Monthly Archives: julho 2019

#Podcast: Uso de antibióticos por crianças é tema do “Fiocruz no Ar”

Crianças, idosos e pacientes com o sistema imunológico frágil, com doenças autoimunes, com câncer e HIV são mais vulneráveis às infecções resistentes aos antibióticos. E esta resistência se dá pelo excesso de uso do medicamento.

No caso das crianças, em especial, a situação torna-se mais delicada porque muitos pais – aflitos com uma faringite ou infecção no ouvido que não passa, por exemplo – insistem com o médico que receite antibióticos, ou pior, fazem uso da sobra de medicamentos já utilizados anteriormente e que estão em casa, à mão, para acelerar a recuperação da criança. O resultado pode ser a piora no estado da criança.

Especialistas afirmam que ao expor crianças ao uso desnecessário de antibióticos, elas podem ter diarreia, dores estomacais, náuseas e vômitos, além de aumentar as chances de ela ter resistência aos antibióticos. A Organização Mundial de Saúde afirma que os antibióticos devem ser tomados unicamente com prescrição médica e que não se deve pedir aos profissionais de saúde que receitem antibióticos, quando eles afirmam não ser necessário.

Ouça o que diz Cláudia Lindgren, médica pediatra, professora associada do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, em nosso podcast “Fiocruz no Ar: Pais e o uso de antibióticos”, e fique atenta para quando for necessário fazer uso do antibiótico, respeitando o organismo da criança.

Acesse outros podcasts do projeto Fiocruz no Ar, aqui.

#TOP5: Cuidados simples com a saúde ocular podem evitar agravos sérios para a saúde dos olhos

Foto: iStock / Reprodução.

Foto: iStock / Reprodução.

O dia 10 de julho chama atenção para um tema muito importante do nosso dia-a-dia: Dia da Saúde Ocular. A visão é um dos sentidos mais importantes e requer cuidados. Com ações preventivas, as principais doenças da visão podem ser evitadas, fique ligado(a);

1. Durma no mínimo 8 horas por dia

O sono e as horas dormidas influenciam no cansaço do corpo e dos olhos. Dormir menos de oito horas pode causar vermelhidão ocular, vista cansada e inchaços.

2. Cuidado com o sol

Reduza a exposição dos olhos ao sol e use óculos escuros com fator de proteção para raios ultravioletas. A exposição em excesso aos raios UV pode atuar como agravante no desenvolvimento de doenças como catarata, e na redução da visão decorrente da morte de células da retina.

3. Evite coçar a região dos olhos

Em casos de alergias ou irritações, a prática frequente pode piorar o quadro. Para evitar ou reduzir a coceira decorrente de clima seco, ou outros fatores externos, hidrate os olhos com colírios lubrificantes. Isso ajuda a manter os olhos sempre úmidos.

4. Sempre limpe a região dos olhos

Maquiagens podem causar reações alérgicas. Procure marcas de qualidade ou hipoalergênicas de sua confiança para evitar problemas na região dos olhos. Se a maquiagem não for retirada corretamente antes de dormir, os canais de drenagem presentes nos olhos podem entupir, gerando infecções ou terçol – vermelhidão na região da pálpebra que parece com uma espinha.

5. Use protetor ocular em situações de risco

Óculos de proteção são essenciais para evitar que acidentes aconteçam; mesmo em casa, quando o menor trabalho pode ser prejudicial aos olhos. Em situações de risco, como manuseio de solda, por exemplo, é essencial seguir a risca a recomendação de prevenção.

#Capacitação: Governo de Minas abre inscrições para curso sobre direitos das crianças e adolescentes

Por Agência Minas

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), por meio da Subsecretaria de Direitos Humanos, realiza a partir de 24 de julho, o Curso de Formação em Direitos Humanos e Cidadania: Direitos das Crianças e Adolescentes, na modalidade a distância, via Plataforma Moodle.

Destinadas a agentes públicos estaduais e municipais, estudantes universitários e membros da sociedade civil, as aulas terão duração de três meses, com carga horária de 60 horas/aula.

