Monthly Archives: fevereiro 2019

#DeuNaMídia: Coordenadora de IST/ Aids e Hepatites Virais fala sobre a campanha de preservativos no carnaval

post_identidade_carnaval_usecamisinha

A Coordenadora de IST/ Aids e Hepatites Virais da Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais (SES-MG), Mayara Marques, concedeu entrevista nessa quinta-feira, 28/02, ao Bom dia Minas, da Tv Globo Minas. A pauta foi prevenção de ISTs no carnaval e a importância do uso do preservativo em todas as relações sexuais.

Nesse ano, serão ditribuídos pela SES-MG 7 milhões de camisinhas para todo o Estado. Mayara esclareceu que os preservativos serão distribuídos durante os bloquinhos de carnaval e também nas Unidades Básicas de Saúde.

A  Coordenadora ainda ressaltou que além do uso do preservativo, melhor forma de prevenção de AIDS, sífilis e Hepatite B, também seja realizada a testagem rápida sempre que a pessoa tiver uma relação com exposição às ISTs.

Assista abaixo a matéria completa:

#FalaRegional: Regional de Saúde de Alfenas realiza segunda Oficina da Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil

por Regional de Saúde de Alfenas

WhatsApp Image 2019-02-22 at 12.33.49

A Regional de Saúde de Alfenas realizou oficina sobre o programa Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil (EAAB), com o objetivo de formar tutores que se responsabilizarão por uma ou mais unidades de Saúde em seu município. Esse profissionais também fomentarão a amamentação e a alimentação saudável nessas unidades, com oficinas voltadas para a qualificação e alinhamento de saberes dos profissionais de saúde.

A referência técnica da Promoção à Saúde de Alfenas, Emily Rezende Avelar, destacou que o Aleitamento materno protege as crianças de várias doenças como diarreia, infecção respiratória, alergias, cárie dental, obesidade, com repercussões para a vida adulta, evitando até mesmo diabetes e hipertensão futuramente. “O aleitamento materno poderia evitar cerca de 13% das mortes em crianças menores de 5 anos no mundo, por causas que poderiam ser prevenidas”, explica Emily Rezende Avelar. Ela ainda destaca que a introdução da alimentação complementar saudável é um grande desafio em virtude da grande disponibilidade de produtos processados e ultraprocessados no comércio e do fácil acesso a esses itens, além das propagandas que incentivam o consumo de tais alimentos.

O Programa

A  Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil é um programa do Ministério da Saúde que busca incentivar o Aleitamento Materno Exclusivo até os 6 meses de idade e complementar, até os 2 anos de idade, e a introdução da alimentação complementar saudável. Na Regional de Saúde de Alfenas, a estratégia é desenvolvida através de uma parceria entre o Núcleo de Atenção Primária e o Núcleo de Redes de Atenção à Saúde.

#BloquinhoDaSaúde: Você sabe como usar a camisinha feminina?

Tal como a opção masculina, a camisinha feminina também é eficaz na prevenção contra infecções sexualmente transmissíveis – como o HIV/Aids, sífilis e hepatites virais – e também de uma gravidez não planejada. Ela se assemelha a uma “bolsa”, de 15 centímetros de comprimento e oito de diâmetro, e possui dois anéis flexíveis. Um é móvel e fica na extremidade fechada, servindo de guia para a colocação da camisinha no fundo da vagina. O segundo, na outra ponta, é aberto e cobre a vulva, parte externa da vagina. É feita de poliuretano, um material mais fino que o látex da camisinha que envolve o pênis. É, também, mais lubrificada. Vale destacar que, uma vez que ela se acomoda dentro do canal vaginal, não pode ser usada ao mesmo tempo em que a masculina.

Como usar?

O anel móvel deve ser apertado e introduzido na vagina. Com o dedo indicador, ele deve ser empurrado o mais profundamente possível para alcançar o colo do útero, enquanto a argola fixa, externa, deve ficar aproximadamente 2 dedos (ou 3 cm) para fora da vagina. Na penetração, o pênis deve ser guiado para o centro do anel externo.

