Monthly Archives: junho 2019

Teste do pezinho: por que é importante?

Nesta quinta-feira (06/06), é comemorado o Dia Nacional do Teste do Pezinho. O exame é uma das principais formas de diagnosticar seis doenças que, quanto mais cedo forem identificadas, melhores são as chances de tratamento. São elas fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, doença falciforme e outras hemoglobinopatias, fibrose cística, deficiência de biotinidase e hiperplasia adrenal congênita.

Também conhecido como triagem neonatal, deve ser realizado em recém-nascidos entre o 3º e o 5º dias de vida. Para realizá-lo, a família deve levar o recém-nascido a uma unidade básica de saúde entre o 3° e o 5° dia de vida. É fundamental ter atenção a esse prazo.

Como é feito?

O teste é feito no pezinho por ser uma região bastante irrigada do corpo, o que facilita o acesso ao sangue para a coleta da amostra. Apesar de muitos bebês chorarem durante o exame, a picadinha no calcanhar é muito importante para dar as melhores condições de desenvolvimento para as crianças brasileiras. Esse não é um exame que traz riscos ao bebê. Muito pelo contrário, é rápido, pouco invasivo e até bem menos incômodo do que a coleta com seringa em uma veia no bracinho. Vale destacar que para as seis doenças detectadas no programa, há tratamento adequado no Sistema Único de Saúde (SUS) nos serviços de referência em triagem neonatal do país, presentes em todos os estados brasileiros.

Veja como o teste do pezinho é realizado no SUS:

#EaD: UNA-SUS oferece mais de 70 cursos gratuitos a profissionais de saúde; confira!

O Sistema Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS) está com inscrições abertas para 73 cursos gratuitos em educação á distância. A ofertas inclui cursos abertos online, de extensão, aperfeiçoamento, especialização e mestrados profissionais, que abordam os mais diversos temas na área da saúde, desde assuntos específicos como diagnóstico e tratamento de doenças, até temáticas mais abrangentes como políticas públicas em saúde.

Alguns dos cursos com inscrições abertas são: Promoção do Aleitamento Materno na Atenção Básica, Uso racional de medicamentos, Saúde Mental do Homem, Abordagem Familiar na Atenção Domiciliar, entre diversos outros.

Saiba mais

Coordenado pelo Ministério da Saúde, por meio da atuação conjunta da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES/MS) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Sistema UNA-SUS conta com uma rede colaborativa formada atualmente por 36 instituições de ensino superior. Os cursos da UNA-SUS são totalmente gratuitos e possuem enfoque prático, baseado na rotina dos profissionais de saúde e em suas reais necessidades. Qualquer profissional de saúde pode se inscrever e ser certificado nos cursos oferecidos pelo Sistema UNA-SUS, desde que atenda aos pré-requisitos descritos em cada oferta.

» Os cursos em oferta podem ser acessados pelo Portal de Cursos.

#FiquePorDentro: Hemominas informa datas das coletas de sangue nos PACEs

doação de sangue_2016

A Fundação Hemominas informa as datas das coletas de sangue neste mês de junho/2019 nos seguintes Postos Avançados de Coletas Externas (PACEs):

Araguari

As coletas acontecem nos dias 4,11,18 e 25/06 (terças-feiras), das 7h30 às 11h30, no Posto Avançado de Coleta Externa, localizado na Avenida José Carrijo, 205 – Centro.

Leopoldina

Neste mês de maio, as coletas de sangue em Leopoldina acontecem nos dias 6, 13 e 27/06 (quintas-feiras), das 8h às 16h, no Polo de Saúde de Leopoldina, localizado na rua Santa Filomena, 250 – Centro.

Varginha

As coletas acontecem nos dias 7,14 e 28/06 (sextas-feiras), das 7h às 12h, na Policlínica, localizada na rua Santa Catarina s/nº.

Bom Despacho

As coletas acontecem nos dias 4 e 18/06 (terças-feiras), das 8h às 13h, no Posto Avançado de Coleta Externa, localizado na Praça Olegário Maciel, 831 – Centro.

Muriaé

As coletas serão realizadas nos dias 5,12, 19 e 26/06 (quartas-feiras), das 7h30 às 15h, na rua Dr. Ivan A. Porcaro, s/n – Centro (antigo Centro Viva Vida ao lado do Hospital São Paulo).

#VivaSemTabaco: Brasil reduz hábito de fumar em 40% e mantém tendência de queda

com Ministério da Saúde

Dados inéditos do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) revelam que, em 2018, 9,3% dos brasileiros afirmaram ter o hábito de fumar. Em 2006, ano da primeira edição da pesquisa, esse índice era de 15,6%. Nos últimos 12 anos, a população entrevistada reduziu em 40% o consumo do tabaco, o que reforça a tendência nacional observada, ano após ano, de queda constante desse hábito nocivo para a saúde.

