Monthly Archives: outubro 2017

#MobilizaçãoDaSaúde: Em parceria com Hemominas, Cruzeiro promove campanha “Sangue Azul”

por Lucas Leite | ASCOM Cruzeiro Esporte Clube

Com um simples gesto, uma única pessoa pode salvar vidas. Através da solidariedade de doadores de sangue, a Fundação Hemominas beneficia milhares de pacientes espalhados em hospitais do estado. No entanto, com os baixos estoques, a instituição encontra dificuldades para ajudar a mudar a história dos mais necessitados.

Para conscientizar a sociedade sobre a importância da doação, o Pentacampeão da Copa do Brasil retoma, a partir do próximo domingo, a campanha “Sangue Azul”, responsável por movimentar a imensa Nação Azul desde 2004. A iniciativa conta com apoio da Caixa Econômica Federal.

Dando início às ações, a Raposa e a Hemominas farão o cadastramento de torcedores no domingo, na esplanada Sul do Mineirão, antes do clássico entre Cruzeiro e Atlético-MG. Na próxima terça-feira, esses cruzeirenses se encontrarão na Sede Administrativa e serão levados pelo Clube, no ônibus do Tetracampeão Brasileiro, à fundação para contribuírem com a causa.

Ainda no domingo, no duelo válido pelo Campeonato Brasileiro, os jogadores do Cruzeiro entrarão no gramado do Gigante da Pampulha com uma camisa alusiva à campanha no intuito de chamar a atenção da Nação Azul para a causa.

Neste ano, as ações da campanha “Sangue Azul” serão realizadas até o dia 12 de novembro e contemplarão visitas do Raposão em escolas, distribuição de cartilhas e informativos sobre o tema, além de outras medidas.

Os cruzeirenses que quiserem aderir à campanha também podem comparecer em qualquer uma das unidades da Hemominas e informar o desejo de ser um doador de sangue. Para saber a unidade mais próxima, acesse: www.hemominas.mg.gov.br

A campanha

A “Sangue Azul” faz parte do projeto “Cruzeiro Solidário”, responsável por diversas iniciativas de responsabilidade social importantes como o Adote um Campeão, Setembro Dourado e Dezembro Laranja, além das visitas do Raposão e Raposinho em instituições de acolhimento, hospitais, asilos e escolas.

Você pode ajudar! Os bancos de sangue estão com estoque baixíssimo. Doe! Se você não puder doar, incentive quem possa. Muitas pessoas precisam de você. Ajude a salvar vidas!

Veja o que é necessário para doar sangue:

– Ter e estar com boa saúde;
– Não ter contraído hepatite após os 11 anos de idade;
– Ter entre 16 e 69 anos de idade. Jovens de 16 e 17 anos podem doar, acompanhados pelo responsável legal, que deverá apresentar um documento de identidade e assinar a autorização no local de doação.
– Se o jovem de 16 ou 17 anos estiver desacompanhado, ele deverá apresentar os seguintes documentos do responsável legal: autorização preenchida e assinada (modelo disponível no site www.hemominas.mg.gov.br) e a fotocópia do mesmo documento de identidade constante na autorização.
– A partir de 61 anos, o candidato deverá comprovar a realização de pelo menos uma doação anterior;
– Pesar mais de 50 kg;
– Dormir bem na noite anterior:
– Não ingerir bebida alcoólica nas últimas 12 horas;
– Não ter feito tatuagem, maquiagem definitiva ou piercing nos últimos 12 meses;
– Não ter se submetido a exame de endoscopia nos últimos 6 meses;
– Não ter sido exposto a situação de risco acrescido para doenças sexualmente transmissíveis;
– Não ter sido submetido a exame de endoscopia ou broncoscopia nos últimos 6 meses;
– Se doar pela manhã, alimente-se antes. Após o almoço, dê um intervalo de 3 horas.

#HigieneÉSaúde: Veja como cuidar de toalhas, escova de dentes e roupas de cama

A higiene corporal é condição essencial para uma vida saudável, e alguns hábitos e cuidados precisam ser adotados como rotina em nosso dia-a-dia. Alguns desses dizem respeito ao trato com objetos de nosso uso pessoal, como a escova de dentes, as toalhas de banho, roupas de cama e lâminas de barbear.

