#Prevenção: Participe da Semana Nacional de Prevenção do Câncer Bucal 2018!

By | 8 de novembro de 2018
Foto: iStock / Reprodução.

Foto: iStock / Reprodução.

De 05 a 09 de novembro acontece, em todo País, a Semana Nacional de Prevenção do Câncer Bucal. O período, previsto na Lei nº 13.230/2015, é realizado sempre na primeira semana de novembro. O objetivo da data é estimular junto aos gestores de saúde e à população, ações preventivas, campanhas educativas, debater políticas públicas, apoiar atividades organizadas e desenvolvidas pela sociedade civil, entre outros.

O câncer de boca está mais presente entre os homens e 70% dos casos são diagnosticados em indivíduos com idade superior a 50 anos. Afeta os lábios e o interior da cavidade oral. Dentro da boca devem ser observados gengivas, bochechas, céu da boca, língua (principalmente as bordas), além da região embaixo da língua. Já o câncer do lábio é mais comum em pessoas brancas e ocorre mais frequentemente no lábio inferior. A estimativa de novos casos de câncer de boca para 2018, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), é de 14,7 mil, sendo 11,2 mil homens e 3,5 mil mulheres. Abaixo, assista ao vídeo com informações sobre estas doenças:

Ação Estadual

Durante o ano, a Coordenação de Saúde Bucal da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) participou da construção do Plano Estadual de Oncologia que contém perfil epidemiológico do câncer bucal, os pontos de atenção ao Câncer Bucal, e as proposta de ações a serem realizadas para atenção ao Câncer de Lábio e Cavidade Oral no Sistema Único de Saúde (SUS).

Atitudes simples como abstenção de fumo e bebidas alcoólicas, dieta rica em alimentos saudáveis e boa higiene oral diminuem as chances de desenvolver a maioria das doenças malignas, inclusive os tumores na boca, que são os mais comuns tipos de câncer de cabeça e pescoço no Brasil. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a prevenção pode ajudar a reduzir a incidência de câncer em até 25% até 2025.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), para o ano de 2018, são esperados em Minas Gerais 1440 novos casos de câncer de Lábio e Cavidade Oral (1110 em homens e 330 em mulheres). Sem considerar os tumores de pele não melanoma, esse tipo de câncer é o 5º mais frequente (10,52/100 mil habitantes) em homens e o 12º (3,12/100 mil habitantes) em mulheres no estado.

Tratamento no SUS

No Sistema Único de Saúde (SUS), por meio da Política Nacional de Saúde Bucal, são desenvolvidas ações de promoção, prevenção e recuperação da saúde bucal da população brasileira. Hoje, o Brasil é referência mundial na oferta de saúde bucal pública. Nos últimos 12 anos, foram criados mecanismos de ampliação desse acesso de forma universal e integral, por meio de ações coletivas e individuais, inserindo-se simultaneamente na atenção básica, especializada e hospitalar.

O câncer de Lábio e Cavidade Oral pode ser prevenido de forma simples, desde que seja dada ênfase à promoção à saúde, à prevenção, ao aumento do acesso aos serviços de saúde e ao diagnóstico precoce. No entanto, representa uma causa importante de morbimortalidade uma vez grande parte dos casos são diagnosticados em estágios avançados da doença. Os usuários são avaliados nas Unidades Básicas de Saúde (também conhecido como Posto de Saúde) e caso identificado alguma alteração são encaminhados para o Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) para realização de biópsias.

Além disso, o SUS oferece apoio nas atividades de prevenção do Câncer de Lábio e Cavidade Oral, como o acesso ao Programa Nacional de Controle do Tabagismo às pessoas que querem deixar de fumar. Além disso, oferece acesso às ações de diagnóstico – principalmente nos Centros de Especialidades Odontológicas (CEO), e de tratamento na rede de hospitais habilitados em oncologia em todo o estado. O acesso a todas essas ações é feito através da Unidade Básica de Saúde. Já o Câncer de Lábio e Cavidade Oral em estágios mais avançados pode trazer grande impacto na vida das pessoas, afetando a aparência, a fala, a alimentação e levar à morte quando a cura não é mais possível. Daí a grande importância da sensibilização de todos em relação às ações de prevenção e diagnóstico precoce.

*Observação: texto com informações do Ministério da Saúde.

Deixe uma resposta