Reprodução Internet

Reprodução Internet

Terminada a relação sexual, a camisinha deve ser retirada apertando-se esse anel, e torcendo-o, para garantir a manutenção do esperma no interior da camisinha. Depois, basta puxar o preservativo para fora delicadamente e, a cada nova relação, usar um novo preservativo, obrigatoriamente. Um detalhe interessante acerca da camisinha feminina é que, ao contrário do preservativo masculino, ela pode ser colocada até oito horas antes da relação.

O que eu achei?

Ao longo de toda a minha vida sexual até então – tenho 34 anos, nunca havia usado a camisinha feminina, apenas o preservativo masculino. E por mais esclarecida e consciente que seja, sempre foi normatizado e mais cômodo para mim deixar a responsabilidade, não só por carregar uma consigo, como também de colocá-la, ao parceiro, o homem. Usar uma camisinha feminina, por outro lado, muda completamente essa lógica: ter em mãos, sinalizar a hora de colocá-la e, se for o caso, fazê-lo, nos dá mais autonomia, e amplia nossa percepção de sermos responsáveis por nós mesmas, pelo nosso corpo, prazer e saúde. Vale destacar que o momento de colocar a camisinha pode ter a participação do parceiro e tornar-se, também, um momento de prazer da relação.

Já colocada a camisinha na primeira vez que usei, não me atentei para o fato de que era preciso segurar o anel externo para fora da vulva no momento da penetração. Isso porque o pênis pode acabar empurrando pra dentro da vagina esse anel, comprometendo a proteção. E foi o que aconteceu comigo. Porém, simples de resolver: percebi isso junto com o parceiro com quem estava, puxei o anel, e o segurei para fora dessa vez. Durante a relação, percebemos, ambos, que a camisinha feminina estava sendo mais confortável para os dois. Para ele porque não havia a compressão da camisinha masculina – motivo de reclamação de alguns homens – e para mim, porque o preservativo feminino é bem mais lubrificado que a versão masculina.

E sim, a camisinha feminina se movimenta, uma vez que o anel externo é grande, não fica rente ou “fixo” à vulva. Porém, isso não foi um problema para mim, uma vez que respeitei a orientação presente na embalagem de manter esse anel, e cerca de dois dedos do preservativo, para fora. Dessa forma, a camisinha não se desloca e, uma vez que a penetração já ocorreu, ela não é empurrada para dentro do canal vaginal. Ao final da relação, notei que retirá-la não causa nenhum desconforto ou dor; aliás, é quase imperceptível.

Para mulheres que possam se sentir desconfortáveis ou até mesmo constrangidas em propor ao parceiro o uso de algo ainda não usual como a camisinha feminina, sugiro que esse “gelo” seja quebrado justamente com essa proposta, a de experimental algo “novo” para ambos. Você pode acabar descobrindo uma alternativa mais confortável, segura e autônoma de se proteger.

Reprodução Internet

Reprodução Internet

#DeuNaMídia: Coordenador de Doenças e Agravos Transmissíveis ressalta a importância da vacinação contra o sarampo

gilmar

Gilmar Rodrigues, coordenador de Doenças e Agravos Transmissíveis da SES-MG, concedeu entrevista na manhã desta quarta-feira, ao Bom Dia Minas, da Tv Globo Minas para ressaltar a importância da vacina contra o sarampo na proximidade do carnaval.

“Toda pessoa que não estiver com a situação vacinal em dia, ou seja, duas doses vacinais até 29 anos, e aqueles com até 49 anos que não tem pelo menos uma dose devem estar atualizando sua situação vacinal”, frisou o coordenador. Para os profissionais de saúde é importante destacar que eles também devem estar com as vacinas em dia, já que têm um contato com maior número de pessoas.

Saiba mais sobre o sarampo: www.saude.mg.gov.br/sarampo

Para assistir a entrevista na íntegra, clique aqui.