Créditos: Ministério da Saúde

Créditos: Ministério da Saúde

O Vigitel revela ainda que o perfil dos tabagistas vem mudando ao longo dos anos. A queda de uso do tabaco é significativa em pessoas de 18 a 24 anos de idade (12% em 2006 e 6,7%, em 2018), 35 e 44 anos (18,5% em 2006 e 9,1% em 2018) e entre 45 a 54 anos (22,6% em 2006 e 11,1% em 2018). As mulheres também vêm assumindo um protagonismo importante nesse cenário, superando a média nacional, reduzindo em 44% o hábito de fumar no período.

Realizada com maiores de 18 anos nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal, o Vigitel é uma pesquisa telefônica sobre diversos assuntos relacionados à saúde. Para a edição mais recente, foram entrevistados 52.395 pessoas entre janeiro e dezembro de 2018.

Vigitel 2018

No ano passado, as mulheres se destacaram por serem as que menos fumaram, com índice de 6,9%, ou seja, quase a metade dos homens, com 12,1%. Quando analisado o fator de idade, a menor prevalência se dá entre aqueles com 65 anos ou mais (6,1%) e em jovens de 18 a 24 anos (6,7%). Já a maior é registrada naqueles com idade entre 55 a 64 anos, em que o índice é igual a 12,3%. As capitais com mais fumantes são Porto Alegre (14,4), São Paulo (12,5) e Curitiba (11,4) e menos fumantes, Salvador (4,8%), São Luís (4,8%) e Belém (4,9%). Em Belo Horizonte, 10,8% da população afirma que possui o hábito de fumar. Ao todo, foram entrevistadas 2.072 pessoas na capital mineira, sendo 772 homens e 1.300 mulheres.

Consequências do Tabagismo 

O tabagismo é a principal causa de câncer de pulmão, sendo responsável por mais de dois terços das mortes por essa doença no mundo. No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que, até o final de 2019, sejam registrados 31.270 novos casos de câncer de traqueia, bronquio e pulmão em decorrência do tabagismo. O câncer de pulmão é o segundo mais frequente no país. Dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, mostram que 27.833 pessoas foram a óbito em 2017 devido a essa causa. O número de mortes e internações é maior quando se considera que o tabagismo causa outras doenças. Segundo o INCA, em 2015, as mortes com relação direta ao uso do tabaco são: doenças cardíacas (34.999); doença pulmonar obstrutiva crônica – DPOC (31.120); outros cânceres (26.651); câncer de pulmão (23.762); tabagismo passivo (17.972); pneumonia (10.900) e por acidente vascular cerebral – AVC (10.812).

#Tecnologia: Funed lança novo aplicativo sobre as serpentes de Minas Gerais

serpentes-de-minas_site

O Serviço de Coleção Científica e Popularização da Ciência da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento (SCCPC-DPD) da Funed lança seu novo aplicativo: o Serpentes de Minas Gerais. Desta vez, o dispositivo faz um apanhado das serpentes mais comuns que podem ser encontradas no Estado.

A bióloga e idealizadora do dispositivo, Giselle Cota, explica que a função do novo App é justamente mostrar as características das cobras que podem ou não provocar acidentes. “O aplicativo se baseia em perguntas que vão levar o usuário a descobrir por meio das características das serpentes apresentadas se elas são ou não peçonhentas. Informações como a presença ou ausência da fosseta loreal, cor do animal e forma da cauda são alguns dos traços observáveis”, explica Giselle.

O App pode ser usado tanto por profissionais da saúde que estejam fazendo algum atendimento à pessoa vítima de acidente, quanto por moradores de regiões rurais ou pessoas que gostam de fazer trilhas e que cruzam frequentemente com esses animais. Giselle conta que a linguagem lúdica e de fácil compreensão do aplicativo permite até mesmo que crianças usem o dispositivo em atividades pedagógicas com o objetivo de conhecerem melhor a fauna mineira.

O Serpentes de Minas Gerais está disponível na loja da Fundação Ezequiel Dias (Funed) no Google Play, pode ser facilmente encontrado no Portal da Fundação, e também pode ser acessado off line, o que permite que as pessoas confiram as informações mesmo em locais sem Internet.

Além do caminho com as diversas informações e características, o usuário tem acesso a um glossário que explica diversos termos como, por exemplo, as diferentes dentições das serpentes, que podem ser áglifa, opistóglifa, proteróglifa e solenóglifa. O dispositivo também contém uma lista atualizada com os locais de atendimento em caso de acidentes com animais peçonhentos.

Giselle destaca que, embora o aplicativo seja simples e de fácil acesso para qualquer público, a elaboração levou em conta informações validadas de acordo com bibliografia disponível e os rigorosos critérios da metodologia científica. A construção do dispositivo foi possível por meio dos recursos da Chamada 07/2015 – Popularização da Ciência, da Tecnologia e da Inovação, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

Além de Giselle, o bolsista Leonardo Carvalho, a ex-bolsista Layane Martins e a bióloga Flávia Cappuccio participaram da equipe que idealizou o App. “Este aplicativo pode ser o embrião para diversos dispositivos que poderão mapear as espécies presentes em outros estados do país. Atualmente, apenas os estados do Rio Grande do Sul e do Pará possuem um levantamento parecido”, aponta Giselle.

Conheça também dois outros aplicativos desenvolvidos pela Funed: o Mundo dos Venenos e o Cobra Coral.