Monthly Archives: dezembro 2020

Intoxicação alimentar: saiba o que é e como evitar

Com a chegada do verão e das festas de final de ano, há também uma alteração no perfil alimentar das pessoas. Seja pela chegada das férias em que as refeições fora de casa se tornam mais comuns, ou pela própria adaptação do cardápio à época, devemos ficar atentos a algumas questões sanitárias importantes à segurança alimentar.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mundialmente, cerca de 600 milhões de pessoas adoecem por conta de intoxicação alimentar e 420 mil morrem por essa causa, anualmente. E, por se tratar de uma doença evitável e altamente dependente das medidas preventivas no que diz respeito às condições sanitárias, conhecer e aplicar tais medidas são as principais ferramentas que temos para contornar essa doença. Saiba aqui o que é e como evitar a intoxicação alimentar!

Higienização dos alimentos


INTOXICAÇÃO OU INFECÇÃO ALIMENTAR?

De maneira geral, utilizamos a expressão “intoxicação alimentar” para fazer referência a uma doença gastrointestinal que tem como causa a ingestão de alimentos contaminados, mas ela engloba dois conceitos distintos: a infecção e a intoxicação alimentar.

A infecção alimentar é definida como sendo a presença de microorganismos nos alimentos, no qual a sua ingestão relaciona-se ao desenvolvimento de doenças. Um exemplo é a contaminação de ovos crus pela bactéria Salmonella que, quando ingeridos, podem causar a Salmonelose.

Já a intoxicação alimentar é definida pela presença de toxinas de microrganismos presentes nos alimentos, ou seja, a ingestão da toxina do microorganismo é que leva ao quadro de intoxicação alimentar. Um exemplo é a ingestão da toxina botulínica, produzida pela bactéria Clostridium botulinum, presente em alimentos processados sem o preparo adequado.


CUIDADOS NO PREPARO DOS ALIMENTOS

  • Higienize as mãos com água e sabão por 40 a 60 segundos antes, durante e após o preparo dos alimentos;
  • Lave seus utensílios, tábuas de cortar e bancadas com água quente e sabão antes do uso;
  • Lave frutas e vegetais frescos em água corrente e deixe de molho por pelo menos 30 minutos em solução com cloro;
  • Evite a contaminação cruzada dos alimentos (exemplo: carnes cruas de alimentos prontos): a preparação deve ser feita em tábuas e utensílios distintos daqueles utilizados em alimentos prontos. Da mesma forma, o armazenamento em refrigerador deve ser muito bem separado para evitar a contaminação;
  • Armazenar os alimentos em geladeira em temperatura inferior à 4º C;
  • Cozinhar em temperatura e tempo apropriados para certificar a eliminação de possíveis contaminantes;

ALIMENTO

TEMPERATURA

Cortes inteiros de boi, porco, vitela ou cordeiro

62,78ºC ou 145ºF 

Carnes moídas, como bovina e suína

71,1ºC ou 160ºF

Aves, incluindo frango e peru moídos

62,78ºC ou 145ºF 

Presunto fresco (cru)

62,78ºC ou 145ºF 

Peixes

62,78ºC ou 145ºF ou até a carne ficar opaca


CUIDADOS NAS REFEIÇÕES FORA DE CASA

  • Verifique as condições sanitárias do estabelecimento previamente. Procure certificados que possam garantir a segurança alimentar;
  • Procure por práticas seguras de manipulação de alimentos pelos funcionários do local. Se desejar, verifique como a sua refeição está sendo preparada, verifique se os funcionários estão usando luvas ou utensílios para manusear alimentos que não serão cozidos mais, como frios e saladas verdes;
  • Certifique-se do cozimento adequado de sua refeição, principalmente de alimentos como carne, frango e peixe, que precisam ser cozidos a uma temperatura alta o suficiente para eliminar microorganismos que possam estar presentes. Caso julgue necessário, retorne os alimentos para que sejam cozidos até estarem seguros para consumo;
  • Verifique se a temperatura do alimento está em sua temperatura habitual de ser ingerida;
  • Verifique se o alimento está há muito tempo exposto, principalmente em restaurantes com serviço self-service;

Os microorganismos que causam intoxicação alimentar crescem rapidamente quando os alimentos estão entre 4 °C e 60 °C.