Como já é sabido, nosso corpo é repleto de micro-organismos. Logo, quando nos secamos com uma toalha, usamos uma lâmina ou escovamos os dentes, eles se depositam nesses objetos, que ainda apresentam ou são armazenados em condições favoráveis para a sua multiplicação, como conter resíduos celulares ou estarem em contato com umidade e oxigênio.

O risco aumenta para aqueles que compartilham toalhas, lâminas e roupas de cama, deixando o corpo exposto aos micróbios alheios.

👉 Por isso, o Blog da Saúde MG foi pesquisar este assunto e trouxe um guia de cuidados básicos com alguns dos artigos de nosso uso pessoal:

#Imunização: Adultos e idosos devem manter cartão de vacina em dia

18.04_vacina_gripe_foto6

Para a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a vacinação de adultos e idosos ainda é insatisfatória no Brasil. Por causa disso, diz a entidade, muitas doenças que estavam eliminadas do país, como o sarampo, a rubéola e a poliomielite, acabam retornando e trazendo preocupações.

“Além da vacinação permitir a proteção do indivíduo, ela ainda evita uma situação como a que a gente viveu no Ceará: a gente estava para eliminar o sarampo e vimos o sarampo voltar porque quem começou o surto, que conseguimos depois reverter com a vacina, foram os adultos não vacinados. E quem adoeceu em nosso país de febre amarela? O adulto que não estava vacinado e, principalmente, o homem. Se é difícil vacinar o adulto, o adulto homem é ainda mais difícil”, disse Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), em entrevista à Agência Brasil durante o III Fórum de Especialistas em Vacinação do Adulto e do Idoso, realizado hoje (18), em São Paulo.

Segundo Isabella, muitas doenças fatais para idosos poderiam ser evitadas. “Adulto morre muito de doença que pode ser evitada com vacina – como a pneumonia, que é uma das principais causas de óbito de idosos; e a hepatite B, que é uma doença sexualmente transmissível e o maior de 60 anos está bombando de doenças sexualmente transmissíveis”, disse.

Na avaliação da presidente da entidade, a vacinação de adultos e de idosos no país é “tão baixa” que os números nem são conhecidos. “Enquanto temos um controle bem importante da vacinação dos menores de um ano no Brasil, a gente não sabe – fora as campanhas de gripe e de gestantes contra a coqueluche –  qual a cobertura do brasileiro. Estamos muito longe do que precisamos”.

Já a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, lembra que a vacinação de adolescentes, adultos e idosos ainda é recente no país e por esse motivo, os números ainda são baixos: “A vacinação do adolescente, do idoso e do adulto é muito recente. A do adolescente começamos agora, em 2014. Então, se olharmos o número seco [de pessoas dessas faixas etárias que são vacinadas], ele é baixo. Mas temos que pensar que estamos começando agora. Então temos um longo caminho pela frente”.

Carla também alertou para os riscos da baixa imunização dessa faixa etária no país. “O sarampo foi eliminado agora, em 2016, graças a essa vacinação de longa data em crianças e em adultos. No entanto, o sarampo ainda é endêmico em muitos países da Europa e da Ásia. Então, se hoje você for visitar a Itália, está tendo um surto de sarampo lá e, com esse fluxo de pessoas, seja pelo turismo seja pelo comércio, pode reintroduzir essa doença [no Brasil] se nós pararmos de vacinar”.

Entre as doenças que trazem mais preocupação pela falta de vacinação entre as pessoas dessas faixas etárias estão a rubéola, o sarampo, a pneumonia e o HPV. “Precisamos ter a população vacinada para que possamos eliminar e manter controlada muitas doenças”, disse Carla.

Para a representante da Sociedade Brasileira de Imunização, essa baixa vacinação de adultos e de idosos decorre principalmente da falta de informação. Isabella conta que muitos adultos acham que, se tomaram vacinas quando crianças, não precisam mais ser vacinados: “A maioria das vacinas que hoje a gente tem, que a criança toma hoje, nós adultos não tomamos. ‘Eu tomei todas as vacinas, minha mãe sempre me levou ao posto’ [dizem os adultos]. Mas ele tomou três ou quatro vacinas. Hoje são 15. Além disso, tem vacina que não protege para a vida toda. Então é preciso tomar reforços. E tem vacinas que são feitas para o adulto, para doença como herpes-zóster [erupções na pele causada pela reativação do vírus da catapora]”.

