Monthly Archives: novembro 2018

#Curiosidade: Você sabe quais são as doenças prevalentes na População Negra?

Por Vívian Campos
Crédito: Pixabay / Reprodução.

Crédito: Pixabay / Reprodução.

Embora 53,9% da população brasileira seja formada por pessoas negras (pretos e pardos, conforme dados de 2016 do IBGE), ainda vivemos em uma sociedade marcada pelo racismo e este preconceito pode ser percebido em diversas áreas, inclusive na saúde pública. De acordo com o Ministério da Saúde, 67% do público atendido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é composto por pessoas negras.

Veja também:
Políticas públicas voltadas para saúde da população negra são essenciais para minimizar os efeitos do racismo

Para minimizar os impactos do racismo na assistência à saúde prestada à população negra, o Ministério da Saúde institui, em 13 de maio de 2009, a Política Nacional Integral da População Negra, por meio da Portaria nº 992. Ela é baseada nos princípios de cidadania e dignidade humana, ressalta o repúdio ao racismo, em busca da promoção da igualdade. A diretriz também reafirma os princípios do SUS, como a universalidade do acesso, a integralidade da atenção, a igualdade da atenção à saúde e a descentralização político-administrativa, com direção única em cada esfera de governo.

Mas, você sabe quais são as doenças mais prevalentes na População Negra? Confira:

#FebreAmarela: O que fazer para se prevenir contra a doença?

vacina_febre amarela

A primeira coisa é ir ao Posto de Saúde mais próximo da sua casa e se vacinar, caso você não tenha ido. A vacina contra a #FebreAmarela está disponível gratuitamente em diversas salas de vacinação espalhadas por toda Minas Gerais. Se você ainda não se vacinou, vá o quanto antes! É que a vacina precisa de até 10 dias para fazer efeito e isso pode ser decisivo se você vive em área de maior incidência ou vai viajar para esses locais.

A vacina contra febre amarela é ofertada no Calendário Nacional de Vacinação e distribuída mensalmente aos estados. Neste ano já foram enviados, para todo o país, 30 milhões de doses da vacina de febre amarela. Apesar dessa disponibilidade, há uma baixa procura da população pela vacinação. As pessoas devem tomar a dose pelo menos 10 dias antes do deslocamento para as áreas recomendadas.

Veja também:
Cerca de 1,8 milhão de pessoas ainda não se vacinaram contra a febre amarela em Minas

Desde abril de 2017, o Brasil adota o esquema de dose única da vacina, conforme recomendação da Organização Mundial de Saúde, respaldada em estudos que asseguram que uma dose é suficiente para a proteção por toda a vida. O público para vacinação contra a #FebreAmarela são pessoas a partir de nove meses de idade, que não tenham comprovação de vacinação.

De acordo com o Ministério da Saúde, o início do verão é o período de maior risco de transmissão da doença. O alerta do Ministério da Saúde se dá porque áreas recém-afetadas e com grande contingente populacional, como as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Minas Gerias e São Paulo, ainda possuem um quantitativo elevado de pessoas não vacinadas, ou seja, que estão sob risco de adoecer. A doença tem alta letalidade, em torno de 40%, o que torna a situação mais grave.

 

*Com informações adaptadas da Agência Fiocruz.

#SaúdeNaEscola: Municípios têm nova chance de entrar no Programa

Divulgação Ministério da Saúde

Divulgação Ministério da Saúde

A partir de hoje (19/11) até o dia 15 de fevereiro, gestores municipais de saúde e de educação deverão apontar as escolas públicas para participar do novo ciclo do Programa Saúde na Escola (PSE). Desenvolvido pelos Ministérios da Saúde (MS) e Educação (MEC), o Programa, prevê recursos financeiros para os municípios realizarem ações de prevenção e promoção da saúde no ambiente escolar.

Com o credenciamento, essas unidades deverão desenvolver doze ações envolvendo temas como incentivo à atividade física, combate ao Aedes aegypti, prevenção de violências e acidentes, verificação e atualização da situação vacinal. As estratégias estão previstas na Portaria nº 1.055 de 2017 e podem ser combinadas, levando em consideração o nível de ensino, as demandas da escola, do território e a análise de situação de saúde do território.“A expectativa é que o programa atenda o maior número de estudantes com monitoramento mensal pelos profissionais de saúde dos municípios”, explica a Michele Lessa, a coordenadora geral de alimentação e nutrição do Ministério da Saúde.