ALIMENTOS COM MAIOR RISCO

Quando o assunto é a higiene alimentar, sabemos que qualquer deslize nos cuidados sanitários pode ser suficiente para o quadro de intoxicação ou infecção alimentar. Sendo assim, com base no maior risco de contaminação, veja abaixo a lista com os alimentos que exigem um cuidado ainda maior no preparo e consumo:

  • Ovos crus e receitas em que são acrescentadas para preparação, como a maionese;
  • Frutas e verduras cruas, pois alguns microrganismos só são eliminados após uma higienização com solução contendo cloro;
  • Carne mal cozida, pois pode estar contaminada com microorganismos que muitas vezes exigem um cozimento lento e sob pressão.
  • Leite não pasteurizado (processo físico que elimina bactérias como a salmonella).
  • As ostras são moluscos que obtêm seus alimentos por meio de um processo que filtra os microorganismos presentes no ambiente aquático. Assim, saber a origem delas é crucial para saber se o alimento é seguro para consumo.

Frutas e verduras devem ser deixadas de molho por pelo menos 30 minutos em uma solução contendo 1 colher de sopa de água sanitária para cada 1 litro de água.


Dor de barriga

SERÁ QUE ESTOU COM INTOXICAÇÃO ALIMENTAR?

É importante ressaltar que, mesmo com todos os cuidados sendo tomados, ainda há risco de intoxicação, devido aos diversos fatores envolvidos no preparo do alimento. Um pequeno deslize no cuidado, muitas vezes imperceptível, acaba sendo o responsável pela intoxicação alimentar. Por isso, é sempre importante ter a prevenção um hábito cada vez mais reforçado: verifique a condição atual do alimento, armazenamento, local responsável pelo preparo e mantenha as medidas básicas de higiene, higienizando as mãos antes e após as refeições.

Ainda que os sintomas relativos à intoxicação alimentar possam apresentar uma grande variedade, as principais queixas tendem a ser as gastrointestinais, principalmente o vômito e a diarreia. Com isso, o fator comum é a grande perda de água e nutrientes no decorrer da evolução da doença. Assim, um dos principais riscos de um paciente com intoxicação alimentar é a desidratação. Por isso, a recomendação de ingestão de líquidos passa a ser ainda mais importante nesse verão.

Durante um episódio de suspeita de intoxicação alimentar, evite a ingestão de leite. Mesmo que você não apresente intolerância à lactose (açúcar presente no leite e em seus derivados) os sintomas gastrointestinais podem piorar após a sua ingestão.

Em caso de suspeita de intoxicação alimentar, procure atendimento médico. Com frequência, o diagnóstico é fornecido após um bom relato ao médico e você pode ajudá-lo respondendo a algumas perguntas simples, mas que fazem toda a diferença na hora da condução do seu tratamento. Portanto, assim que apresentar os sintomas de intoxicação alimentar, tente obter as respostas para perguntas abaixo para relatar com detalhes ao seu médico:

  • Quais alimentos você ingeriu nos últimos dias (detalhamento aqui é importante)?
  • Alguém que estava com você durante as refeições está com sintomas semelhantes?
  • Vomitou ou teve diarréia nos últimos dias? Como era o aspecto delas?

Outras perguntas deverão ser feitas durante a consulta, principalmente a respeito dos seus sintomas no momento da consulta, mas leve consigo a resposta detalhada das três perguntas acima para que ele possa te ajudar da melhor forma.

Autor: Vitor Yukio Ninomiya

Referências:

  • Centers for Disease Control and Prevention. How to Prevent Food Poisoning. Acesso em 21 de dezembro de 2020.
  • Organização Mundial da Saúde. Segurança dos alimentos é responsabilidade de todos. Acesso em 21 de dezembro de 2020.