As inscrições começam nesta terça-feira (9/7) e os interessados devem fazê-las pelo site www.direitoshumanos.mg.gov.br, menu Programas e Serviços, Cursos e Capacitações, digitando o código SEDPAC462.

content_convite-crianca-adolescente

A formação contará com quatro módulos: Introdução aos Direitos Humanos; Legislação e Redes de Atendimento e Proteção; Planejamento, Monitoramento e Avaliação das Ações de Direitos Humanos, além da temática específica de Proteção, Promoção e Reparação dos Direitos das Crianças e Adolescentes.

O curso, realizado pela Escola de Formação em Direitos Humanos (EFDH), tem como objetivo a formação dos profissionais e estudantes que atuam na promoção e proteção dos direitos humanos.

Para finalizar a formação e ter acesso ao certificado, o participante deverá obter a média de 60% de aproveitamento em cada módulo.

#EaD: ESP-MG forma especialistas em Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde

Aconteceu nesta sexta-feira (05/07), no auditório da Escola de Saúde Pública, em Belo Horizonte, o encerramento do Curso de Especialização em Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. A formação, em sua primeira turma, teve duração de 10 meses; e o objetivo de aprimorar conhecimentos indispensáveis para o desenvolvimento de políticas e estratégias relacionadas à gestão do trabalho e da educação na saúde no âmbito da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). 
WhatsApp Image 2019-07-05 at 15.09.34
 
O curso foi desenvolvido pelo Observatório de Recursos Humanos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em parceria com o Departamento de Gestão e Regulação do Trabalho em Saúde (DEGERTS) do Ministério da Saúde, na modalidade de Educação à Distância (EaD); e realizado em parceria entre SES-MG, Ministério da Saúde, UFRN e o Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de Minas Gerais (Cosems-MG). Em Minas Gerais participaram cerca de 150 alunos.
WhatsApp Image 2019-07-05 at 15.09.32

#AconteceNaFuned: Exposição “O Posto Antiofídico” resgata a história de Belo Horizonte

Por Priscila Fujiwara

A história da Fundação Ezequiel Dias (Funed) se mistura a de Belo Horizonte. A cidade foi projetada em uma região onde havia uma grande quantidade de escorpiões silvestres devido ao bioma predominante. À medida que a cidade crescia a convivência dos moradores da nova capital mineira com os animais peçonhentos que ali estavam foi se tornando cada vez mais difícil e delicada.

No início do século passado, o índice de acidentes fatais causados por serpentes venenosas e escorpiões era muito grande. Crianças, trabalhadores e idosos não resistiam aos edemas e às complicações e muitas morriam em questão de dias ou horas. Somado a este problema social, havia a questão econômica do setor agropecuário, pois parte do gado também era afetada.

E é neste contexto que a pesquisa científica em saúde pública da Funed foi determinante para o desenvolvimento econômico da capital e de Minas Gerais, explicou a historiadora do Serviço de Informação Científica, Histórica e Cultural da Funed, Fabiana Melo Neves, sobre o papel que a Fundação teve na modernização do estado. “Foi uma junção das necessidades sociais e econômicas. A nossa economia era agrária e leiteira e as serpentes picavam o gado, que morria, o qual gerava um problema econômico. Então juntou-se a necessidade da sociedade, que estava sendo picada, e a necessidade econômica dos fazendeiros em criar um Posto Antiofídico em Belo Horizonte”, explicou Fabiana.

Parte desta história é ilustrada pela exposição “O Posto Antiofídico” com curadoria da Biblioteca da Funed. São 54 fotografias que retratam as atividades dos pesquisadores da época. Um dos pontos altos da mostra é o valor histórico do material apresentado, que datam do início do século passado. São relatos e fotos de acidentes com animais peçonhentos, matérias jornalísticas, artigos científicos, mapas e gráficos que documentam onde foram encontrados os animais em Belo Horizonte e Minas Gerais.

Valor social, científico e econômico do Posto Antiofídico

Criado em 1918, o posto tinha o objetivo de pesquisar os assuntos relacionados a mordeduras de cobras e picadas de escorpiões, além de colher o veneno das serpentes que eram enviadas pelos fazendeiros. Este veneno era remetido para o Instituto Butantan e este retornava com o soro antiofídico. As serpentes raras ou desconhecidas ficavam no posto para estudo científico. Na época, a Fundação ainda era vinculada ao Governo Federal, uma filial do Instituto Manguinhos do Rio de Janeiro.