Rede pública

Para Isabella, além da falta de algumas vacinas na rede pública, o problema maior é que os adultos e idosos não procuram os postos de saúde. “Tão importante quanto conseguir incluir uma vacina [no calendário de vacinação] é conseguir que essas pessoas procurem a vacinação porque senão podemos ter o que está acontecendo com os adolescentes: a faixa etária do [público alvo] HPV está sendo estendida temporariamente porque a vacina vai vencer e a gente não teve adesão. Vacina na geladeira, sem a pessoa ir lá tomar a vacina, é dinheiro no lixo”, ressaltou.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações nega que as vacinas estejam indisponíveis na rede pública. “Todas as vacinas que estão disponíveis no calendário do Programa Nacional de Imunizações estão disponíveis nas 37 mil salas de vacinação do nosso país e do SUS [Sistema Único de Saúde]”.

18.04_vacina_gripe_foto4

Segundo Carla, o adulto ou idoso que deseja atualizar sua caderneta de vacinação, precisa apenas procurar um posto de saúde. “Toda vez em que o adulto for se dirigir a um posto de saúde ou a um médico, deve levar a caderneta de vacinação porque o médico poderá avaliar se há alguma vacina incompleta ou se não tomou alguma dose e vai poder atualizar essa caderneta de vacinação”, disse.

“É importante que a população tenha conhecimento de que vacina hoje não é só uma ação infantil, mas em qualquer fase da sua vida você tem pelo menos uma vacina que diz respeito à sua idade”, alertou Carla.

Segundo Isabella, a Sociedade Brasileira de Imunização pretende criar um grupo para discutir como incentivar a vacinação de adultos e de idosos. Uma ideia, segundo ela, é buscar apoio de empresas para que, assim como ocorre com as crianças nas escolas, os adultos sejam vacinados ou orientados sobre a vacinação em seus locais de trabalho.

“Hoje é um começo. Vai sair um documento de tudo o que a gente discutiu aqui hoje e aí a SBIM vai convocar as sociedades médicas de especialidade, a enfermagem e representantes dessas sociedades para formar grupos que vão se encontrar periodicamente em busca de tarefas como a melhoria do ensino médico e de enfermagem em relação à vacinação e como melhorar o acesso”, disse.

Fonte: Agência Brasil

#SUS: Decreto moderniza Sistema Nacional de Transplantes

Créditos: Cabo Feitosa/Força Aérea Brasileiro

Créditos: Cabo Feitosa/Força Aérea Brasileiro

Dono da maior rede pública do mundo, o Brasil começou a modernizar o Sistema Nacional de Transplantes (SNT), entidade responsável pela gestão das operações. Nesta quarta-feira (18), um decreto presidencial regulamentou a Lei número 9.434/1997, que trata do tema.

Com as mudanças, agora a vontade da família sobre a decisão de doar os órgãos do parente tem mais peso. Isso porque foi retirada da regra anterior a “doação presumida”, que autorizava a retirada dos órgãos e tecidos se a pessoa não tivesse deixado expresso em vida a recusa de doar.

Além disso, o consentimento para a doação foi ampliado e também poderá ser concedido pelo companheiro, e não só pelo cônjuge. A lei brasileira já os equipara para fins civis, e por isso essa prerrogativa foi incluída na SNT. Depois desse aval, é o sistema que autoriza as equipes médicas a prosseguirem com o transplante.

Atendimento

O novo decreto ainda buscou atender a reivindicações do Conselho Federal de Medicina (CFM). Por isso, com a medida, um médico especializado vai compor as equipes de transplante para diagnosticar a morte encefálica. Pelo modelo atual, esse quadro é definido por um neurologista.

A parceria do Ministério da Saúde com a Força Aérea Brasileira (FAB) para transportar os órgãos, que foi estabelecida no ano passado pelo presidente Michel Temer, foi incluída no decreto. A FAB disponibiliza um avião exclusivo para essas missões.

Operações

Cerca de 95% dos transplantes no País são gerenciados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), desde a assistência à família, fornecimento de medicamentos, exames e cirurgias. O Brasil é o segundo país no mundo em número de transplantes, atrás apenas dos Estados Unidos.

Entre janeiro e junho deste ano, o SNT viabilizou a realização de 20,8 mil transplantes de órgãos, tecidos e medula óssea. Córnea e rins foram os mais transplantados no período: 7.821 e 2.918 cirurgias, respectivamente.