Verão: cuidados com a alimentação

Com a chegada do verão e o seu marcante aumento na temperatura média diária, devemos ficar atentos aos riscos à saúde característicos desta estação, principalmente quanto à hidratação e a alimentação. A desidratação e o risco de intoxicação alimentar tornam-se mais comuns nessa estação e, por isso, alguns cuidados devem ser reforçados para que você possa aproveitar o verão de forma saudável e segura.

Alimentação no verão


MUITA ATENÇÃO PARA O RISCO DE DESIDRATAÇÃO

Não é novidade para muitos a informação de que a água é o principal componente  do corpo humano (cerca de 70% e variando com a idade), mas você sabia que uma pequena variação desse percentual pode resultar em graves distúrbios em nosso organismo? Pois bem, a água é abundante em nosso corpo, mas a eliminamos diariamente por diversas formas (respiração, suor, urina, fezes, lágrimas, entre outras formas) e por isso sua reposição deve ser frequente para evitar esses problemas.

Com a chegada das altas temperaturas e com o maior tempo de exposição ao sol, a perda de água pelo nosso organismo torna-se mais intensa, exigindo de nós um maior cuidado quanto a sua adequada reposição. De forma geral, recomenda-se a ingestão de, pelo menos, dois litros de água diariamente, mas esse valor pode variar dependendo da rotina de cada pessoa. Temperatura, exposição solar e atividade física são os fatores mais comuns que aumentam o volume de água necessária a ser reposta no organismo.

Vale lembrar que a reposição hídrica indicada pode ser feita de várias formas, e não necessariamente deve ser feita com a ingestão apenas de água. Além da água, você também repor essa demanda ingerindo sucos, chás gelados, água de coco, bebidas isotônicas, frutas com alto teor de água (melancia, melão, abacaxi, laranja, uva, morango, goiaba, pêra, entre outros) e demais alimentos como pepino, rabanete, tomate etc.

Feria de rua

Na desidratação leve a moderada, alguns dos principais sinais e sintomas são: sede exagerada, boca e pele seca, diminuição da sudorese, urina concentrada, dor de cabeça, sonolência, tonturas, fraqueza, cansaço e coração acelerado.

Nos casos graves de desidratação, os sintomas da forma leve a moderada se intensificam e outros sintomas mais graves podem surgir, como: queda de pressão arterial, alteração da consciência, convulsões, coma, falência de órgãos e morte.

Além da reposição hídrica, alguns cuidados também podem ser feitos para se evitar os efeitos do calor, como: 

  • Use roupas leves, que permitam a livre transpiração;
  • Evite a exposição solar direta e quando o fizer, utilize um filtro solar com fator de proteção solar 30 ou superior. Não se esqueça do protetor labial e dos óculos de sol.
  • Evite os horários entre 10 e 16 horas;

Clique aqui e saiba mais: Dezembro laranja: o que é e como prevenir o câncer de pele?


ALGUNS CUIDADOS PARA AS REFEIÇÕES

Além do conhecimento sobre quais são os alimentos que nos auxiliam na reposição hídrica corpórea, devemos também ter alguns cuidados quanto à segurança no momento do seu consumo. As altas temperaturas também são responsáveis por interferir na qualidade do alimento e, portanto, sua preparação, armazenamento e consumo devem receber atenção redobrada nos dias quentes. Por isso, sempre que for consumir um alimento, siga as recomendações sanitárias para se assegurar de que não vai ser surpreendido por uma infecção ou intoxicação alimentar.

O conhecimento sobre a preparação do alimento, bem como a forma que são servidos para o consumo podem trazer riscos à saúde. De maneira semelhante, o autocuidado durante as refeições também são essenciais: a falta de higienização das mãos antes e após as refeições podem colocar em risco qualquer preparação eficiente prévia.

Quer saber mais sobre a intoxicação alimentar? Acesse aqui!

Autor: Vitor Yukio Ninomiya

Referência:

Mayo Clinic. Dehydration. Acesso em 21 de dezembro de 2020.