O Posto Antiofídico também tinha um papel educacional para reduzir a mortalidade causada pelos acidentes. Enquanto em Belo Horizonte a urbanização expunha a população aos escorpiões silvestres, no interior do estado a expansão da agropecuária colocava a população em contato com serpentes peçonhentas, além dos problemas econômicos causados quando o gado sofria algum tipo de acidente com as cobras.

Curiosidades que você verá na Exposição:

Era comum na Praça da Liberdade e na Rua da Bahia serem encontrados escorpiões e serpentes peçonhentas;
Na década de 30, até mesmo países como Japão e Nicarágua doaram cobras para a Funed;
Os “modos de cura popular”, como amuletos, orações, misturas de jiló e cachaça, são um dos temas da exposição. Pedras e amuletos eram encaminhados para a Funed para a avaliação e validação científica.

Serviço:
Exposição “O Posto Antiofídico”
Data: 1º a 29/7/2019
Horário: segunda a sexta, das 8h às 16h
Local: Prédio Principal | Funed
Realização: Serviço de Informação Científica Histórica e Cultural

Clique aqui e saiba mais sobre a Biblioteca da Funed.

#LeiteMaterno: Saiba onde doar

Todas as mães com dificuldade para amamentar ou que tenham excesso de leite podem procurar o Banco de Leite da Maternidade Odete Valadares (BLH/MOV), da Rede Fhemig. Além da doação e da coleta de leite, esse serviço oferece orientações gratuitas sobre importância do aleitamento e cuidados com a mama.

Para colaborar com a manutenção do serviço, as mães com excesso de leite podem se dirigir diretamente à unidade de atendimento relacionada abaixo, ou então entrar em contato com a mesma unidade para que a coleta seja feita em sua residência. As doadoras recebem certificado da MOV.

content_governo-de-minas-incentiva-o-aleitamento-materno-e-a-doacao-de-leite-humano

O atendimento externo é realizado de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

O serviço também oferece treinamento e suporte técnico às instituições interessadas em implantar um banco de leite.

O BLH/MOV tem atendimentos on-line para responder dúvidas e atender sugestões sobre aleitamento materno. Para isso, basta acessar o site da Fhemig: www.fhemig.mg.gov.br.

Serviço:

Atendimento: Gratuito
Documentos necessários: Documento de identificação (Carteira de Identidade; Carteira de Motorista ou Carteira de Trabalho)
Data e horário: de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h
Distribuição de senhas: são distribuídas 3 senhas a cada hora e a última distribuição é feita às 16h; das 12h às 13h não há entrega de senhas em função do intervalo para almoço

Unidades onde o serviço é prestado:
Belo Horizonte – Maternidade Odete Valadares
Juiz de Fora – Hospital Regional Dr. João Penido

#BCG: Tire suas dúvidas sobre essa vacina

bcg 1

Nesta segunda-feira, (01/07), foi comemorado o Dia da Vacina BCG, que previne contra as formas graves da tuberculose, como a meningite tuberculosa e a tuberculose miliar (forma disseminada).

O Blog da Saúde MG conversou com a Coordenadora Estadual de Imunizações da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, Josianne Gusmão, que esclareceu algumas dúvidas sobre essa vacina. Confira:

1) Qual a idade para se tomar essa vacina? É dose única?
O esquema de vacinação com a vacina BCG corresponde à dose única o mais precocemente possível, preferencialmente nas primeiras 12 horas após o nascimento, ainda na maternidade.

2) Como ela é aplicada?
A vacina é administrada por via intradérmica. A administração da vacina é feita na região do músculo deltoide, no nível da inserção inferior, na face externa superior do braço direito. O uso do braço direito tem por finalidade facilitar a identificação da cicatriz em avaliações da atividade de vacinação.

3) Ela está disponível nos centros de saúde?
Sim, está disponível nas salas de vacinação dos postos de saúde. É importante levar o cartão de vacina do bebê.

4) Para a vacina fazer efeito, tem que aparecer a cicatriz no bracinho da criança?
A Organização Mundial da Saúde aponta que a ausência da cicatriz de BCG após a vacinação não é indicativo de ausência de proteção.

Saiba mais: #Vacinação: Criança sem cicatriz vacinal não precisa revacinar contra tuberculose

4) Minas Gerais têm atingido a meta dessa vacina?
A meta é 90% em menores de 1 ano de idade. No ano de 2018 o Estado de Minas Gerais ficou com 97,78% de cobertura.