#Pólio: única prevenção é a vacina

By | 24 de outubro de 2019

Banner_Para facebook

Por Ana Rita Fernandes

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) celebra o Dia Mundial de Enfrentamento à Pólio, no dia 24 de outubro, lembrando à população da importância de manter altos os índices de cobertura vacinal para impedir o retorno da doença em território nacional.

Como resultado de um permanente esforço de todos os envolvidos com a Saúde Pública, no que diz respeito à vacinação, o Brasil está livre da circulação do vírus da poliomielite (poliovírus) desde 1990, e foi certificado disso pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) em 1994.

Porém, em alguns países como Afeganistão, Paquistão e Nigéria, ainda circula o vírus da doença, conhecida também como paralisia infantil e associada às baixas coberturas vacinais, coloca todos os outros países, inclusive o Brasil, em risco de reintrodução da pólio.

Cobertura Vacinal

A doença não tem cura e pode deixar sequelas permanentes. A única forma de proteção é a vacina. Em 2019, até o momento, a cobertura vacinal contra a poliomielite em Minas, em menores de 1 ano, está em 85,5%. Em crianças de 15 meses, a cobertura vacinal é de 80,8%, e em crianças de 4 anos de idade a cobertura é de 76,5%. No entanto, a vacinação como único meio de prevenção só é eficaz se houver uma alta cobertura vacinal acima de 95%.

Foto: Venilton Küchler/SESA/Agência Brasil.

Foto: Venilton Küchler/SESA/Agência Brasil.

O calendário de vacinas do SUS preconiza três doses da VIP (Vacina Inativada de Poliomielite), com administração nas crianças aos 2, 4 e 6 meses e reforço com duas doses da VOP (Vacina Oral de Poliomielite), aos 15 meses e 4 anos. É considerado protegido, o indivíduo, maior de cinco anos, que tenha pelo menos cinco doses da vacina contra a doença.

Pólio
A poliomielite é uma doença altamente infecciosa causada pelo poliovírus que invade o sistema nervoso e pode causar paralisia total em questão de horas. O vírus é transmitido por pessoa para pessoa, principalmente através da via fecal-oral ou, menos frequentemente, por um veículo comum (por exemplo, água ou alimentos contaminados) e multiplica-se no intestino. Os sintomas iniciais são febre, fadiga, dor de cabeça, vômitos, rigidez do pescoço e dor nos membros.

Ajude a manter nosso país livre da circulação do vírus e seu filho bem longe da doença! Mantenha o cartão de vacinação da criança sempre em dia!

Deixe uma resposta