Fonte: Governo do Brasil

#SaúdeDaMulher: Instituições parceiras da SES-MG realizam ações de mobilização nesse Outubro Rosa

Em outubro, em alusão ao Outubro Rosa, a SES-MG reforça anualmente a questão da Saúde Integral da Mulher. Uma das ações desenvolvidas é um trabalho intenso de mobilização social junto às instituições parceiras da SES-MG, por meio com fomento à participação dessas instituições, com distribuição de material da campanha. Até o momento já foram distribuídos 90 mil flyers da campanha Saúde Integral da Mulher.

A referência técnica do Núcleo Estadual de Mobilização Social, Susan Prado Aun, explica que os parceiros recebem os materiais da campanha e organizam pequenas ações de conscientização. “Muitos fazem palestras, outros cafés, ou mesmo divulgam nossas campanhas em sua mídia social, nos colocando à disposição todos os espaços possíveis. Ou seja, eles adequam a campanha à sua realidade, o que faz com que a ação de conscientização seja potencializada”, afirma.

Dentre as ações já desenvolvidas pelas instituições parceiras em outubro, estão a iluminação rosa de prédios, ações junto à comunidade escolar e também ações para funcionários de empresas.

Saiba mais sobre a Campanha da Saúde Integral da Mulher

 

 

#VidaSaudável: Saiba como preparar uma marmita prática e nutritiva

alimentacao saudavel

Escapar de restaurantes e ter uma alimentação saudável fora de casa pode economizar dinheiro e tempo durante o horário do almoço. Bastam um pouco de organização e escolhas certas na hora de preparar a marmita.

“A marmita é importante justamente porque a pessoa já escolhe antecipadamente o que vai comer. Antes o brasileiro se alimentava de forma mais saudável, com arroz, feijão, salada e carne. Hoje a correria mudou tudo”, aponta Suzana Furtado, nutricionista do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) do Distrito Federal. “Selecionar aquilo que vai comer é essencial porque evita processados e ainda contribui com a questão da segurança. A intoxicação alimentar na rua, hoje, é preocupante.”

Segundo a nutricionista, a maior reclamação é que não há tempo hábil para preparar as marmitas. “Se a pessoa se organizar, ela pode preparar sua marmita sem maiores problemas. O melhor é separar um dia – o sábado, por exemplo – para ir à feira e comprar boa parte daquilo que ele vai consumir naquela semana, tirando o que ele compra no mercado e cozinha em casa. Lembrando que produtos in natura são mais saudáveis e que a feira quase sempre oferece produtos mais em conta. Depois, a pessoa passa a bolar os pratos dia a dia. Quanto mais coloridos, melhor”, ensina Suzana.

“O ideal é montar a marmita pensando num prato de mesa. Um quarto desse prato pode ser de arroz, um quarto de feijão e um quarto de carne. O último quarto é de salada. E ele pode ir fazendo a substituição. O arroz, carboidrato, faz parte do grupo das massas, então pode ser substituído por batata ou macarrão. A carne, proteína, pode dar lugar a ovo, frango, peixe, grão de bico. Se houver a possibilidade, a salada deve ser levada em um compartimento separado, para que a outra marmita possa ser aquecida sem problemas”, continua a nutricionista.

Outra dica é levar as refeições da semana ao freezer ou congelador. “A pessoa que reclama de tempo pode congelar suas porções durante o fim de semana e ir descongelando dia a dia. Esses alimentos congelados mantêm as características nutricionais por um mês. Aquela refeição da terça-feira tem de ser colocada na geladeira na segunda-feira, para ir descongelando gradualmente. Então, na manhã de terça, você pode higienizar as verduras de forma rápida e fácil. Se não houver fogão ou micro-ondas no trabalho, é importante que esse alimento esteja condicionado em uma bolsa térmica”, finaliza Suzana Furtado.