 

#Educação Permanente: ESP-MG seleciona docentes para o Curso de Qualificação de Agentes Comunitários de Saúde

edital-2019-02

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) seleciona docentes para o Curso de Qualificação de Agentes Comunitários de Saúde até dia 29/03/2019. A seleção tem expectativa de até 50 vagas distribuídas em diversos municípios do Estado.

O curso prevê a formação dos Agentes Comunitários de Saúdes atuantes nos municípios contemplados pela ação educacional, e tem como objetivo fornecer subsídios visando estruturar o processo de trabalho do ACS, com consequente fortalecimento da Estratégia Saúde da Família no Estado de Minas Gerais, além de tornar o profissional de saúde mais crítico e reflexivo sobre o cotidiano de trabalho nos diferentes territórios.

Para concorrer ao pleito os candidatos deverão ser graduados em Enfermagem com experiência na Atenção Básica em Saúde.

Link para inscrição: https://goo.gl/oBPvrh

Clique aqui e acesse o edital de Credenciamento 002/2019.

#Mobilização: Práticas Integrativas e Complementares no atendimento às vítimas e familiares em Brumadinho

Desde o rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho/MG, no dia 25/01, diversos atores e voluntários têm se mobilizado no auxílio às vítimas e familiares. O Instituto Afinando a Vida, que realiza trabalhos na área de Práticas Integrativas e Complementares (PICS) foi um desses agentes mobilizadores que estiveram presentes no munícipio de Brumadinho.

Gelza Matos Nunes, coordenadora da Política de Práticas Integrativas e Complementares da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), explica como aconteceu essa parceria. “O papel da SES-MG foi articular a vinda dos profissionais das PICS de outros estados, como os do Instituto Afinando a Vida, de São Paulo. Após entrarem em contato conosco, gerenciamos com os munícipios como se daria a integração dos mesmos com os serviços de saúde e das Práticas Integrativas e Complementares de Brumadinho. Além disso, auxiliamos na programação de realização das PICS conforme a necessidade local”, frisou a coordenadora.

Assim, nos dias 16 e 17 de fevereiro, o Instituto Afinando a Vida esteve em Brumadinho e distritos de Tejuco e Córrego do Feijão e realizou atividades programadas pelo Núcleo de Práticas Integrativas e Complementares (NUPIC) de Brumadinho. No total, cerca de 100 pessoas participaram das atividades, entre as quais estavam: moradores, profissionais da Unidade Básica de Saúde (UBS) do Córrego do Feijão, profissionais da saúde ambiental de Brumadinho e militantes de movimentos sociais e crianças da ONG em Córrego do Feijão. Na ocasião, foi também realizado o acolhimento a voluntários e trabalhadores na tenda de apoio, no Córrego do Feijão.

As atividades, que incluíram rodas de terapia comunitária e a oficina “Cuidando do cuidador”, proporcionaram espaço de escuta e acolhimento para todos os participantes. A equipe do Instituto Afinando a Vida comentou que a terapia comunitária e a oficina cuidando do cuidador são muito importantes nesse processo de luto, pois permitem a escuta, acolhimento da dor e a formação de uma rede de apoio, que surge a partir das conversas entre as próprias pessoas.

Leia também: Práticas Integrativas e Complementares auxiliam vítimas e familiares em Brumadinho

Veja abaixo galeria de fotos dessas atividades:

#CiênciaEmMovimento: Conheça mais sobre o Programa

WhatsApp-Image-2019-02-22-at-14.24.59

Créditos: Funed

São Sebastião do Paraíso, a 400km da capital mineira, foi a primeira cidade a receber a visita do Programa Ciência em Movimento da Fundação Ezequiel Dias – Funed, no ano de 2019. Solicitado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação do município, a exposição foi montada na sede da Secretaria, que fica no prédio da Libertas Faculdades Integradas, de 19 a 21 de fevereiro, das 8h às 17h. “Soube do Programa pelo site da Funed e cadastrei minha cidade para receber a exposição, em 2017, mas a agenda já estava fechada até o final de 2018. Em novembro de 2018 recebi o contato da coordenação do Programa agendando a visita. Ficamos muito satisfeitos, pois esta é uma oportunidade para oferecermos mais aprendizado aos estudantes e à população, a fim de que possam adquirir novos conhecimentos e participem ativamente de ações para a promoção e proteção à saúde”, relata a coordenadora da Secretaria, Cristina Preto de Oliveira Vasconcelos.

