou mais), associada ou não a febre (especialmente à tarde), suor intenso à noite, falta de apetite e emagrecimento. Em crianças menores de 10 anos de idade, a febre moderada e persistente é a principal manifestação clínica. Também são comuns irritabilidade, tosse, falta de apetite, perda de peso e suor intenso à noite. Na presença dos sinais e sintomas acima descritos, é importante procurar um serviço de saúde da rede SUS para avaliação.

7) Como é feito o diagnóstico e tratamento?

A realização do exame do escarro é uma das principais ações para o diagnóstico da tuberculose. O Estado de Minas Gerais possui também uma rede que realiza o Teste Rápido Molecular, exame moderno para o diagnóstico da tuberculose, sem qualquer custo para o usuário. Na grande maioria dos casos, o atendimento e o acompanhamento deve ser realizado na Atenção Primária à Saúde. Os casos de maior complexidade, quando necessário, são encaminhados para a Atenção Secundária ou Terciária. Os hospitais de referência para o Estado no que se refere aos casos complexos de tuberculose são: Hospital Júlia Kubitschek, o Hospital das Clínicas/UFMG e o Hospital Eduardo de Menezes.

8) Quais são os principais desafios relacionados à doença?

O abandono do tratamento, pois trata-se de uma situação que pode agravar a quadro do paciente, além de manter a transmissão da doença e ocasionar o aparecimento de bactérias mais resistentes. É importante salientar que tuberculose tem cura, o tratamento é gratuito e disponível em toda rede SUS. Para o resultado do tratamento ser favorável, é importante o paciente tomar os medicamentos com regularidade (todos os dias) e notempo previsto (mínimo de 06 meses). O desconhecimento é outro desafio para o controle da tuberculose. É importante sensibilizar a comunidade. A tuberculose impõe aos pacientes uma sobrecarga associada ao impacto da doença na saúde, ao tratamento longo e difícil, e a exclusão social devido ao estigma e o medo.

Fontes:

#Mobilização: Parceiros da SES-MG realizam ação em Ibirité sobre Dengue e Febre Amarela

DENGUE 1

Com o intuito de disseminar ações de promoção da saúde para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), o Núcleo de Mobilização Social da  Secretaria de Estado de Saúde do Estado de Minas Gerais (SES-MG) tem firmado parcerias com os mais diversos setores da sociedade para a conscientização da cidadã e do cidadão, de forma a tê-los como corresponsável pela prevenção e promoção da saúde pública.

Entre os parceiros da Mobilização da SES-MG está a Igreja do Evangelho Quadrangular de Ibirité que, no último final de semana (18 e 19/03), distribuiu de forma voluntária materiais produzidos pela Secretaria sobre as doenças ligadas ao Aedes (Chikungunya, Zika e Dengue) e sobre Febre Amarela para os moradores da localidade. Elias Pereira, da igreja do Evangelho Quadrangular de Ibirité, representante da Instituição nessa ação, afirmou que essa ação foi excelente e “que foram distribuídos materiais para um público de, aproximadamente, duas mil pessoas”.

Elias ressaltou ainda que a parceria com a SES-MG é sempre positiva e “que já foram realizadas em parceria com a Mobilização uma Caminhada contra a dengue e também caminhada contra o Câncer de mama, no Outubro Rosa”. De forma periódica, o Núcleo de Mobilização Social da SES-MG entra em contato com a lista de parceiros sempre que é lançada uma nova campanha e/ou quando há necessidade de fomentar ações sobre promoção da saúde no SUS.

Reforço contra o Aedes

Atualmente, a Mobilização Social está trabalhando na Campanha de reforço para enfrentamento ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da Chikungunya, Zika e Dengue. O objetivo dessa segunda fase da campanha é intensificar, junto à população, a importância da participação de todos nesse processo.

É importante lembrar que ainda que a estas doenças sejam sazonais, cuja tendência de maior concentração de casos ocorra entre os meses de janeiro a abril, em todo o Estado, o vetor das doenças circula durante todo o ano, mesmo que com menor intensidade nos meses mais frios e secos (maio a setembro). Dessa forma, os cuidados em relação à prevenção e eliminação de focos não devem cessar.

Parceria

Quer que sua instituição, empresa ou grupo social se torne um parceiro da Mobilização Social? Envie um e-mail para sesmobilizacaomg@gmail.com ou pelo telefone (31) 3916-0609.