A seguir, veja algumas dicas para preparar sua marmita:

  • Vá à feira: ajuda na economia, garante alimentos frescos e diversifica a alimentação;
  • Planeje-se: ter um planejamento alimentar ajuda muito na busca de hábitos saudáveis. Separe um tempo na semana para preparar as refeições com antecedência e higienizar legumes e verduras;
  • Faça sua lista de compras: vá ao mercado sabendo os alimentos que serão preparados e consumidos ao longo da semana. Cardápio planejado evita soluções menos saudáveis de última hora.
  • Armazene bem: guardar os alimentos da forma correta, optando por potes preferencialmente de vidro, faz bastante diferença. Uma vasilha separada para a salada crua também é importante.
  • Elabore um cardápio saudável: aposte nas versões integrais, que são ricos em fibra e promovem uma saciedade maior. Não abuse de óleos, gorduras e sal – lembre-se que temperos naturais são mais benéficos à saúde. Coloque mais cores no prato, deixando a refeição mais nutritiva.

E tem mais:

No Guia Alimentar para a População Brasileira, o Ministério da Saúde passa orientações para garantir alimentos e preparações adequados para o consumo:

  • A preocupação com a qualidade higiênico-sanitária dos alimentos envolve também o processo de manipulação e preparo. Alguns cuidados devem ser tomados a fim de reduzir os riscos de contaminação: lavar as mãos antes de manipular os alimentos e evitar tossir ou espirrar sobre eles; evitar consumir carnes e ovos crus; higienizar frutas, verduras e legumes em água corrente e colocá-los em solução de hipoclorito de sódio; manter os alimentos protegidos em embalagens ou recipientes.
  • A cozinha deve ser mantida limpa, arejada e organizada. Dedicar tempo para limpar geladeira, fogão, armários, prateleiras, chão e paredes contribui para preservar a qualidade dos alimentos adquiridos ou das preparações feitas. Além disso, cozinhar em um ambiente limpo e organizado torna esse momento mais prazeroso e diminui o tempo de preparação das refeições.

Veja outras dicas para ter uma alimentação mais saudável:

http://www.saude.mg.gov.br/vidasaudavel

Fonte: Saúde Brasil Portal

#SaúdeDaMulher: Tire suas dúvidas sobre o câncer de mama e de colo de útero

2

O câncer de mama é o de maior incidência nas mulheres em Minas Gerais e estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que são esperados 5.160 novos casos da doença no estado, o que significa uma taxa bruta de incidência de 48,19 para cada grupo de 100 mil mulheres mineiras.

A taxa de mortalidade feminina por câncer de mama em Minas, estimada pelo INCA em 2013, é de 11,37 óbitos para cada grupo de 100 mil mulheres.

Já o câncer de colo do útero é o terceiro de maior incidência entre as mulheres mineiras e as estimativas apontam 1.030 novos casos esperados no estado, com uma taxa bruta de 9,63 casos para cada grupo de 100 mil mulheres.

Nos dois casos, quanto mais precoce for o diagnóstico, maior a chance de cura. Nos meses de outubro, inspirada no Movimento Outubro Rosa, a SES-MG ressalta a importância do cuidado integral na saúde da mulher. Por isso, tire suas dúvidas com relação à prevenção, mamografia, vida saudável. Faça o teste e claro, cuide-se!

Tem outras dúvidas? Acesse o nosso site: http://www.saude.mg.gov.br/saudedamulher

#LianGong: Terapia alternativa para a promoção da saúde

Por Jéssica Torres (Estagiária de Jornalismo – ASCOM/ESP-MG)

Zhuang Yuan Ming é o denominador comum entre pacientes de um hospital de Shangai, na China, várias fábricas locais e uma ginástica terapêutica constituída de antigas técnicas orientais e princípios modernos da medicina oriental. O ortopedista fez história quando, em 1974, resolveu tratar inúmeros trabalhadores com dores musculares e nas articulações ao fundir movimentos de alongamento e de tração. Assim, surgia o Lian Gong.

Na Escola de Saúde Pública de Minas Gerais (ESP-MG), duas vezes por semana, os usuários do Centro de Saúde Oswaldo Cruz, vizinho da Unidade Sede, se movimentam com essa atividade que integra a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Uma parceria que vem se fortalecendo a cada dia e promovendo saúde”, diz Cecília Bahia farmacêutica e instrutória de Lian Gong do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. “Começamos o grupo em junho de 2014 com cinco usuários e hoje temos, em média, 55 a 60 praticantes. Essa prática é uma forma diferente de tratar a saúde uma vez que promove melhorias em todo o indivíduo por diminuir e tratar as dores do corpo e o controle de doenças crônicas”, explica.

