#Dica: Inscrições abertas para a edição 2017 do “Prêmio Para Mulheres na Ciência”

By | 16 de março de 2017

16.03_premio_mulheres_ciencia_2017

Até o dia 08 de abril, estão abertas as inscrições para a edição 2017 do Prêmio Para Mulheres na Ciência. As participantes concorrem a uma bolsa de R$ 50 mil e podem submeter seus trabalhos para análise em uma das quatro categorias: Ciências Físicas, Ciências da Vida (Biomédicas, Biológicas e da Saúde), Ciências Matemáticas e Ciências Químicas.

“Atualmente, apenas 30% dos pesquisadores de todo o mundo são mulheres. Com o Prêmio, queremos incentivar jovens cientistas a continuarem seus projetos e tornar a ciência um território com maior igualdade de gênero”, argumenta Patrick Sabatier, Diretor de Relações Institucionais e Comunicação da L’Oréal Brasil.

Para participar, é necessário que a candidata tenha concluído o doutorado a partir de 2010, tenha residência estável no Brasil, desenvolva projetos de pesquisa em instituições nacionais, entre outros. Confira o regulamento completo aqui. As inscrições vão até o dia 8 de abril através do site: http://www.paramulheresnaciencia.com.br/inscricoes

Realizado desde 2006 no Brasil, o Prêmio L’Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência já reconheceu e incentivou 75 cientistas brasileiras premiando a relevância dos seus trabalhos, com a distribuição de aproximadamente R$ 3.5 milhões em bolsas-auxílio. Em 2016, mais de 400 pesquisas de todo o país foram inscritas. As vencedoras de 2017 serão conhecidas em julho e a cerimônia de premiação será realizada em outubro, no Rio de Janeiro.

Vale a pena saber:

  • Apenas 30% dos profissionais de ciência são mulheres;
  • No ano de 2016, pela primeira vez, a NASA teve uma turma de astronautas com a mesma quantidade de homens e mulheres;
  • Apenas 3% dos prêmios Nobel Científicos foram dados a mulheres, dentre os quais, 80% foram em medicina;
  • As equipes científicas que respeitam a paridade são 34% mais citadas pelos seus pares (fonte: universidade de Montreal);
  • A média de participação das mulheres nas pesquisas na América Latina e Caribe é 44%;
  • No geral hoje, uma menina da graduação no ensino médio tem, em média, 35% de probabilidade de se matricular em um bacharel científico, 18% de chance de se formar, 8% de fazer um mestrado e 2 % de ser uma doutora em ciência. Para os homens, essas probabilidades são, respectivamente: 77%, 37%, 19% e 6%. (fonte: BCG 2013);

Trabalhos Premiados

Desde 2014, um novo programa busca trazer ainda mais conexão entre as iniciativas regionais e prêmio internacional: o International Rising Talents. O objetivo é impulsionar o percurso de excelência de jovens e promissoras cientistas até se tornarem pesquisadoras internacionalmente reconhecidas. Essa premiação é concedida a 15 jovens cientistas por ano, três de cada região do mundo: África e Estados Árabes, Ásia e Pacífico, Europa, América Latina e América do Norte.

Entre as vencedoras do Para Mulheres na Ciência de 2016 está à cientista do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Fernanda de Pinho Werneck. Seu trabalho foi escolhido para representar a América Latina no International Rising Talents e é um dos premiados de 2017. Este ano, a cerimônia está marcada para o dia 21/03, em Paris, na França. Duas brasileiras já foram reconhecidas anteriormente nesse prêmio: Carolina Horta (Ciências Químicas), em 2015, e Elisa Orth (Ciências Química), 2016.

A pesquisa de Fernanda observa como os efeitos das mudanças climáticas globais prometem grandes transformações na vida animal. O estudo da pesquisadora busca identificar as origens históricas da diversidade genética, os riscos de extinção e a capacidade adaptativa de lagartos da Amazônia e do Cerrado, os dois maiores biomas da América do Sul.

Deixe uma resposta