Para aderir ao PSE, os gestores terão que incluir as escolas no site e-Gestor Atenção Básica, espaço para informação e acesso aos sistemas da Atenção Básica. O acesso deve ser feito com CPF e senha do perfil cadastrado como “gestor municipal” vinculado ao “módulo PSE”. Caso o gestor não tenha entrada habilitada ou perfil no módulo PSE, é o CNPJ e a senha do Fundo Municipal de Saúde que deve gerenciar o cadastro.

O acompanhamento das ações do PSE será feito pelo Sistema de Informação da Atenção Básica (SISAB), alimentado pelas equipes de saúde da atenção básica. No ciclo de dois anos para execução do programa, o Ministério da Saúde acompanhará o desempenho dos municípios por meio do registro de ações do programa e indicadores de resultados. Caso os recursos não sejam integralmente executados, os valores deverão ser devolvidos.

Saúde Na Escola

Criado em 2007 pelo governo federal, o Programa Saúde na Escola surgiu como uma política intersetorial entre os ministérios da Saúde e da Educação, com o objetivo de promover qualidade de vida aos estudantes da rede pública de ensino por meio de ações de prevenção, promoção e atenção à saúde.

Atualmente, o programa atende 90% dos municípios brasileiros, envolvendo mais de 20 milhões de estudantes de 85.706 escolas e mais de 36 mil equipes da atenção básica do SUS. O programa tem um investimento anual de R$ 89 milhões. Este ciclo de adesão será de dois anos, com liberação dos recursos a cada 12 meses. O valor é 2,5 vezes maior que o executado nos anos anteriores e passou a ser pago em parcela única, facilitando a realização das ações e o cumprimento das metas propostas na adesão ao PSE.

Fonte: Ministério da Saúde

#Evento: Web Simpósio fala sobre atendimento Odontológico aos Pacientes com Necessidades Especiais

websimposio_saudebucal_blog

Nesta terça-feira (20/11), às 10h, será transmitido pela internet um Web Simpósio com o tema: “Atendimento Odontológico aos Pacientes com Necessidades Especiais”. Para assistir, clique aqui. A atividade de capacitação é decorrente de uma parceria da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) com o Projeto de Teleodontologia da UFMG, contando com a presença das referências técnicas da Coordenação de Saúde Bucal da SES-MG e uma pós-doutoranda em odontopediatria pela UFMG. São elas:

  • Mirna Rodrigues C. Guimarães – Referência Técnica em Atenção Odontológica para Pacientes com Necessidades Especiais da SES-MG.
  • Jacqueline Silva Santos – Referência Técnica em Atenção Especializada em Saúde Bucal/CEO da SES-MG.
  •  Tahyná Duda Deps Almeida – Pós Doutoranda em Odontopediatria Faculdade de Odontologia da UFMG.

O Web Simpósio tem como público os profissionais das equipes de saúde bucal da atenção primária e da atenção especializada ambulatorial e hospitalar no Sistema Único de Saúde (SUS). Serão apresentados os serviços disponíveis, os fluxos de encaminhamento, as técnicas de abordagem, e indicações e contra- indicações da anestesia geral e sedação.

#TáRolandoNasRedes: Grupos de leitores participam do Novembro Azul!

livro azul

Novembro é o mês de conscientização sobre os cuidados integrais com a saúde do homem. Saúde mental, infecções sexualmente transmissíveis, doenças crônicas (diabetes, hipertensão) entre outros pontos devem ser sempre observados pela população masculina. Todos os anos, nesse período, 21 países, incluindo o Brasil, preparam campanhas sobre prevenção e diagnóstico do câncer de próstata, além de levar informações sobre a prevenção e promoção aos cuidados integrais com o cuidado da saúde masculina.

