#MaioAmarelo: Por que os acidentes de trânsito impactam a saúde pública?

By | 7 de maio de 2018
Por Paula Gargiulo

post_maio amarelo_2018

Durante o mês de maio, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) apoia a campanha Maio Amarelo. Em 2018, a ação tem como tema “Nós somos o trânsito” e é  caracterizada como um movimento internacional em prol da segurança viária, que atua para salvar vidas nas rodovias de todo o mundo. No Sistema Único de Saúde (SUS), os acidentes de trânsito são responsáveis por uma das principais causas de internação e mortes no país, contribuindo para a diminuição da expectativa de vida da população.

Como estratégia para a campanha, a SES-MG tem fomentado as ações nas Unidades Regionais de Saúde e realizado reuniões integradas com diversos parceiros, como a Secretaria de Educação de Minas Gerais e do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais (DEER), além da distribuição de materiais gráficos e gelatinas para iluminação de local público.  “As Unidades Regionais de Saúde (URS) têm programado diversas ações, com envolvimento de vários parceiros. Desde seminários, comandos educativos, palestras, mobilização dos comércios, jogos, passeatas, entre outras ações”, afirma a Coordenadora de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis da SES-MG, Janaína Passos de Paula.

Em Minas Gerais, de acordo com os dados do Boletim de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis, no período de 2010 a fevereiro de 2018, os homens apresentaram maior percentual de óbitos por acidentes, com 81% e as mulheres com 19%.  Em números absolutos, em 2010 houve registro de 3.684 óbitos masculinos e 907 femininos por ocorrência de acidente de trânsito; em 2011 o número de ocorrência masculina subiu para 3.953 e o de mulheres caiu para 896; em 2012 o índice óbitos por acidentes de trânsito envolvendo homens caiu para 3.832 e o de mulheres 867; em 2013 os óbitos masculinos ficaram em 3.651 e o de mulheres 823. Já em 2018, foram registrados, até fevereiro, 95 ocorrências de óbitos masculinos e 31 femininos.

No âmbito estadual, a gestão do Projeto Vida no Trânsito é da SES-MG, por meio da Coordenação de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis (CVDANT). Em 2016, foi formado o Comitê Intersetorial Estadual do Projeto Vida no Trânsito que desempenha papel consultivo e deliberativo sobre as ações do Projeto Vida no Trânsito no estado, além de ser um meio articulador das atividades de cada instituição envolvida sobre as temáticas trânsito e transporte.  “Em 2018, uma das pautas das reuniões do Comitê foi o alinhamento das ações para a Campanha do Maio Amarelo em Minas Gerais”, diz Janaína.

  • Para ler a matéria completa no site da SES-MG, clique aqui.

 

Deixe uma resposta