A primeira visita à exposição foi feita pelas crianças assistidas pelo Núcleo João XXIII do Centro de Referência da Assistência Social – CRAS, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social. As crianças foram acompanhadas por dois profissionais do CRAS, o educador físico Marcos Henrique Queiroz e a psicóloga Gislene Rita do Prado Siqueira. “É a primeira vez que as crianças têm acesso a este tipo de evento. É muito importante que eles possam ter novas experiências e informações sobre animais peçonhentos”, declara Marcos Henrique. Para Gislene, o acesso das crianças à exposição contribuiu, além do contato com a ciência, como forma de inclusão social. “Por serem crianças que vivem em situações vulneráveis, poderem participar de atividades que permitam o contato público é muito positivo”, diz.

A pequena Lauane, de 9 anos, ficou encantada com a exposição sobre abelhas. “A parte das abelhas foi a mais legal”, disse, sorridente. O colega Esdras, da mesma idade, contou que já encontrou uma cobra na lixeira de casa e um vizinho a matou. Com o que aprendeu na exposição, ele teve outra ideia, caso encontre novamente uma cobra. “Vou colocar no álcool e trazer pra cá, pra ficar junto com as outras cobras do vidro”, disse Esdras, se referindo aos exemplares da Coleção Científica de serpentes, expostos no Programa.

 O prefeito da cidade, Walker Américo de Oliveira, também visitou o primeiro dia da exposição.

Ciência, Educação e Saúde Pública

Enquanto a exposição era montada pela equipe, a bióloga e coordenadora do Programa Ciência em Movimento, Giselle Agostini Cotta, realizou treinamento sobre animais peçonhentos para um grupo de pessoas de São Sebastião do Paraíso que iria atuar como monitores do Programa durante a exposição na cidade. Eram graduandos do curso de enfermagem da Libertas Faculdades Integradas, pedagogos e agentes de saúde. Também foi realizada uma palestra com o mesmo tema, voltada aos profissionais da educação e da saúde.

A assessora pedagógica da Secretaria Municipal de Educação, Sirlene Aparecida da Silva, assistiu à palestra e achou muito interessante e educativa. “Vou repassar o que aprendi para os coordenadores pedagógicos, para que repassem aos professores como sugestão de incluir o tema como atividade complementar para os alunos. Crianças são ótimos multiplicadores, cobram atuação da família. É muito válido trabalhar estes temas com eles”, disse.

Maria Ermínia Preto de Oliveira Campos, secretária municipal de Ciência, Tecnologia e Educação achou a exposição enriquecedora para as crianças e profissionais da saúde e educação. “Os professores vêm acompanhando os alunos, nesta parte prática que a exposição oferece, e levarão este conhecimento para a sala de aula, fazendo as intervenções necessárias, tirando dúvidas e estimulando o desejo de investigação”.

Wandilson Aparecido Bicego, secretário municipal de Saúde de São Sebastião do Paraíso, declarou que o Programa Ciência em Movimento da Funed veio a calhar com o momento em que o município está passando na saúde pública, enfrentando um surto de dengue e aparecimento de muitos escorpiões. “As palestras ministradas e exposições contribuíram muito com as informações sobre os animais peçonhentos, mostrando aos alunos, populares e profissionais de saúde que ali estiveram o risco que cada um oferece e as formas de prevenção, bem como reagir frente a uma agressão. Nós, da Saúde, só agradecemos à Funed, seus profissionais e à equipe da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação de Paraíso por proporcionarem essa ação que, para nós, é mais uma promoção e prevenção da saúde do que estudo científico. Temos a certeza que todos que por ali passaram adquiriram conhecimentos para nos ajudar na saúde pública, cuidando de seus quintais e terrenos baldios, onde aglomeram e residem a maioria desses animais. O município vem trabalhando arduamente com a população para essa conscientização e toda ajuda é muito válida. Cada um fazendo sua parte teremos uma saúde e uma cidade para viver cada vez melhor”.