No Brasil é tradição que prédios e monumentos históricos recebam iluminação azul nesta época do ano, fazendo menção ao Novembro Azul. O objetivo é chamar atenção para o movimento global, trazendo informações e conscientização sobre o que deve ser feito em prol da saúde do homem. Mas, que tal aproveitar esse período para incentivar a leitura e, ao mesmo tempo, a saúde masculina?

Foi isso que vários grupos de leitores nas redes sociais (Facebook, Istagram e Twitter) passaram a fazer no início do mês de novembro e, dessa forma, falar da campanha de uma forma criativa e lúdica. A ideia é o seguinte: os leitores fazem fotos de livros que tenham capa azul, independente da temática, e em seguida faz uma postagem com a hashtag #NovembroAzul. Muito bacana, né!

Aproveitando que essa ideia surgiu na web, o Blog da Saúde MG deixa aqui uma sugestão de um livro, disponível de forma gratuita na Scielo Books, sobre saúde do homem. Trata-se do livro Saúde do homem em debate que conta um pouco da história de como era proposto a saúde do homem anteriormente e como se tem avançado as discussões sobre a integralidade das ofertas de assistência ampliadas para além da saúde reprodutiva.

Para mais informações sobre a Saúde do Homem, acesse: www.saude.mg.gov.br/saudedohomem

Boa leitura!

#SaúdeEntrevista: É possível evitar acidentes no trânsito?

Por Paula Gargiulo

14.11_acidente_transito

No próximo domingo (18/11) é celebrado o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidente de Trânsito. Clique aqui e confira uma matéria completa no site da SES-MG. Para falar mais sobre esse assunto, o Blog da Saúde MG conversou com a a Coordenadora de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Janaína Passos de Paula sobre os impactos dos acidentes no trânsito na saúde pública e como evitá-los. Acompanhe:

1) Qual o objetivo da criação do Dia Mundial em Memória às vítimas de Acidente de Trânsito em relação à saúde pública?

A data em questão foi criado em 1993 pela Road Peace, uma organização do Reino Unido, em prol das vítimas de acidentes rodoviários. Desde então, a Road Peace, a Federação Europeia e as organizações parceiras, realizam essa mobilização em todo o mundo. Os acidentes de trânsito são um problema de saúde pública, pois impactam na morbimortalidade da população, nos gastos com internações e reabilitação das vítimas. Observa-se um aumento nas mortes, principalmente da população masculina e jovem, o que acarreta também em um impacto social e econômico. A criação da data tem como objetivo conscientizar a população em relação a prevenção aos acidentes de trânsito, bem como reduzir os custos das internações e reabilitação das vítimas dos acidentes rodoviários e enfatizar a necessidade de intensificar os esforços para controlar este importante problema de saúde, além de dar apoio às vítimas. Um dia para homenagear a vida.

2) Porque a cor temática deste ano será branca, de que forma essa cor será usada?

O branco simboliza a paz no trânsito que é o objetivo da campanha. A cor pode ser utilizada nas mensagens de mídia, nas ações de rua, nas atividades escolares ligadas ao Programa Saúde nas Escolas. Para 2018, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) realizará ações de conscientização em um hotsite (www.saude.mg.gov.br/vidanotransito) e também nas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram) com o intuito de divulgar a data e sensibilizar a população.

vidanotransito_datacomemorativa

3) Segundo os dados mais recentes, os homens apresentam maior percentual de óbitos em relação à mulheres por acidentes de transporte terrestres. Há alguma explicação que indique o porquê as estimativas de acidentes envolvendo os homens sejam superiores às mulheres?

Em 73,1% dos casos, os principais envolvidos em Acidentes de Trânsito são pessoas do sexo masculino. Os jovens são as principais vítimas, e a faixa etária que contém um número mais significativo destas, com 24,32% do total, é a que vai dos 15 aos 24 anos (DENATRAN, 1997). Dados de seguradoras de automóveis mostram que as mulheres são mais cuidadosas no trânsito no que diz respeito aos limites de velocidade. De acordo com especialistas, normalmente, os homens se mostram mais impacientes ao volante e menos atentos às normas de trânsito. Assim, atitudes como o não uso dos equipamentos de segurança, abuso de ultrapassagens e utilização de aparelhos eletrônicos acabam se tornando frequentes causas de acidentes.