#EAD: Curso sobre Atenção à Mulher em Situação de Violência

ead-sus

Até o dia 06 de abril, estão abertas as inscrições para o curso de extensão “Atenção à Mulher em Situação de Violência” . A capacitação será oferecida na modalidade de educação à distância (EAD). A iniciativa é promovido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), por meio do projeto Para Elas, desenvolvido em parceria com a Coordenação Geral de Saúde das Mulheres (Dapes/SAS), do Ministério da Saúde. O objetivo é capacitar profissionais para a abordagem da mulher em situação de violência.

A formação tem a carga horária de 15, 30 ou 45 horas a depender de quantos módulos o participante cumprir. A próxima turma será na modalidade à distância com tutoria e os alunos receberão certificados pela participação. As aulas terão início em 24 de abril. Os candidatos poderão fazer suas inscrições pelo link: https://goo.gl/forms/aZuMVve1264RxP4i2

Depois de feita a inscrição, cada candidato receberá uma senha, com a qual terá acesso à Plataforma e às atividades previstas para o período que precede o curso (período preparatório). Podem se inscrever profissionais de qualquer área de conhecimento, com preferência para os que atuam nas redes de enfrentamento da violência contra mulher, inseridos em diferentes setores. O único pré-requisito é que o candidato tenha terminado curso de nível superior. Outras informações sobre o curso ou esclarecimentos de dúvidas podem ser obtidas pelo telefone para contato é (31) 3409.9945.

O curso é composto por três unidades:

  1. Bases Teórico-Metodológicas da Abordagem da Violência: Abordará de maneira introdutória, importantes teorias – clássicas e atuais – para explicar a disseminação da violência nas sociedades atuais e suas respectivas formulações de enfrentamento. Em seguida, apresenta os principais movimentos sociais que marcaram a história da humanidade e o papel da mulher nesses movimentos;
  2. Políticas Públicas, Leis e Programas voltados para a mulher em situação de violência: apresentará as políticas, as leis, as portarias, as estratégias, os decretos e os programas, alicerces do arcabouço político-institucional voltado para o enfrentamento da violência contra a mulher;
  3. O cuidado à mulher em situação de violência sexual: abordará, por meio da apresentação e discussão de casos, o cuidado prestado, integral, multidisciplinar, imediato e longitudinal, segundo o protocolo do Ministério da Saúde, em vigor.

 

Fonte: Coordenação Geral de Saúde das Mulheres (Dapes/SAS), do Ministério da Saúde.

#Quizz: Você sabe como conservar corretamente às carnes após a compra?

Com a deflagração da Operação Carne Fraca, que descobriu irregularidades encontradas nos frigoríficos vão desde uso de produtos químicos para mascarar carne vencida a excesso de água para aumentar o peso dos produtos, as pessoas tem se perguntado como escolher uma carne de qualidade, como conservar essa carne de maneira correta. Clique aqui e confira no site da SES-MG uma matéria completa sobre este assunto.

Diante dessas dúvidas, a equipe de Gerência de Vigilância de Alimentos da SES-MG esclarece algumas dúvidas e traz dicas para a população. Abaixo, marque as opções de Falso ou Verdadeiro para saber se você armazenando de forma correta às carnes após a compra no açougue ou supermercado:

#SaúdeEntrevista: Você sabe a quantidade de água que deve ingerir diariamente?

por Fernanda Rosa

série_diaágua_post_1

Nesta quarta-feira (22/03) é celebrado o Dia Mundial da Água, data criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para estimular a reflexão e discussão sobre a relevância desse bem natural em nosso dia a dia. Clique aqui e confira no site da SES-MG uma matéria completa sobre este assunto.

Para entender melhor a importância da ingestão regular de água para o nosso organismo, o Blog da Saúde MG entrevistou as referências técnicas do setor de Promoção à Saúde da SES-MG, Lais Antero e Nathalia Beltrão. Confira:

1) Blog da Saúde MG:  Quais os benefícios da ingestão regular da água para o corpo?

Lais Antero e Nathalia Beltrão: A água é um componente vital e essencial nos processos fisiológicos e metabólicos do organismo. Como, por exemplo, estimula a diurese contribuindo para a eliminação de toxinas acumuladas no corpo, ajuda na formação do bolo fecal, auxilia na manutenção da temperatura corporal e no transporte de nutrientes para as células.

