#Mobilização: INCA promove a Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea

By | 18 de dezembro de 2018

banner_doe-medula

No ano em que comemora 25 anos, o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME) aproveita a Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea (14 a 21 de dezembro) para destacar a importância da atualização do cadastro de doadores já inscritos no banco. Um dado que torna ainda mais importante o pedido do REDOME é que neste ano foram atualizados cerca de 138 mil cadastros, número inferior a 2017 e superior a 2016, quando cerca de 90 mil cadastros foram atualizados.

Fazer com que os doadores cadastrados mantenham seus dados atualizados é um desafio para o REDOME e para qualquer outro registro em todo o mundo. Geralmente, os doadores permanecem de 20 a 25 anos inscritos e devem sempre procurar o registro para informar sobre qualquer alteração de um dado fornecido no momento do cadastro, como telefone, endereço, e-mail etc.

“Com os dados atualizados, o doador poderá ser encontrado rapidamente em caso de compatibilidade. Para 2019, estamos planejando novas ações de comunicação, especialmente por meio de redes sociais e aplicativo para mobile, que irão permitir a comunicação mais frequente com nossos doadores. A meta é ampliar o número de atualizações dos cadastros”, explica Danielli Oliveira, coordenadora técnica do registro.

Instituída através da Lei nº 11.930, de 22 de abril de 2009, também conhecida como “Lei Pietro”, a Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea é uma homenagem ao filho do ex-deputado Beto Albuquerque, que faleceu de leucemia, e é considerada por especialistas de fundamental importância para lembrar a população de que doar é simples e o cadastro no REDOME é feito de forma rápida e indolor. O incentivo para a sua criação veio da necessidade de esclarecimento sobre a importância da doação e do transplante de medula óssea.

O REDOME

Criado em 1993, o REDOME hoje é o terceiro maior registro de doadores de medula óssea do mundo e conta com cerca de 5 milhões doadores que compõem uma rede mundial de 32 milões de doadores. Este ano foram realizados 355 transplantes (até novembro) por meio da doação não aparentada. A busca de doadores acontece simultaneamente no resgistro brasileiro e em outros registros do mundo. Da mesma forma, registros de outros países também realizam busca de doadores no Brasil.

Tão importante quanto novos cadastros é que o doador já cadastrado mantenha seus dados atualizados. Por isso, o doador deve estar consciente de que permanecerá no Registro até completar 60 anos de idade. Neste tempo, ele precisa informar ao REDOME sobre qualquer alteração de um dado fornecido no momento do cadastro, como telefone, endereço, e-mail etc. Com os dados atualizados, ele poderá ser encontrado rapidamente em caso de compatibilidade com algum paciente. Se os dados não forem atuais, esta demora na localização pode atrasar o processo para o transplante do paciente.

 

Deixe uma resposta