Dezembro Laranja: quais são os tipos de câncer de pele?

Estamos no Dezembro Laranja! O último mês do ano traz um alerta importante para um problema de saúde muito importante e que pode ser prevenido: o câncer de pele. Mas você sabia que há vários tipos diferentes de tumores nessa região?

Isso acontece porque a pele é composta por vários tipos de células. Quando algumas delas começam a se multiplicar rapidamente sem controle, perdendo sua função e podendo invadir outros órgãos, falamos que é um tumor maligno.

Cada tipo de câncer de pele tem um comportamento diferente. Alguns são muito agressivos e podem provocar consequências sérias se demorar para tratar. Quer entender melhor? leia até o final!

Quais os tipos de tumor de pele?

A pele pode ser acometida por vários tipos de tumores, como:

Câncer de pele basocelular

Nas camadas mais externas, existe o tumor basocelular. Ele pode se parecer com um pequeno caroço, uma ferida ou uma verruga que crescem lentamente ou sangram de vez em quando. Em alguns casos, ele pode ter um leve brilho parecido com o de uma pérola, mas não é sempre.

Na grande maioria das vezes, ele não espalha para outros órgãos e leva a casos que colocam a vida em risco. Mas devem ser retirados antes que cresçam muito e seja necessário retirar também partes de ossos e outras estruturas perto do tumor.

Câncer de pele espinocelular

Seu comportamento é muito parecido com o câncer basocelular, mas seu comportamento é um pouco mais agressivo. Ele pode invadir outras regiões com mais facilidade e cresce mais rapidamente.

tipos

Foto: Arte/TV Globo (https://g1.globo.com/bemestar/noticia/2019/12/07/entenda-os-tipos-de-cancer-de-pele.ghtml)

 

Câncer de pele melanoma

É o tipo mais grave, podendo se espalhar para órgãos nobres, como o cérebro e o pulmão. Na maioria das vezes, surgem como uma mancha geralmente preta (ou marrom escuro) e irregular com crescimento acelerado. Podem aparecer inclusive abaixo da unha. Devem ser identificados e tratados o quanto antes. 

images

Crédito: Reprodução/MinS

Como prevenir o câncer de pele?

Como em muitas doenças, as nossas atitudes podem reduzir bastante as chances de desenvolver o câncer de pele. Para isso, precisamos cultivar bons hábitos e cortar aqueles que fazem mal!

Bons hábitos

  • Usar protetor solar durante o dia! Faça isso sempre, mesmo que você vá ficar dentro de lugares fechados!
  • Usar óculos que protejam contra raios ultravioleta! As lentes precisam ser adquiridas em locais confiáveis!
  • Beba muita água! Cerca de 70% da pele é composta de água e a hidratação é importante para manter a proteção!
  • Comer bem: as vitaminas A e C são antioxidantes naturais para a pele. Ou seja, alimentos ricos nelas ajudam a prevenir e reparar agressões nas células!
  • Vestir  camisetas, bonés e lenços nas regiões do corpo que ficam mais expostas ao sol!
  • Acompanhar sua saúde com um médico! Isso pode ser feito gratuitamente nas unidades de saúde de Minas Gerais!

Maus hábitos 

  • Pegar sol entre 10h00 da manhã e 04h00 da tarde! Nesses horários, os raios de sol são mais perigosos ainda que você esteja usando protetor solar, ok?
  • Fumar e beber em grande quantidade e/ou com frequência!
  • Comer alimentos industrializados com frequência. 
  • Demorar ou deixar de ir ao médico quando nota algo diferente no corpo!

Com essas medidas simples, o câncer de pele pode ser prevenido. Especialmente, os raios de sol ultravioleta são os maiores vilões e é preciso proteger nosso corpo com protetores solares. Além disso, quando os tumores são identificados precocemente, as chances de cura aumentam bastante. Assim, pode-se evitar consequências mais graves.

 

Quer saber mais sobre a prevenção  dessa e de outras doenças importantes? Então, siga nossa página no Facebook!

