#VerãoSaudável: Calor pode provocar queda de pressão, saiba como evitar:

By | 14 de janeiro de 2019
Foto: Carol Morena.

Foto: Carol Morena.

Tempo quente, úmido e abafado. Nesta época do ano, algumas pessoas costumam se sentir mais fracas e sonolentas. Mas é preciso ter atenção. Isso porque esses sintomas podem ser sinais de problemas na pressão arterial, que tende a cair com o calor intenso e até provocar desmaios. Algumas medidas, no entanto, devem ser tomadas para manter a saúde e o bem-estar em dia durante o verão.

A queda na pressão arterial em situações de calor é causada pela dilatação dos vasos sanguíneos da pele. Isso ocorre devido à necessidade de dissipar o calor interno, trazendo-o para a superfície do corpo, para que aí seja dissipado para o ambiente. Esses episódios ocorrem mais frequentemente em ambientes quentes e com alta umidade relativa do ar.

“Se a dilatação dos vasos da pele for muito intensa, pode haver menor retorno de sangue da periferia para o coração, o que reduz a capacidade cardíaca de manter a pressão arterial”, explica o professor aposentado da Faculdade de Medicina, Luiz Oswaldo Rodrigues, atualmente convidado da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Educacional (EEFFTO) da UFMG.

A dilatação intensa afeta a circulação cerebral, que precisa de uma pressão mínima de 80 mmHg para seu funcionamento normal. Quando a pressão arterial cerebral fica abaixo desse nível, aí que vem os sintomas já conhecidos: escurecimento da vista, tontura e o desfalecimento, com queda ao solo geralmente de forma suave.

“Assim que a pessoa cai, o sangue que estava na periferia, especialmente nas pernas, retorna ao coração, o bombeamento se torna mais eficiente, a pressão arterial se normaliza no cérebro e a pessoa recupera a consciência”, esclarece o professor.

Ele dá algumas dicas para a recuperação

  • Deixar a pessoa deitada no chão (se isto significar um risco adicional – trânsito, por exemplo – removê-la deitada);
  • Elevar as pernas da pessoa acima do seu coração;
  • Refrescar o corpo com o que for possível (compressas de gelo, água fria, ar condicionado, ventilador);
  • Observar se outros sintomas aparecem.

Como medidas preventivas, o professor orienta a prática regular de exercícios físicos, aclimatação ao calor em saunas, hidratação regular e a evitar ambientes quentes e úmidos.

As dicas valem, principalmente, para pessoas sedentárias, com alterações neurológicas, problemas cardíacos e idosos, que estão mais propensas a terem redução na pressão arterial durante o verão.

Fonte: Faculdade de Medicina UFMG

Deixe uma resposta