#Curiosidade: Saiba os riscos dos aditivos para mudar sabor e cheiro de cigarros

By | 31 de agosto de 2017
Foto: iStock / Reprodução.

Foto: iStock / Reprodução.

 

O Brasil foi o primeiro país no mundo a proibir, em 2012, o uso de aditivos que mudam o sabor e o cheiro dos cigarros. Nos anos seguintes, pelo menos 33 outros países baniram produtos de tabaco com flavorizantes. Retroceder nessa medida pode atrapalhar a bem-sucedida trajetória brasileira na redução do número de pessoas que fumam.

A maioria dos fumantes começa a consumir produtos de tabaco antes dos 18 anos de idade, o que torna esse público estrategicamente importante para a indústria do tabaco. Um estudo realizado em 2014 nos Estados Unidos demonstrou que 73% dos estudantes da high school (equivalente no Brasil ao ensino médio) e 53% dos alunos da middle school (equivalente ao ensino fundamental) que haviam consumido derivados de tabaco nos últimos 30 dias, usaram produtos com sabor.

Atualmente, o Brasil figura como um dos países que tem implementado as principais medidas de controle de tabaco. Como consequência, vem alcançando redução na prevalência de fumantes. Em 1989, pesquisas realizadas no país mostraram que a prevalência de fumantes na população com 18 anos ou mais era de 34,8%. Em 2008, esse índice caiu para 18,5%. Em 2013, a prevalência continuou em queda: 14,7%. Isso significa uma redução de mais de 50% em 24 anos.

Um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) mostra que 30,4% dos meninos e 36,5% das meninas já experimentaram cigarro. Desse universo, 58,2% dos meninos e 52,9% das meninas disseram que preferem com sabor. O levantamento ouviu 17 mil estudantes em 13 capitais entre 2005 e 2009.

A pesquisa mostra ainda que o nosso aparelho respiratório não está preparado para absorver os aromatizantes contidos nesses tipos de cigarros, que irão agredir as mucosas dos brônquios e causar lesões difusas e imprevisíveis. Além disso, o estudo mostra ainda que a adição de aditivos (como açúcares e flavorizantes como o mentol, mel, chocolate e a cereja) interagindo com a nicotina, dificulta ainda mais o abandono do tabagismo, mantendo maior número de consumidores, dando maior lucratividade para a indústria do tabaco.

Internacional

A OMS recomenda aos países que regulamentem, proíbam ou restrinjam colorantes e ingredientes que possam ser usados para melhorar o gosto ou criar a impressão de que sejam positivos para a saúde. O mesmo vale para ingredientes que estejam associados à energia e vitalidade.

Vários países já adotaram medidas para regulamentar a adição desses agentes, como Austrália, Canadá, Estados Unidos, França, Singapura e Tailândia. Na América Latina, a Costa Rica, o Equador, o Panamá e o Uruguai já estão empenhados na regulamentação dos produtos de tabaco e avançam nos processos institucionais necessários para isso.

 

Fonte: Agência Brasil / OMS / Adaptação.

Deixe uma resposta