A equipe Ciência em Movimento

Programa Ciência em Movimento é coordenado pelo Serviço de Coleção Científica e Popularização da Ciência, da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento e sua equipe conta, também, com monitores das demais diretorias da Fundação, que se voluntariam para as viagens. Se você tem interesse em ser um monitor do Programa, mesmo que somente para uma viagem, procure o Serviço de Coleção Científica e Popularização da Ciência.

Por Ascom Funed

#MitoOuVerdade: A camisinha de Posto de Saúde é segura e eficaz? A resposta é SIM!

camisinha_preservativo_sus_2

É recorrente ouvirmos de amigos ou conhecidos, ou até mesmo ver espalhados pelas redes sociais, comentários depreciativos em relação à qualidade e a eficácia dos preservativos masculinos – a popular camisinha, distribuída gratuitamente em Unidades Básicas de Saúde (Posto de Saúde) do Sistema Único de Saúde (SUS).

Essas camisinhas são de qualidade inferior ou menos seguras que as vendidas em farmácia? A resposta é simples (e óbvia): NÃO. O preservativo masculino distribuído em postos de saúde é tão seguro quanto os adquiridos em farmácia. “A qualidade de todas as camisinhas, sejam elas comercializadas ou de distribuição gratuita, é garantida por meio de um sistema de certificação obrigatória, gerenciado pelo INMETRO. Nesse sistema, todos os preservativos usados no Brasil devem atender às exigências de qualidade do regulamento técnico adotado pela Anvisa”, nos conta Leide Alcântara, referência técnica da Coordenação Estadual DST/AIDS e Hepatites Virais da SES-MG.

Dessa forma, todos os fabricantes de preservativos – comercializados ou distribuídos gratuitamente pelo SUS – passam por auditoria para a concessão da licença de fabricação. Por meio de ensaios em laboratórios credenciados, tanto o sistema de qualidade quanto a conformidade do produto são verificados para a concessão de licença. Além disso, amostras de cada lote fabricado são ensaiadas e aprovadas nos laboratórios credenciados. Esse modelo, atualmente, é obrigatório também para preservativos importados. Sendo assim, falhas do produto como rompimento, permeabilidade e desprendimento são incomuns, e podem estar relacionadas com o uso incorreto.

“O rompimento pode ocorrer por fatores relacionados a falhas no uso, como uso de lubrificantes oleosos ou lubrificação inadequada; a reutilização; a exposição ao sol, calor ou umidade; ao uso de produtos com prazo de validade expirado; o uso de dentes ou outros materiais cortantes para abrir a embalagem do preservativo, e a colocação incorreta dele no pênis”, destaca Leide Alcântara.

Por isso, não acredite em toda e qualquer informação não confiável ou veiculada de forma indiscriminada na internet ou redes sociais. Quando se tratar da prevenção e do cuidado com a sua saúde, busque sempre fontes oficiais, ok? A camisinha é uma excelente e prática estratégia de prevenção ao HIV/Aids e outras infecções sexualmente transmissíveis. Por isso, o SUS mantém sua distribuição gratuita, em todo o Brasil.

#Automedicação: Quais riscos a prática pode trazer?

medicamentos_comprimidos_e_liquidos

Medicamentos servem para ajudar a reestabelecer a saúde de pessoas doentes e, por serem feitos com substâncias químicas, mesmo aqueles feitos de para serem mais naturais, podem trazer riscos quando ingeridos de forma inadequada, principalmente quando falamos sobre a automedicação. Por isso, nessa edição do Pausa para Saúde, vamos abordar os riscos da prática de tomar remédios por conta própria sem buscar orientação de um profissional da saúde.