2) Além da sede, que outros sinais o corpo pode dar para alertar que a ingestão de água tem sido insuficiente?

Sintomas como boca seca, sudorese, pele fria e úmida, vômito, diarreia, câimbras e em casos mais graves perda da consciência, podem estar associados à ingestão insuficiente de água.

3) Sempre ouvimos dizer que a quantidade recomendada de água é de, pelo menos, 2 litros por dia. Essa informação é válida ou, ao contrário, essa quantidade varia de indivíduo para indivíduo?

Esta informação está dentro das recomendações gerais, no entanto, é necessária avaliação individual. Também se deve atentar a temperatura, atividades que a pessoa realiza e se estará exposta ao sol ou não. É importante principalmente observar o ciclo da vida em que a pessoa se encontra, pois, para cada fase da vida a necessidade hídrica será diferente. É preciso ter atenção especial à ingestão hídrica de crianças e idosos.

3) Frutas, verduras e legumes costumam apresentar água em sua composição. Você poderia nos dar dicas de alimentos aos quais devemos dar preferência, levando-se em consideração a quantidade do componente água?

É bom lembrar que nenhum outro alimento substitui a água, e praticamente todos os alimentos apresentam água em sua composição. No geral as frutas e verduras contém grande potencial adjuvante na hidratação. Como exemplo, podemos citar melancia, melão, acerola, laranja, tangerina, abacaxi, alface, tomate, repolho, dentre outros que na sua composição contém cerca de 90% de água, além de vitaminas e minerais.

4) Para quem tem dificuldades para ingerir a quantidade recomendada de água, há alguma dica? As águas saborizadas são válidas? 

Algumas dicas são ter uma garrafinha de água sempre a mão, colocar lembrete no celular, usar garrafinhas com marcações de hora em hora, incluir a ingestão de água na rotina. Saborizar ou aromatizar a água é uma ótima estratégia: acrescentar ervas aromáticas ou frutas cortadas à água natural, sem adição de açúcar ou qualquer tipo de conservante. Fazer cubos de gelo com pedaços de frutas dentro também é uma alternativa interessante.

#Dicas: É possível economizar água em casa e no trabalho?

Simple icon tap water. Flat graphics. Stock vector image.

A água é um recurso natural muito importante para a nossa sobrevivência e fundamental para a nossa saúde. Mas, para termos um consumo de água consciente, é preciso a união de toda sociedade. Clique aqui e confira no site da SES-MG uma matéria completa sobre este assunto. No Brasil, quase 40% da água destinada à população das cidades é desperdiçada. Em casa, mudanças de hábito podem reduzir o gasto, ajudando não apenas no valor da conta, mas também o meio ambiente. Veja abaixo alguns dicas de como economizar água em casa:

Banheiro

Aproximadamente, 75% da água consumida numa casa é gasta no banheiro. Por isso, diminuir o tempo no banho é fundamental para o uso racional dos recursos hídricos. Em um banho de 15 minutos, são gastos 240 litros de água em apartamentos e 135 litros em casas, já que a pressão da rede é maior em apartamentos. Cinco minutos são suficientes, e o registro deve ser fechado na hora de lavar o cabelo e se ensaboar. A água utilizada pode ainda ser reaproveitada para lavar roupas e outras atividades da casa, com uma bacia.

Descuidos comuns, escovar os dentes, fazer a barba ou lavar o rosto com a torneira aberta custam caro: em apartamentos, 80 litros de água são desperdiçados em cinco minutos – 12 litros em casas. Portanto, feche a torneira durante a escovação. Outra dica é usar um copo de água para o enxágue. Dessa forma, são poupados 79 litros de água em apartamentos, no caso de três escovações por dia. A descarga de vasos sanitários com a caixa acoplada gasta cerca de 12 litros. Só utilize a descarga quando necessário, não jogue lixo dentro do vaso e também certifique-se de que a válvula está funcionando bem, pois o desperdício que ela gera quando quebrada pode chegar a 30 litros de água.

Cozinha

Enquanto as louças são lavadas, a torneira também deve ficar fechada. Dessa forma, em 15 minutos, só serão gastos 20 litros de água, contra 240 litros com a torneira aberta. Lavando as louças com uma bacia ou abrindo o registro somente para enxaguar, o uso da água pode se resumir a cinco minutos, economizando 160 litros. A lavadora, para auxiliar na economia, só deve ser utilizada quando estiver cheia. Máquinas com capacidade para 40 talheres e 45 utensílios gastam 40 litros.