Dezembro laranja: o que é e como prevenir o câncer de pele?

O mês de dezembro sempre é acompanhado de muita reflexão sobre tudo o que se passou no último ano e de várias promessas para o futuro. É muito natural o desejo de oferecer uma melhor versão de nós para o próximo ciclo. Por isso, convidamos você para uma retrospectiva: o que você fez para cuidar da sua pele? Para alertar as pessoas sobre os riscos de deixar de cuidar desse órgão tão importante, existe o Dezembro Laranja.

No último ano, a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais fez parte de várias campanhas. Cada mês recebe uma cor e um alerta para doenças muito frequentes, mas que poderiam ser prevenidas ou tratadas precocemente se as pessoas adotassem alguns cuidados pessoas e coletivos. Esse é o caso do Outubro Rosa para o Câncer de Mama e do Setembro Amarelo para o Suicídio.

Por último e não menos importante, está o câncer de pele, o tumor mais frequente nos adultos e nos idosos. Quer saber mais? Acompanhe o nosso post!

O que é o câncer de pele?

Nossa pele está sujeita a várias agressões externas pelos raios de sol e pela poluição ambiental. Alguns maus hábitos, como o tabagismo, também causam danos internos a ela. Com isso, o material genético (a receita de bolo das nossas células) fica comprometido. 

Assim, as células começam a se multiplicar muito mais rápido e de forma desordenada. Consequentemente, perdem suas funções no corpo e invadem outros órgãos e estruturas. É isso que chamamos de câncer ou de tumor maligno.


yellow-ribbon-on-white-wooden-frame-near-the-row-of-colorful-awareness-ribbon (2)

<a href=’https://br.freepik.com/fotos/fundo’>Fundo foto criado por freepik – br.freepik.com</a>

O câncer de pele ocorre quando eles crescem a partir de alguma das células das camadas desse órgão. O mais preocupante deles é o melanoma, que aparece como uma manchinha preta irregular.

Como prevenir o câncer de pele?

Algumas medidas simples são:

  1. use sempre protetor solar durante o dia, mesmo que você vá ficar dentro de lugares fechados;
  2. evite o sol entre 10h00 da manhã e 04h00 da tarde. Nesses horários, os raios de sol são mais perigosos ainda que você esteja usando protetor solar;
  3. use óculos que protejam contra raios ultravioletas;
  4. use camisetas, bonés e lenços nas regiões do corpo que ficam mais expostas ao sol;
  5. beba muita água;
  6. evite fumar e beber.

Quando suspeitar do câncer de pele?

Algumas coisas podem ajudá-lo a identificar que uma lesão pode ser um câncer, como:

  • crescimento progressivo, que pode ser lento ou rápido;
  • ela não melhora ou regride, mesmo depois de você ter feito tratamentos por conta própria ou por indicações médicas;
  • é irregular ou parece invadir outras regiões do corpo;
  • você nota que ela é diferente de outras regiões e lesões da sua pele;
  • você está emagrecendo mesmo sem fazer dieta ou comer menos.

Nesses casos, procure um médico o quanto antes. Não precisa ser um dermatologista, não! Os profissionais dos centros de saúde estão preparados para identificar o câncer de pele e encaminhar os pacientes para os especialistas quando necessário. Por achar que não é nada demais, a pessoa pode acabar demorando para procurar um médico. Uma manchinha boba que não sara pode ser um problema muito sério de saúde. A prevenção e o tratamento precoce podem salvar a sua vida.

Quer receber outras dicas de saúde diretamente no seu Instagram? Siga a página da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais!

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Sem título

5 de Dezembro: Dia do Médico de Família e Comunidade

A Medicina de Família e Comunidade (MFC) é a especialidade médica focada em trabalhar na Atenção Básica (ou Primária), que é o nível de atenção à saúde mais acessível à população, e caracterizado por uma “densidade tecnológica” relativamente baixa (ou seja, a Atenção Básica não necessita dos aparelhos mais modernos disponíveis, pois foca em outras questões).

