#Maternidade: Exposição “Sentidos do Nascer” segue em Belo Horizonte

By | 9 de maio de 2017

sentidos-do-nascer-exposicao

A exposição interativa Sentidos do Nascer pode ser visitada às quintas-feiras, das 9h às 21h, até o mês de julho, no campus Pampulha da UFMG. A mostra, que integra as comemorações dos 90 anos da Universidade, visa derrubar mitos relacionados ao nascimento e ao parto normal e orientar sobre os prejuízos que as cesarianas desnecessárias oferecem à saúde da mulher e do bebê.

A exposição está montada ao lado do Restaurante Universitário Setorial 1, que fica entre a Faculdade de Educação (FaE) e o Instituto de Geociências (IGC). Durante todo o horário de visitas haverá monitores para instruírem os visitantes sobre a mostra.

Incentivo ao parto normal

Bernardo Jefferson, professor da FaE e historiador da ciência que idealizou a mostra, explica que, graças à forma com que a mostra trata os benefícios do parto normal, a Prefeitura de Belo Horizonte tem se valido de sua estrutura para oferecer aos profissionais de saúde do município pequenos cursos de formação continuada. “Sentidos do nascer pretende contribuir para a mudança da percepção sobre o nascimento, incentivando a valorização do parto normal para a redução da cesariana desnecessária. A cesariana é uma cirurgia indicada quando o parto normal não é possível. Uma exceção que, no Brasil, virou regra”, explica Bernardo.

O professor lembra que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que o percentual de cesarianas realizadas esteja entre 10 e 15% do total de partos, mas que, no Brasil, 57% dos bebês nascem por meio desse tipo de procedimento. “Na rede privada, esse índice chega a 80%”, afirma o professor.

A exposição também tem coordenação e curadoria da pesquisadora do Grupo de Pesquisas em Epidemiologia e Avaliação em Saúde da Faculdade de Medicina da UFMG (GPEAS) e professora colaboradora da Pós-graduação em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência da Faculdade, Sônia Lansky.

Outras informações: na página do projeto ou na página do Facebook.

Fonte: Faculdade de Medicina UFMG

Deixe uma resposta