Ouça o programa:

Fonte: Blog da Saúde

#Curiosidade: Quais cuidados são necessários com o umbigo do recém nascido?

Cleaning a newborn baby's umbilical cord belly button.

Blog da Saúde

Com o nascimento de uma criança, nascem também inúmeras dúvidas sobre os cuidados que devemos ter com ela, especialmente nos primeiros dias de vida. E um destes cuidados é com o umbigo, pois o coto umbilical, que ligava a mãe ao bebê no útero, ainda fica preso ao recém-nascido por alguns dias. Ele precisa ser bem limpo para evitar infecções até que caia sozinho, pouco depois da primeira semana de vida.

A Caderneta de Saúde da Criança de Meninas e Meninos, documento elaborado pelo Ministério da Saúde e entregue aos responsáveis ainda na maternidade, recomenda que a região umbilical seja limpa com o álcool 70%. Também é aconselhado que os cuidadores não usem faixas, moedas ou qualquer outro objeto ou substância sobre o umbigo. Não se pode abafar o local, pois o coto umbilical precisa secar para cair.

#Dica: Para limpar, use algodão, uma fralda de pano ou uma haste com algodão. Qualquer um deles consegue retirar bem as secreções. Lave bem as mãos com sabão neutro, esfregando bem punhos e unhas, antes de higienizar o local.

Outros cuidados

Além dos cuidados com o umbigo do recém nascido, o puerpério é um período que demanda outros cuidados com o bebê e com a mãe. Por isso, veja essas dicas que o #BlogDaSaúdeMG preparou:

Alimentação – Neste período é importante manter uma alimentação saudável e variada e beber muita água, para favorecer sua recuperação e a amamentação. Alimente-se 5 ou 6 vezes por dia. Evite alimentos gordurosos, café, chá-preto, refrigerantes, chocolate e produtos com corantes e adoçantes, e comidas muito temperadas. Observe se algum alimento provocou cólicas no bebê. Evite bebidas alcoólicas, cigarro e outras drogas. Desta forma você estará protegendo você e seu(sua) filho(a).

Consulta Pós Parto – Você e seu bebê devem retornar à Unidade Básica de Saúde na primeira semana após o parto. Sempre que possível, esteja acompanhada do pai ou parceiro(a). O atendimento nesse período é importante para:

  • saber como está a saúde sua e de seu bebê;
  • avaliar a amamentação e o sangramento vaginal;
  • observar a cicatrização e retirar pontos, se necessário;
  • examinar seu bebê, vacinar e realizar o teste do pezinho;
  • ajudar a tirar dúvidas suas e de sua família sobre qualquer questão em relação a sua saúde e a saúde de seu bebê;
  • discutir se deseja ou não uma nova gravidez e quais os métodos contraceptivos mais indicados.

Com informações do Blog da Saúde

#Oportunidade: Funed seleciona jovens para programa de Iniciação Científica

A Fundação Ezequiel Dias (Funed) está recrutando candidatos para o BIC Junior, o programa de iniciação científica para alunos do ensino médio de escolas públicas, realizado em parceria com a Fapemig.

Duas vezes por semana, em sessões de 4 horas diárias, os BIC Juniors acompanham o trabalho de laboratórios e de dferentes setores da Funed. Os bolsistas recebem uma ajuda de custo de R$ 150, e têm direito a alimentação e vale-transporte nos dias em que estão na instituição.

Se você se interessa por ciência ou quer conhecer novas possibilidades para seu futuro profissional, entre em contato com a Diretoria de Pesquisa da Fundação Ezequiel Dias, através do telefone 3314-4981 Patrícia ou Lutiana, e saiba mais sobre o programa.

Não perca essa oportunidade!

Assista ao vídeo abaixo e saiba mais sobre o BIC Júnior:

Por Ascom Funed