#Autismo: SES-MG promove roda de conversa sobre o tema

By | 25 de abril de 2019
Créditos: Ricarda Caiafa

Créditos: Ricarda Caiafa

Nesta quarta-feira (24/04), a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) realizou uma roda de conversa com o tema: Cuidado às pessoas com transtornos de espectro do autismo e suas famílias na rede de atenção à Saúde do SUS. A atividade foi proposta nesse mês de abril como forma de refletir sobre o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, celebrado em 2 de abril.

O autismo, ou transtorno do espectro do autismo, é um distúrbio de desenvolvimento que afeta o sistema neurológico e compromete as habilidades de comunicação e interação social. Com níveis de comprometimento classificados em graus leve, moderado ou severo, a síndrome pode atingir uma a cada 50 crianças, sendo sua prevalência maior em meninos, na proporção de 3 homens para 1 mulher. Estima-se que, no Brasil, existam 2 milhões de pessoas com algum grau desse transtorno.

A referência técnica da Coordenação de Saúde Mental da SES-MG, Lírica Sallus Mattos Pereira, ressaltou a importância de se discutir sobre o tema. “É um avanço termos um dia de conscientização mundial, visto que há muito que se discutir sobre o autismo. O cuidado deve ser singular, pois cada criança irá apresentar uma característica pessoal”, comentou ela.

Ela também frisou sobre a rede de atendimento no SUS. “O Sistema Único de Saúde (SUS) dispõe de uma Rede de Atenção à Saúde, integrada e composta por serviços nos diversos níveis de atenção. Essa rede atua com um olhar ampliado para ofertar o apoio diagnóstico, continuidade do cuidado e acolhimento às famílias, de acordo com a demanda apresentada”, pontuou.

Diagnóstico

Para identificar o autismo é preciso que os responsáveis pelo cuidado, sejam eles profissionais, pais ou cuidadores, estejam atentos ao desenvolvimento da criança e, quando necessário, busquem atendimento médico especializado que pode ser pediatra, psiquiatra e/ou neurologista, conforme esclarece a Coordenação da Saúde da Pessoa com Deficiência, do Ministério da Saúde.

A porta de entrada no Sistema Único de Saúde (SUS) é a Atenção Básica. Portanto, é necessário procurar inicialmente o atendimento em Unidades Básicas de Saúde (UBS), que devem realizar o acolhimento, ou seja, o primeiro atendimento, e encaminhar para os serviços especializados para auxiliarem no diagnóstico e no tratamento, sempre que necessário.

Com informações do Blog da Saúde

Deixe uma resposta