Limpeza da casa

O ideal é que quintais e varandas não sejam lavados, apenas varridos. Em um ano, 14 mil litros de água são usados para lavar um quintal semanalmente. Assim, caso haja a necessidade de lavar a área, a água utilizada na lavagem de roupas pode ser reutilizada. Fique atento ainda à manutenção da casa, como vazamentos e goteiras, que podem desperdiçar até 46 litros de água por dia – se a água estiver fluindo, são 180 a 720 litros diários. Em um ano, uma torneira desgastada, que não fecha completamente e fica pingando, gasta o equivalente a 64 mil copos de água.

 

Fonte: Portal Brasil.

#SaúdeEntrevista: Fernanda Honorato fala sobre Síndrome de Down e inclusão social

Foto: Márcio Zavareze / TV Brasil.

Foto: Márcio Zavareze / TV Brasil.

Fernanda Honorato é primeira repórter com Síndrome de Down do mundo. Além de repórter do Programa Especial, da TV Brasil, Fernanda é atriz de teatro e cinema, rainha de bateria da Escola de Samba Inclusiva e palestrante.Em seu extenso currículo, constam trabalhos como depoimento no último capítulo da novela Páginas da Vida, entrevistas concedidas ao Programa Jô Soares, TV Xuxa, Programa Encontro com Fátima Bernardes, participação em filmes como Cromossomo 21 e Entre Amores, sendo esse último como atriz protagonista.

Veja também:

Fernanda também realizou a cobertura do evento do Dia Internacional da Síndrome de Down, da ONU, e recebeu prêmios importantes como a Medalha Associação Internacional Lions Clube, Rank Brasil (1ª repórter com Down), Prêmio Destaque Empresarial (Talento Especial em Jornalismo), Revista OGGI – Itália, Medalha Mérito Esportivo Militar 2017, entre outros. Abaixo, confira a entrevista:

Blog Saúde MG: Em seus relatos você fala que, quando criança, costumava imitar a Marília Gabriela e realizava entrevistas com seus familiares e pessoas próximas. Qual foi a sua sensação quando essa “brincadeira” passou a ser verdade? Nos conte um pouco mais sobre o início da sua carreira como repórter.

Fernanda: O início da minha carreira foi quando eu estava em uma discoteca e o Programa Especial estava lá para fazer uma entrevista. Quando me conheceram, resolveram fazer uma entrevista sobre o meu dia a dia, aí gostaram tanto de mim que pediram para eu fazer um teste. Eu fiz esse teste e ficou guardado por um tempo. Depois esse teste acabou indo ao ar. Eu fiquei muito feliz e esse foi o dia que realizei um grande sonho.

Blog Saúde MG: É nítida sua evolução e desenvoltura como repórter ao longo dos anos no Programa Especial. A que você atribui esse aperfeiçoamento na carreira?

Fernanda: Aprendi muitas técnicas com a minha produtora. Gosto de me informar sobre coisas importantes, leio jornal, assisto ao noticiário e leio notícia da internet. No início, eu tinha uma pauta de perguntas feita pela produtora, mas, com o tempo fui ganhando confiança e hoje ela abre para eu desenvolver as perguntas.

Blog Saúde MG: Além de trabalhar como repórter, você também é atriz, dançarina e atleta da Sociedade de Síndrome de Down na modalidade natação, certo?

Fernanda: Certo.

Blog Saúde MG: Como você organiza seu tempo para conciliar todas essas tarefas? Nos conte um pouco mais sobre o seu dia a dia.

Fernanda: Meus dias são muito cheios, minha agenda é lotada, mas eu vou dando conta do recado porque não gosto de ficar parada.

Blog Saúde MG: O que você aconselha para as pessoas com Síndrome de Down que tenham muita vontade de trabalhar ou realizar um grande sonho, mas ainda encontram dificuldades?

Fernanda: Eu digo para não desistirem dos seus sonhos. Temos que acreditar na nossa capacidade, no nosso potencial, no nosso ponto de vista, que podemos romper barreiras.

