#SaúdeELiteratura: Guia reúne informações sobre manejo de doenças endêmicas

By | 6 de abril de 2018
Crédito: iStock / Reprodução.

Crédito: iStock / Reprodução.

Se pessoas saudáveis precisam evitar a possibilidade de contrair doenças endêmicas como tuberculose, leishmaniose e doença de Chagas, no caso dos transplantados e candidatos ao transplante de órgãos, esse cuidado pode ser essencial para o sucesso do procedimento. Por isso, as equipes de cuidadores de Transplantes de Órgãos Sólidos (SOT, na sigla em inglês) enfrentam permanentemente o desafio de gerenciar decisões importantes, como os riscos e os benefícios de o candidato receber determinadas vacinas.

Recomendações detalhadas para o gerenciamento e para a prevenção de infecção pelas doenças endêmicas mais relevantes da América Latina foram reunidas, pela primeira vez, em uma publicação, o guia Recomendações para o manejo de doenças endêmicas e medicina do viajante em transplante de órgãos sólidos: América Latina em foco.

“Escrito por especialistas de vários países, o guia orienta o manejo de doenças endêmicas e medicina do viajante, com o intuito de auxiliar os médicos que cuidam de candidatos ao transplante, transplantados e seus doadores, portadores de doenças infecciosas latentes ou ativas típicas da América Latina”, informa a professora Wanessa Trindade Clemente, do Departamento de Propedêutica Complementar da Faculdade de Medicina da UFMG, editora-chefe e uma das autoras do trabalho.

Disponível na internet e divulgado nas sociedades de transplantes e de infectologia, o guia contém artigos e uma seção ilustrativa com mapas interativos para a contextualização geográfica do risco. Os artigos abrangem os seguintes temas: arboviroses, doença de Chagas, leishmaniose visceral e cutânea, malária, esquistossomose e estrongiloidíase, diarreia do viajante, micoses endêmicas e orientações sobre vacinação.

A galeria do mapa foi estruturada para possibilitar acesso rápido a informações – como incidência e prevalência por país – sobre algumas doenças endêmicas. Conhecer a frequência dessas enfermidades na América Latina pode auxiliar na orientação sobre viagens e a definir profilaxia e tratamento do doador e do destinatário.

O trabalho foi publicado em Transplantation, periódico da Sociedade Internacional de Transplante de Fígado, o mais influente nesse campo, com mais de 25 mil citações por ano. Veja o sumário. O suplemento com os artigos está disponível  neste site.

Deixe uma resposta