4) Os jovens entre 20 a 29 anos também ocupam uma importante parcela da concentração de óbitos. Quais são os hábitos que a SES-MG orienta aos motoristas a tomar para evitar tais acidentes?

Os principais fatores de risco (velocidade, bebida alcoólica, não uso de capacete e cinto de segurança, falta de infraestrutura na via, veículo mau estado de conservação) e, secundariamente, os fatores relevantes de risco (visibilidade inadequada, direção sob a influência de drogas, uso de celulares ao volante, riscos causados por objetos nas laterais da via), são apontados como as principais causas de acidentes de transito. Dessa forma, a SES-MG orienta para ações de prevenção como:
– Aumento do uso do cinto de segurança,
– Não consumo de bebida alcoólica antes de dirigir;
– Não utilização de aparelhos eletrônico durante a direção;
– Redução de velocidade;
– Uso do capacete;
– Melhoria da infraestrutura viária.

Outras ações de promoção a saúde podem ser desenvolvidas para a redução dos acidentes e trânsito como:
– Aprimoramento da legislação
– Transporte urbano sustentável
– Aumento da fiscalização
– Educação para o trânsito

5) Qual a relação do Sistema Único de Saúde com a ocorrência de tais acidentes? A partir do momento em que ele acontece, de que forma o SUS atua?

O Sistema Único de Saúde (SUS) atua na vigilância dos acidentes de transporte terrestre visando analisar os dados, transformá-los em informações e subsidiar as políticas públicas. Atua também das práticas de promoção à saúde, principalmente na promoção da cultura da paz e no Programa Saúde nas Escolas visando o público escolar. Outros pontos de atuação são nas urgências, como na atuação do SAMU nos casos de resgate de vítimas de acidentes graves e dos hospitais de trauma nos casos vítimas que necessitam de atendimento ambulatorial ou internações. E, no fim do processo de acompanho da vítima de acidente de trânsito, quando verifica-se a necessidade de reabilitação da mesma.

#EducaçãoPermanente: ESP-MG realiza aula aberta sobre Doença Falciforme e Talassemia

23.11.18

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), realiza no dia 23/11 (sexta-feira), aula aberta do Curso de Especialização em Saúde Pública com o tema “Anemia Falciforme: desafios e perspectivas para os serviços de saúde“.

O evento, que integra o módulo do curso sobre Fundamentos de Epidemiologia para os serviços de saúde, tem o objetivo de abordar a pauta racial no campo da saúde e os desafios para ampliar o acesso da população negra no Sistema Único de Saúde (SUS).

A palestrante, Maria Zenó Soares, é presidente da Associação de Pessoas com Doença Falciforme e Talassemia do Estado de Minas Gerais (Dreminas) e membra do Comitê Técnico de Saúde Integral da População Negra da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

A atividade gratuita e aberta ao público. Não há necessidade de inscrição. Será emitida declaração de participação!

#EuNoSUS: Como descobri o diagnóstico de diabetes?

Por Wander Veroni*

banner_diabetes_2

Nesta quarta-feira (14/11) é comemorado o Dia Mundial do Diabetes. Por isso, resolvemos trazer uma postagem diferente no #BlogDaSaúdeMG, um relato de experiência de uma pessoa que descobriu recentemente o diagnóstico de diabetes e utilizou os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). Acompanhe:

Dor nas pernas, boca seca, sede e uma vontade imensa de urinar de hora em hora. Foram todos esses sintomas que me levaram a descobrir – a quase dois meses, que estou com diabetes. Tudo isso associado a um quadro de obesidade e de histórico familiar.

Mas não foi algo de um dia para o outro. No decorrer do ano, esses sintomas apareciam e desapareciam até que, no final de setembro, houve a crise mais grave e que, definitivamente desestabilizou o meu nível de medição de glicose. Foi aí que me deparei com um quadro de diabetes descontrolado com uma glicose de 398.