Praticantes do Lian Gong que acontece na ESP-MG com a instrutora Cecília Bahia

Praticantes do Lian Gong que acontece na ESP-MG, com a instrutora Cecília Bahia

Mudança de vida

Composta por uma série de exercícios, a prática diminui dores no corpo, melhora a qualidade do sono e da autoestima, a mobilidade e o equilíbrio, o controle de hipertensão e diabetes e promove a socialização.

Paulo Medeiros (63) destaca que o momento da atividade é muito prazeroso e benéfico à saúde. “O Lian Gong melhorou tudo em minha vida, ansiedade, estresse, etc. Vou ao médico e todos os meus exames estão ótimos”, comemora. Marlene Medeiros, irmã de Paulo, concorda com ele: “Eu escutava muito pouco, depois do Lian Gong estou escutando melhor, tenho mais equilíbrio e vitalidade”, comemora.

A prática no país e no SUS

No Brasil, o Lian Gong foi apresentado pela professora de filosofia e artes corporais chinesas, Maria Lúcia Lee, em 1987. Contudo, somente após a primeira visita de Ming ao país, em 1997, é que a prática ganhou notoriedade.

Há 10 anos a capital mineira conta com o Lian Gong, que, com o objetivo de ampliar o acesso à atividade física aos usuários do SUS), já alcança mais de 10 mil praticantes. “A inclusão dessa prática no SUS surgiu da necessidade de tratar a saúde e não a doença, diminuindo a ocorrência de possíveis males”, explica Cecília.

Segundo ela, diminui também os gastos para a saúde pública já que “reduzem as hospitalizações e, a longo prazo, o uso de medicamentos como analgésicos, anti-inflamatórios e antidepressivos”.

Também praticante do Lian Gong na ESP-MG, Marília Suely (70) passou pelo tratamento de um câncer de mama de forma mais positiva com as aulas. “Os exercícios me ajudaram muito e a convivência com os colegas de grupo foi diferencial nessa etapa difícil da vida”.

As aulas de Lian Gong são realizadas na ESP-MG, em parceria com o Centro de Saúde Oswaldo Cruz. Mais informações: (31) 3277-8885.

A equipe do Blog Saúde MG preparou um TOP 5 dos benefícios do Lian Gong. Veja abaixo:

Jéssica Torres (Estagiária de Jornalismo – ASCOM/ESP-MG)

#EAD: UNA-SUS/UFMA lança curso de Vigilância, Prevenção e Controle da Hanseníase

secretaria_executiva_instagram_2_1

Profissionais de saúde interessados em ampliar os conhecimentos sobre hanseníase, já podem se inscrever no mais novo curso Vigilância, prevenção e controle da Hanseníase, desenvolvido pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), integrante da Rede Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS). A oferta é uma ação do Ministério da Saúde e integra a formação na área de Vigilância, composta por 12 cursos voltados à temática.

As matrículas podem ser realizadas gratuitamente até o dia 18 de fevereiro, pelo link. A capacitação é autoinstrucional e tem início imediato.

O curso é destinado, prioritariamente, aos profissionais que atuam ou que possam vir a atuar nas ações de vigilância em saúde e atenção primária, especialmente na prevenção das doenças no âmbito municipal e estadual do Sistema Único de Saúde (SUS). Demais interessados no tema também podem acessar o conteúdo.

Com carga-horária de 30 h, divididas em 3 unidades de 10 h, o curso tem como objetivo oferecer subsídios para a abordagem da Hanseníase, tanto no diagnóstico como na conduta, reconhecendo as práticas de articulação e integração das políticas de Vigilância em Saúde e Atenção Primária em Saúde nas ações de prevenção, controle e monitoramento dos casos desta doença.

A ideia é que, ao longo do curso, o aluno compreenda a dinâmica epidemiológica da hanseníase, reconhecendo a magnitude da doença como problema de saúde pública.

Para isso, são apresentados indicadores que mostram que, embora a hanseníase seja uma doença erradicada em muitos países, no Brasil, especialmente em determinadas regiões, ainda é considerada endêmica. Além disso, também serão discutidos a importância da notificação dos casos e os prejuízos do estigma da doença para a vida dos pacientes, podendo inclusive influenciar o diagnóstico precoce e a conclusão do tratamento.

Para saber mais sobre esse e outros cursos da rede UNA-SUS, acesse o link www.unasus.gov.br/cursos.