Estima-se que até 90% das demandas em saúde podem ser resolvidas por médicas ou médicos de família e comunidade dentro da Atenção Primária à Saúde  sem necessitar de encaminhamento a outros serviços! Para entender mais sobre esses profissionais, continue lendo o texto!

Você sabia? 

Grande parte dos atendimentos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) podem ser muito bem resolvidos em Unidades Básicas de Saúde (UBS).

COMO É A ATUAÇÃO DO MFC?

A MFC atende pessoas em todas as etapas do ciclo de vida, desde recém nascidos, acompanhando crianças, adultos, gestantes e os idosos! Além disso, também atende demandas gerais de saúde, recebendo demandas diversas e de qualquer parte do corpo!

Por causa disso, essa especialidade é muito capacitada para cuidar de condições de saúde mais comuns e que têm mais impacto para a população. Também presta assistência aos estágios iniciais de qualquer condição de saúde e é mantido o acompanhamento mesmo após um possível encaminhamento a outra especialidade, se necessário.

Outra parte central da Medicina de Família e Comunidade é o grande destaque às medidas de prevenção de doenças e na promoção da melhoria na qualidade de vida. Nesse sentido, o estímulo aos hábitos de vida saudáveis e os exames de rastreio são ferramentas importantíssimas para essa especialidade.

Você sabia? 

Os países com os melhores índices na saúde da população são aqueles que mais se conscientizam e mais investem em prevenção. Melhores investimentos na prevenção, além de serem favoráveis à qualidade de vida, também acabam reduzindo os gastos totais futuros.

POR QUE O NOME “MÉDICO DE FAMÍLIA E COMUNIDADE”?

A MFC busca enxergar a pessoa como um todo, compreendendo o impacto que as questões sociais têm sobre a saúde ou a doença: não são especialistas em doenças ou órgãos, e sim em pessoas, suas famílias e suas comunidades.

Como consequência disso, a atuação da médica ou médico de família e comunidade não fica restrita ao consultório. As visitas domiciliares e atividades com a comunidade são parte da rotina dessa especialidade!

Muitas vezes, o conhecimento do contexto familiar e social e o entendimento da pessoa para além da doença permite decisões clínicas personalizadas, que por isso são mais efetivas.

EXISTE DIFERENÇA ENTRE “MFC” E MÉDICO GENERALISTA?

No Brasil, chamamos de médico generalista quem fez os 6 anos da faculdade de Medicina, mas que não fez nenhuma residência ou especialização após isso. Já para exercer a Medicina de Família e Comunidade, o médico ou médica precisa, após a faculdade, fazer uma residência (continuação dos estudos médicos) por mais 2 anos ou uma prova de especialização.

Durante essa formação mais profunda, o médico ou médica de família e comunidade se especializa em usar as ferramentas disponíveis na Atenção Primária à Saúdee adquire conhecimentos e habilidades que tornam sua atuação mais eficaz.

QUAL A IMPORTÂNCIA DO MFC PARA O SISTEMA DE SAÚDE?

Por estar próxima à população e conseguir resolver a maior parte das necessidades em saúde usando relativamente menos recursos, essa especialidade evita “filas” para outros serviços de saúde e reduz gastos desnecessários.

Devido a essa importância, foi lançada em 2002 a Estratégia de Saúde da Família, que organiza o SUS a partir da Atenção Primária à Saúde  e define a equipe de saúde da família, composta, entre outros profissionais, por médicas(os) de família e comunidade.

Autores: João Rafael Assis Alderete, Vitor Yukio Ninomiya

Referências:

  1. Campos, CEA. Os princípios da Medicina de Família e Comunidade. Revista APS, v.8, n.2, p. 181-190, jul./dez. 2005
  2. SBMFC. Quem é o médico de família e comunidade? Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HZuU8xbNGNA

Coronavírus: saiba como se prevenir ao sair de casa e voltar

thumb_blog

A chegada em casa agora envolve algumas etapas de cuidados necessários para a prevenção da covid-19. Se ligue nessas orientações e previna-se:

1) Tome banho ou, pelo menos, lave bem as áreas do corpo mais expostas, como mãos, punhos e rosto, especialmente, que podem entrar em contato com boca, nariz e olhos.