Como a diabetes é uma doença crônica que afeta a forma como o corpo processa o açúcar do sangue (glicose) no qual o pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina, houve toda uma preocupação por parte dos profissionais de saúde que me atenderam de saber qual o tipo de diabetes eu tinha para que o tratamento conquistasse o êxito.

Para fechar o diagnóstico de diabetes, fiz um exame de sangue e de urina que detectaram, de forma científica, o descontrole do meu organismo. Na época, houve também a hipótese do pâncreas ter parado de funcionar completamente, mas com os exames isso foi descartado.

O jeito foi começar o uso de insulina NPH e insulina Regular, com doses distintas, para normalizar a minha medição de glicose diária. No início, me incomodava muito ter que furar o dedo para fazer a medição de glicose. Hoje em dia já tiro de letra. Atualmente, o meu tratamento está sendo baseado no Diabetes Tipo 1, pois o meu pâncreas produz pouca insulina e está reagindo bem a aplicação diária que tenho que fazer na parte da manhã e da noite.

Muita gente não sabe mas, quando a diabetes está descontrolada, outro sintoma recorrente é a tontura – como se você estivesse alcoolizado, o que afeta o equilíbrio e deixa também o raciocínio mais lento. A urina constante e de forma urgente causa um constrangimento social porque você acaba se limitando a ir a determinados lugares que não tem banheiro ou que o banheiro é muito longe. Foi só depois que passei usar a insulina que a urina normalizou e que as tonturas foram diminuindo até acabar de vez.

banner_diabetes_1

De acordo com a médica que me atendeu, muitos pacientes ficam internados para descobrir a dose certa de insulina da qual o organismo vai começar a reagir e, principalmente, não conseguem fazer restrições alimentares. Não precisei fazer isso. Resolvi seguir à risca a dieta e as restrições alimentares para obter êxito no tratamento. Felizmente, não precisei ficar internado. Mas, em compensação,  fui ao ambulatório do serviço de saúde quase que diariamente durante as duas primeiras semanas de diagnóstico para encontrarmos a dose certa para o meu organismo e para receber medicamento de forma venoso.

Enquanto isso, descobri que pela farmácia do Posto de Saúde do meu bairro, eu conseguiria todos os insumos para o tratamento de diabetes pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Pelo Posto, também fui convidado a participar de um Grupo de Apoio para Pessoas com Diabetes no qual os profissionais de saúde ensinam aos usuários como aplicar insulina, comer de forma saudável, higienizar bem os pés, entre outros assuntos. Além disso, o grupo de apoio é uma ótima oportunidade para trocar ideia com outras pessoas que têm diabetes, o que ajuda a você não se sentir sozinho nessa nova etapa da vida. Também descobri que posso retirar a insulina NPH e insulina Regular de forma gratuita pelo Programa Farmácia Popular, em farmácias/drogarias conveniadas ao programa do Ministério da Saúde.

Outra coisa que foi decisiva para o meu tratamento da diabetes é a alimentação adequada. Fazer escolhas mais saudáveis de alimentos no decorrer do dia, além de cortar do meu cardápio diário açúcar, embutidos e ultraprocessados. Como não fumo e não gosto de bebida alcoólica, não senti o impacto dessa restrição. Mas vi pessoas no grupo de apoio na luta para parar de fumar e esquecer aquela cervejinha do final de semana. Além disso, a prática regular de exercícios físicos (no meu caso, a hidroginástica) ajudou a estabilizar a pressão arterial, diminuição do inchaço nas pernas e, o melhor de tudo: me fez sair do sedentarismo e passar a emagrecer de forma saudável.

Tudo que comemos vira açúcar no nosso organismo. Por isso, comer alimentos integrais, frutas, legumes, verduras, carne magra (grelhada ou assada), associado ao hábito de fazer um exercício físico de forma regular foram fundamentais para estabilizar o meu nível de glicose e conquistar uma vida saudável.

__________________________________________

Perfil: Wander Veroni Maia é jornalista e trabalha como coordenador de Comunicação Digital da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). Há quase dois meses descobriu o diagnóstico de diabetes e está satisfeito com o tratamento oferecido pelo SUS.

