#Eagora: Encontrou um macaco morto ou doente na sua região? Saiba o que fazer!

By | 11 de janeiro de 2018

A mortandade de macacos – evento denominado como epizootias – é um importante indicativo da circulação do vírus da febre amarela, uma vez que os macacos também são vítimas dos mosquitos vetores da doença no ciclo silvestre (Haemagogus e o Sabethes). Vale destacar, no entanto, que os macacos são vítimas da doença, ou seja, não são responsáveis pelo transmissão da febre amarela e não são capazes de transmiti-la para o homem.

No entanto, uma vez que os os primatas prestam um importante auxílio no controle da febre amarela, a morte de macacos deve ser notificada aos serviços de saúde. De acordo com o subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), Rodrigo Said, a principal recomendação é acionar a Secretaria Municipal de Saúde ou a própria Prefeitura de seu município. “Isso por que o recomendado é o deslocamento de agentes de saúde para essa localidade, para fazerem uma investigação complementar e, caso seja encontrado vestígio desse animal morto, fazer a coleta e encaminhar para diagnóstico laboratorial”, explica Rodrigo.

O achado de macacos mortos serve de alerta para que os órgãos de saúde pública iniciem campanhas de vacinação. “Através da coleta material dessa investigação, a gente pode ter certeza dessa circulação”, reforça Said. Por isso, além de ilegal, a matança de animais, assim como o envenenamento intencional de macacos são extremamente prejudiciais ao próprio homem. “Se eles forem mortos pelo homem, descobriremos que a febre amarela chegou a determinada região apenas quando as pessoas contraírem a doença”, aponta Said.

banner_febre amarela_1

Deixe uma resposta