2) Evite tocar nos móveis de casa e objetos antes de higienizar as mãos;

3) Se possível, tire os sapatos ao entrar; é uma medida que ajuda a evitar que você leve sujeira à sua casa;

4) É aconselhável lavar a roupa após o uso, com sabão, como de costume;

5) Evite deixar sobre a mesa ou sofá objetos como bolsa, carteira, chaves e outros vindos da rua;

6) Limpe seu celular e os óculos com sabão e água ou álcool 70%. Empresas de telefonia recomendam aplicar álcool isopropílico 70% e desligar antes o smartphone para evitar danos.

 

Entrevista pingue-pongue com Mayara Marques de Almeida, coordenadora de Infecções Sexualmente Transmissíveis / Aids e Hepatites Virais do estado de Minas Gerais

Instituído em 1988 pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Mundial da Luta Contra a AIDS promove a necessidade de entendimento sobre a doença. Trinta e dois anos depois do marco inicial, muita coisa mudou neste cenário e não é exagero dizer que o Brasil é pioneiro nos bons resultados no que diz respeito à prevenção e tratamento da doença graças à distribuição universal e gratuita de medicamentos antirretrovirais por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Para celebrar a data, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) lançou a campanha Fazer o teste é a melhor escolha, para sensibilizar as pessoas sobre a necessidade de submeter-se à testagem caso exposto ao risco de contrair o HIV, uma vez que existe tratamento para o agravo. A coordenadora de Infecções Sexualmente Transmissíveis / Aids e Hepatites Virais do estado de Minas Gerais, Mayara Marques de Almeida bateu um papo com os jornalistas sobre avanços na prevenção, o papel do SUS, testagem e vida saudável com HIV. “Não podemos esquecer que observamos, nos últimos anos, grande queda no número de mortalidade por AIDS e a uma melhoria da qualidade de vida das pessoas que convivem com a doença. Acredito que foi uma consequência da ampliação do diagnóstico, da terapia antirretroviral e da eficiência das políticas de prevenção e tratamento em relação ao vírus”, avalia Mayara.  Confira.

Por que existe o Dia Mundial de Luta contra a AIDS?

O Dia Mundial da Luta Contra a Aids foi instituído como forma de despertar a necessidade da prevenção, promover o entendimento sobre o agravo e incentivar ações referente à Aids.

Qual o papel do SUS na luta contra a Aids?

O Brasil teve um grande destaque na luta contra a AIDS no cenário internacional por causa da distribuição universal e gratuita de medicamentos antirretrovirais por meio do Sistema Único de Saúde. Todas as pessoas que vivem com HIV/ AIDS recebem a medicação antirretroviral gratuitamente. Além disso, todas as ações de prevenção, tratamento e diagnóstico estão disponíveis na rede pública.

Quais as conquistas mais importantes a sociedade teve em relação ao tratamento de quem vive com HIV? 

A distribuição de antirretrovirais de forma universal pelo SUS, a ampliação do diagnóstico e da oferta de tratamento eficaz para o HIV. Também merecem destaques a disponibilidade de estratégias e tecnologias avançadas para prevenir a infecção pelo vírus por meio de PEP, PrEP, teste rápido, preservativo e gel lubrificante.

O que são a PEP e PrEP?

PEP significa Profilaxia Pós Exposição e é uma medida de urgência à infecção pelo HIV, hepatites virais e outras infecções sexualmente transmissíveis. Consiste no uso de medicamentos para reduzir o risco de adquirir essas infecções e deve ser utilizada após qualquer situação de risco de contágio como violência sexual, relação sexual sem o uso de camisinha ou com rompimento da mesma.  Já a Profilaxia Pré Exposição (PrEP) consiste no uso diário de um comprimido que impede que o vírus causador da Aids infecte o organismo antes de contato com o mesmo.