 

#MedicaçãoSegura: Receitas médicas serão válidas em todo o território nacional

medicamentos-para-depressao

As receitas de medicamentos serão válidas em todo o Brasil, independentemente do estado em que forem emitidas. É o que determina a Lei nº 13.732, sancionada na última sexta-feira (09/11) e publicada no Diário Oficial da União. O texto sancionado altera a Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que trata do Controle Sanitário do Comércio de Drogas, Medicamentos, Insumos Farmacêuticos e Correlatos. A medida entrará em vigor 90 dias após a sanção e será válida, inclusive, para os medicamentos que estiverem sujeitos ao controle sanitário especial.

A receita (prescrição do medicamento) é uma forma de segurança não só para o paciente, mas sobretudo para o profissional de saúde que recomenda a utilização de acordo com as especifidades de cada pessoa. Além disso, quando se trata de medicamentos, é importante alertar a população quanto aos riscos à saúde causados pela automedicação e pelo uso indiscriminado de medicamentos.

Você sabia, por exemplo, que no Brasil é proibida a venda de medicamentos tarjados sem prescrição médica? Essa proibição é uma forma de alertar quanto às possíveis contraindicações e efeitos colaterais graves. Lembre-se: Não utilize medicamentos sem orientação de um profissional de saúde, até mesmo o uso de fitoterápicos e homeopáticos devem ser informados, assim como indicado por eles.

 Fonte: Blog da Saúde / Min. da Saúde.

#Curiosidade: O que gentileza tem a ver com a saúde mental?

gentileza-gera-gentileza

A resposta é TUDO. Quando praticamos gentileza com as pessoas a nossa volta promovemos um ambiente mais afetuoso e acolhedor, o que impacta diretamente na saúde mental e contribui para uma vida saudável. Atitudes como um sorriso, um abraço, um gesto de ajuda ou um ouvido amigo podem contribuir para espalhar a compreensão, o respeito e o amor por onde passa.

Com o intuito de promover a gentileza pelo mundo, em 1997, o Japão fez uma conferência mundial para que empresas, governos, políticos, ativistas, artistas e a população, de um modo geral, se unisse em torno dessa causa. Daí nasceu o Dia Mundial da Gentileza, comemorado nesta terça-feira (13/11).

No Brasil, o Dia da Gentileza é comemorado em 29 de maio, dia da morte de José Datrino, o Gentileza, um homem que passou a vida criando grandes painéis com mensagens positivas nas pilastras de viadutos do Rio de Janeiro (RJ). Utilizando tons da bandeira do Brasil, os painéis dele nunca passaram despercebidos e viraram uma atração cultural na capital fluminense. Além disso, cantores como Gonzaguinha e Marisa Monte transformaram a mensagem de Gentileza em música.

“Gentileza gera gentileza”. A mensagem símbolo do poeta, que completou 100 anos em 2017, ganhou significado especial em tempos de intolerância, tanto em discussões nas ruas quanto nas redes sociais. Ser gentil é tomar uma atitude inspiradora, que faz com que os outros sejam também gentis. Então, que tal colocar mais gentileza na sua vida? Abaixo, confira algumas dicas:

#ViajanteSaudável: Anvisa lança site para acelerar emissão do certificado de vacinação internacional

certificado internacional vacina_2018

Para tornar mais rápida a emissão do Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) lançou a plataforma Civnet, que permite o preenchimento do cadastro por smartphones e tablets. Com a ferramenta, o viajante poderá anexar documentos diretamente no sistema.

Anteriormente, os cadastros eram feitos pelo Sispafra. Para as pessoas que já estavam inscritas e fizeram o pedido do documento, nada muda: a emissão do certificado ainda será feita na data e local especificados. Exigido por 135 países, o CIVP comprova a imunização contra doenças, sobretudo a febre amarela, e permite a entrada do viajante no destino escolhido.

Depois de tomar a vacina exigida pelo país de destino em um posto de saúde, o turista pode iniciar o processo para emitir o certificado, inscrevendo-se na plataforma Civnet. Com um documento de identidade, o cartão de vacina e uma foto 3×4 em mãos, o próximo passo é comparecer a uma unidade da Anvisa para assinar e retirar o documento.

Fonte: Anvisa.