#Alerta: Casos de sarampo nas Américas passam de 8 mil

By | 7 de novembro de 2018
com Medicina UFMG e Ministério da Saúde
Foto: Marcelo Martins / Portal Brasil / Reprodução.

Foto: Marcelo Martins / Portal Brasil / Reprodução.

A região das Américas foi a primeira do mundo a ser considerada zona livre do sarampo. Em 2016, o Brasil chegou a receber certificado de eliminação da doença pela Organização Pan-Americana da Saúde e Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS). Dois anos depois, porém, mais de dez países do continente relataram casos confirmados de sarampo.

Para se ter uma dimensão do atual quadro do sarampo no continente, foram registrados mais de oito mil casos da enfermidade nas Américas até o final de outubro deste ano. O número é bastante superior aos 895 casos registrados em todo o ano de 2017. Diante do alto número de notificações, o alerta da OMS recomendando o fortalecimento da vacinação e vigilância é válido para todo o continente americano, já que a meta era eliminar a doença de cinco regiões mundiais em 2020.

A professora do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG, Marise Fonseca, explica que para o sarampo se instalar em uma região são necessárias duas condições: pessoas susceptíveis, que não são vacinadas e não estão protegidas, e a entrada do vírus.

O Brasil não ficou de fora do “surto”: a maioria dos casos notificados está concentrada na Região Norte, especialmente no Amazonas e Roraima. “Então, a entrada do vírus ocorreu e, se a gente tem na região uma baixa cobertura, uma cobertura que não atinge a meta de 95% como é o caso do sarampo nas duas doses recomendadas, o vírus se instala”, indica a infectologista. Entre os anos 2000 e 2016, dados da OMS revelam que houve uma redução significativa da incidência e mortalidade pelo sarampo em escala global. Porém, a doença ainda traz um impacto importante em complicações e mortalidades, principalmente para crianças mais novas e desnutridas.

Brasil recebe certificado de eliminação do sarampo em 27/09/2016, durante a 55ª Reunião do Conselho Diretor da OPAS, em Washington, Estados Unidos.

Brasil recebe certificado de eliminação do sarampo em 27/09/2016, durante a 55ª Reunião do Conselho Diretor da OPAS, em Washington, Estados Unidos.

Situação Epidemiológica

Segundo último informe do Ministério da Saúde, o Brasil contabiliza 2.564 casos confirmados de sarampo. Além dos surtos de sarampo nos estados do Amazonas e Roraima, os casos se distribuem por Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pará, Pernambuco, Sergipe, São Paulo, Rondônia e Distrito Federal. Foram confirmados 14 óbitos pela doença, em Roraima, no Amazonas e no Pará.

Vacinação

Para prevenção da doença é importante se imunizar, com atenção redobrada às crianças menores, que representam faixa etária prioritária. No Brasil, a vacina está disponível no SUS, e o Calendário Nacional de Vacinação prevê a aplicação da vacina Tríplice Viral, que protege contra o sarampo, rubéola e caxumba, a partir dos 12 meses de idade. Alguns meses depois, uma segunda dose deve ser tomada com a Tetra Viral, que inclui imunidade contra a varicela. A vacinação dificulta a transmissão do sarampo, já que baixas coberturas vacinais podem facilitar o surgimento de doenças, comprometendo a saúde individual e coletiva.

Deixe uma resposta