Quais são os maiores desafios para a luta contra a AIDS?

Apesar de todas as conquistas e evolução no tratamento e prevenção ao HIV/AIDS, ainda há um estigma sobre a doença. Mesmo com toda a disponibilidade de informação, falta a conscientização da população sobre a importância da prevenção, diagnóstico e tratamento.

Qual a diferença entre ter AIDS e HIV?

HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana, causador da AIDS. Já a AIDS é a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, doença causada pelo HIV, que ataca células específicas do sistema imunológico, responsáveis por defender o organismo de doenças. É importante ressaltar que, ter HIV não significa que a pessoa desenvolverá AIDS; porém, uma vez infectada, a pessoa viverá com o HIV durante toda vida.

Quem deve fazer o teste de HIV?

O teste de HIV deve ser feito por todo indivíduo que tiver passado por situação de risco, como ter feito sexo sem camisinha. O diagnóstico precoce e tratamento oportuno são importantes para a qualidade de vida das pessoas vivendo com HIV.

O SUS oferece teste? Quais? Como ter acesso?

O SUS oferece o teste rápido, que é prático e de fácil execução, e também a sorologia convencional (exame de sangue). Os testes rápidos podem ser realizados com a coleta de uma gota de sangue ou com fluído oral, e fornecem o resultado em, no máximo, 30 minutos. É possível realizar os exames nas unidades de saúde da rede pública ou nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA).

Os testes devem ser realizados com regularidade e sempre que o indivíduo tiver passado por uma situação de risco, como ter feito sexo sem camisinha. É muito importante que o diagnóstico seja feito em tempo oportuno.  No caso das gestantes e parcerias sexuais é importante que o teste seja realizado durante o pré-natal.

Qual tipo de tratamento o SUS fornece para a pessoa HIV positiva?

Atendimento clínico, laboratorial, psicossocial (psicólogo e assistente social) além do fornecimento de medicamentos antirretrovirais.

A AIDS, em Minas Gerais, é uma preocupação?

Apesar da diminuição do número de casos de AIDS observados nos últimos anos, resultado do diagnóstico precoce e do tratamento antirretroviral instituído de forma universal a todas as pessoas vivendo com HIV, ainda temos um número considerável de casos de AIDS.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais busca ampliar o diagnóstico, conscientizar a população sobre as formas de prevenção ao agravo. O objetivo da SES-MG é evitar novos casos e, consequentemente, diminuir a mortalidade pelo agravo.

Quais são as principais formas de prevenir a doença?

Atualmente, temos a prevenção combinada como estratégia que faz uso simultâneo de diferentes abordagens de prevenção para responder às necessidades de cada indivíduo. As formas de prevenção disponíveis estão representadas na Mandala de Prevenção Combinada.

01-12-grafico-blog

Quais são as formas de contágio?

  • Sexo vaginal sem camisinha;
  • Sexo anal sem camisinha;
  • Sexo oral sem camisinha;
  • Uso de seringa por mais de uma pessoa;
  • Transfusão de sangue contaminado;
  • Da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação;
  • Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados

Quantas pessoas vivem, hoje, com a doença em Minas? E qual a faixa etária mais atingida pelo agravo?

Atualmente temos 76.799 pessoas notificadas como HIV/Aids no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). A faixa etária mais acometida é a de 20 a 34 anos, uma vez que os jovens são a população sexualmente ativa.

É possível ter HIV positivo e ter uma vida saudável?

Sim. O tratamento com medicamentos antirretrovirais reduz significativamente a mortalidade e o número de internações e infecções por doenças oportunistas, que aproveitam a fraqueza do sistema imunológico para atacar o organismo.

A expectativa de vida hoje de uma pessoa que tem um diagnóstico precoce e inicia o tratamento imediatamente, mantendo a carga viral indetectável, é semelhante à de uma pessoa com a mesma faixa etária e que não tenha HIV.

Autor: Juliana Gutierrez