Fonte: UNA-SUS

#SaúdeDaMulher: Saiba por que é importante estar atenta à obesidade

3

Realidade vivida por 18,9% dos brasileiros, a obesidade pode resultar em diabetes, hipertensão, câncer e doenças cardíacas, por exemplo. De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) do Ministério da Saúde, mais da metade da população estava acima do peso recomendado em 2016. Os dados mostram que houve, paralelamente ao aumento da obesidade, crescimento de doenças como diabetes (8,9% em 2016) e hipertensão (25,7%).

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a obesidade está relacionada à maior probabilidade de 13 tipos de câncer:  esôfago, estômago, pâncreas, vesícula biliar, fígado, intestino, rins, ovário, endométrio, meningioma, tireoide, mieloma múltiplo e o de mama (nas mulheres na pós-menopausa), que em Minas Gerais é o de maior incidência entre as mulheres.  Estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que são esperados 5.160 novos casos da doença em Minas Gerais.

O cuidado com a saúde deve ser contínuo e nesse mês de outubro, conhecido como Outubro Rosa, vale a pena ressaltar a importância da saúde integral da mulher. A saúde das mulheres necessita de cuidados cotidianos como alimentação saudável, prática regular de atividades que promovam o bem-estar e visitas periódicas aos profissionais de saúde.

O ideal é a realização de pelo menos 150 minutos por semana de atividade moderada ou 75 minutos por semana de atividade física vigorosa, de forma contínua ou acumulada em sessões de pelo menos 10 minutos de duração para a manutenção da saúde e qualidade de vida.

#FicaADica Ações como subir dois ou mais andares de escada, realizar deslocamentos caminhando para visitar os amigos, participar de atividades lúdicas, utilizar bicicleta para o trajeto até a padaria, dentre outros, são alternativas de atividade física e contribuem para o indivíduo manter-se ativo. 👍💕

A SES-MG ainda traz outras dicas para manter uma vida saudável e evitar a obesidade!

  • Consuma alimentos naturais, tais como frutas, verduras, legumes, arroz, feijão, ovos, carnes e peixes
  • Evite o consumo de alimentos ultra processados, como biscoitos recheados, refrigerantes, “salgadinhos de pacote”, “macarrão instantâneo”, embutidos e produtos congelados e prontos para aquecimento.
  • Utilize óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos.
  • Além de adquirir uma alimentação saudável e a prática regular de atividade física, que tal propor ambientes mais harmônicos na sua casa, escola ou trabalho? Isso pode ajudar a diminuir a ansiedade e o estresse.
  • A ansiedade pode estimular as pessoas a comerem mais. Relaxe, medite, respire, organize-se e curta mais a vida.
  • Esteja atento a sua saúde! Fatores hormonais, como excesso de insulina, deficiência do hormônio de crescimento, excesso de hidrocortisona e estrógenos podem levar ao aumento de peso.

Saiba mais sobre a saúde da mulher e lembre-se: O sempre é o momento ideal para cuidar da sua saúde!

http://www.saude.mg.gov.br/saudedamulher

 

 

 

 

 

 

#AlimentaçãoSaudável: Conheça algumas dicas do Guia Alimentar para a População Brasileira e mude seus hábitos alimentares

Adotar bons hábitos alimentares é o primeiro passo para buscar uma vida saudável. Câncer, problemas cardíacos, obesidade e outras enfermidades crônicas, como o diabetes, são amplamente associados ao consumo excessivo de gordura, sódio e açúcares.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), a alimentação e a nutrição inadequadas são classificadas como a segunda causa de câncer que pode ser prevenida. São responsáveis por até 20% dos casos de câncer nos países em desenvolvimento, como o Brasil, e por aproximadamente 35% das mortes pela doença.

Segundo o Inca, um em cada três casos dos tipos de câncer mais comuns poderia ser evitado caso a população adotasse uma alimentação saudável e a prática regular de atividade física.

O Ministério da Saúde publicou, em 2014, a segunda edição do Guia Alimentar para a População Brasileira. A publicação oferece várias dicas de combinações saudáveis para o café da manhã, almoço, jantar e lanches, respeitando as diferenças regionais e sugerindo alimentos e bebidas de fácil acesso para os brasileiros.

Veja a seguir 10 dicas para ter uma alimentação saudável no seu dia a dia:

Fonte: Portal Brasil