Blog Saúde MG: Infelizmente o preconceito ainda é algo que faz parte do dia a dia do ser humano, principalmente quando lidamos com as diferenças. Como você vê essa questão?

Fernanda: Há muito preconceito sim, mas hoje eu tento lutar pela inclusão para acabar com o preconceito.

Blog Saúde MG: Em algum momento pensou em desistir de algum sonho por causa de pessoas preconceituosas?

Fernanda: Nunca pensei em desistir dos meus sonhos e nunca vou desistir, pois sou feliz como eu sou.

Blog Saúde MG: Além da natação e da dança, você pratica outros esportes? Você acredita que os exercícios físicos tenham lhe ajudado no seu desenvolvimento? Se sim, quais foram os benefícios para a sua vida?

Fernanda: Os exercícios ajudaram na minha saúde. Eu era muito gordinha e sedentária, hoje me sinto mais disposta para fazer as tarefas do meu dia a dia e me sinto mais bonita.

Blog Saúde MG: E a sua alimentação, como é? Considera seu estilo de vida como saudável?

Fernanda: Eu faço todas as refeições, como melão todos os dias pela manhã, adoro um arroz e feijão, mas não posso comer muito, evito refrigerantes, pizza e salgadinhos. Gosto muito de salada. Todas as noites tomo um chá.

Blog Saúde MG: O que você considera fundamental no quesito saúde para acompanhamento de pessoas com síndrome de Down?

Fernanda: Exercício físico, boa alimentação e atividades que dão prazer.

#SUS: Você conhece a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra?

Arte: Deise Meireles

Arte: Deise Meireles

No Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra, instituída pela Portaria nº 992 de 13 de maio de 2009, visa garantir a equidade e a efetivação do direito à saúde de negras e negros. Tendo como marca o reconhecimento do racismo como determinante social das condições de saúde, a Política estabelece objetivos, diretrizes, estratégias e responsabilidades da gestão em todas as esferas, com vistas à promoção da equidade em saúde.

Entre suas diretrizes e objetivos inclui ações de cuidado, atenção, promoção à saúde e prevenção de doenças, bem como de gestão participativa, participação popular e controle social, produção de conhecimento, formação e educação permanente para trabalhadoras e trabalhadores da saúde, visando à promoção da equidade em saúde da população negra.

Atualmente, o tratamento pelo SUS de doenças que mais afetam a população negra, como é o caso da anemia falciforme, alcança cerca de 40 mil pessoas. O atendimento inclui exames de rotina e dispensação gratuita de medicamentos. A cada ano, aproximadamente 2,4 milhões de recém-nascidos fazem o exame de Doença Falciforme pelo SUS, ou seja, uma cobertura de 83,2% das crianças que nascem no país.

No caso do diabetes, a população tem acesso a ações de prevenção e tratamento, desde a atenção básica até procedimentos de média de alta complexidade, que ajudam a controlar o índice de glicose no sangue. Além disso, as comunidades quilombolas são priorizadas no Programa Mais Médicos, recebendo investimentos em infraestrutura e profissionais para atuarem nessas localidades. São 249 municípios com comunidades quilombolas atendidos pelo programa, que possuem um ou mais médicos, somando 1.630 ao todo.

O racismo afeta a saúde?

Sim, o racismo afeta a saúde. O racismo influencia a ocorrência de problemas de saúde e potencializa seus fatores de risco, sendo reconhecido pelo Ministério da Saúde como Determinante Social das Condições de Saúde. No entanto, ele não se apresenta necessariamente na forma de atitudes discriminatórias explícitas. Nas instituições pode ocorrer na forma de linguagem codificada (violência simbólica) e negligência (indiferença diante da necessidade).

Ouvidoria do SUS

Situações de racismo podem e devem ser denunciadas por meio da Ouvidoria do SUS. Ela é o setor responsável por receber manifestações como reclamações, denúncias, elogios, críticas e sugestões dos cidadãos quanto aos serviços e atendimentos prestados por determinado órgão. As manifestações podem ser feitas por meio de vários canais como: carta, internet, telefone e atendimento presencial. Além de serem encaminhadas aos órgãos competentes, as dúvidas e denúncias registradas na Ouvidoria são consolidadas e servem para direcionar novas ações do Ministério da Saúde e da Secretaria de Direitos Humanos.

» Leia também:  Conheça 6 mulheres negras fundamentais para a promoção da equidade no SUS