4 de Fevereiro: Dia Mundial do Câncer

By | 4 de fevereiro de 2021

Autor: Vitor Yukio Ninomiya

Criado em 2000, o Dia Mundial do Câncer foi criado pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC), com apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS), com o objetivo de conscientização e a educação mundial sobre um grupo de mais de 100 tipos de doenças. Com isso, buscando pela mobilização populacional e governamental acerca de um problema sério de saúde responsável por milhões de mortes anualmente.

Portanto, a necessidade em abordar o tema é uma medida fundamental para desmistificar o estigma social sobre o câncer. A desinformação ainda continua sendo um dos principais inimigos do enfrentamento ao câncer. O rastreio e a prevenção, quando bem conduzida, reduz significativamente sua incidência na população. Sendo assim, leia o texto abaixo e fique atualizado sobre o que você pode fazer para se prevenir contra o câncer.

imagem-topo


ENTENDENDO O CÂNCER

Câncer é o nome dado a um grupo com mais de 100 diferentes tipos de doenças que apresentam em comum a desorganização no crescimento e na multiplicação das células do organismo. Suas variantes, portanto, variam de acordo com o local em que ocorrem e do comportamento de cada uma dessas desordens. A complexidade nos seus diversos fatores aos quais estão relacionados (predisposição genética, exposição ambiental, controle e tratamento) é que faz com que o câncer seja um dos principais desafios da ciência até a atualidade.

Mesmo frente à impossibilidade em controlar e prevenir as chamadas desordens celulares responsáveis pelo desenvolvimento do câncer, ainda assim é possível intervir nos chamados fatores ambientais da oncogênese (formação do câncer). De maneira geral, processos que interfiram no “estresse” celular ou que alterem o ambiente em que o crescimento celular ocorre são fatores que contribuem para o câncer.

A oncogênese é o resultado de fatores genéticos e ambientais, mas variam significativamente de pessoa a pessoa.

Contudo, o diagnóstico precoce e o rastreamento são essenciais a todos.

DIAGNÓSTICO PRECOCE E RASTREAMENTO

tabela-sinais

Apesar da possibilidade na detecção precoce do câncer, apenas alguns deles são alvos de rastreamento.

São eles: câncer de mama, colo do útero, cólon e reto.

tabela-rastreamento

Os intervalos acima correspondem ao tempo mínimo entre cada exame de rastreio, mas podem ser menores dependendo da necessidade do acompanhamento: conduta individualizada.

Os exames para rastreamento não fornecem o diagnóstico, mas indicam a realização de exames mais precisos como a biópsia (retirada de uma amostra da lesão para avaliação laboratorial).


PREVENÇÃO

Ainda que cada câncer possa apresentar características específicas quanto à prevenção ou fatores de risco associados ao desenvolvimento da doença, algumas medidas preventivas podem ser comuns a mais de um tipo delas e, por isso, vale a pena adotar tais medidas. Abaixo, algumas das prevenções mais importantes não somente para a prevenção do câncer, mas de muitas outras comorbidades (Instituto Nacional do Câncer – INCA):

NÃO FUMAR

As mais de 4.700 substâncias tóxicas e cancerígenas que são inaladas por fumantes e não fumantes são responsáveis pelo câncer de pulmão, boca, laringe, faringe e esôfago.

TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Uma ingestão rica em alimentos de origem vegetal (frutas, legumes, verduras, cereais integrais, leguminosas) e pobre em alimentos ultraprocessados (presunto, salsicha, bacon, salame, mortadela, entre outros) e conservantes (nitritos e nitratos), além de conferirem proteção às doenças cardiovasculares, também ajudam na prevenção de câncer de cólon, reto e de estômago.

PRATICAR EXERCÍCIOS FÍSICOS

A prática de exercícios físicos promove o equilíbrio dos níveis de hormônios, reduz o tempo de trânsito gastrointestinal, fortalece as defesas do corpo e ajuda a manter o peso corporal adequado. Com isso, contribui para prevenir o câncer de cólon, reto, endométrio e mama.

VACINAR CONTRA O HPV

A vacinação contra o HPV, disponível no SUS, e o exame preventivo (Papanicolau) se complementam como ações de prevenção do câncer do colo uterino.

VACINAR CONTRA A HEPATITE B

O câncer de fígado está relacionado à infecção pelo vírus causador da hepatite B e a vacina é um importante meio de prevenção deste câncer.

EVITAR BEBIDAS ALCOÓLICAS

O consumo de álcool, em qualquer quantidade, contribui para o risco de desenvolver câncer.

Além disso, combinar bebidas alcoólicas com o tabaco aumenta a possibilidade do surgimento da doença.

EVITAR EXPOSIÇÃO SOLAR EXCESSIVA E SEM PROTEÇÃO ADEQUADA

A exposição solar excessiva e sem proteção adequada, principalmente entre 10 horas e 16 horas, aumentam a probabilidade de desenvolver câncer de pele (melanoma e não melanoma).


SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

A Unidade Básica de Saúde (UBS) é a principal porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS). Estima-se que cerca de 80%  das demandas de saúde da população sejam resolvidos no atendimento primário, sem que haja necessidade de encaminhamento a outros serviços, como especialistas, emergências e hospitais. Na atenção primária são oferecidos ao público os seguintes serviços de saúde: fazer curativos, fazer inalações, tomar vacinas, coletar exames laboratoriais, tratamento odontológico, receber medicação básica e encaminhamentos aos atendimentos especializados.

Quando o assunto é a prevenção do câncer, a atenção primária mostra-se como protagonista deste processo. O rastreamento, diagnóstico ou detecção precoce de doenças é tema fundamental na atuação da Atenção Primária à Saúde (APS), pois aborda o cuidado integral à saúde da população brasileira. A APS, em seus vários níveis de atuação na prevenção do câncer, ocorre basicamente da seguinte forma:

  • Prevenção primária: remoção das causas e fatores de risco na saúde individual ou proporcional antes do desenvolvimento de uma condição clínica. Fazem parte dela: promoção da saúde e proteção específica (ex.: imunização, orientação de atividade física);
  • Prevenção secundária: suspeita ou diagnóstico de um problema de saúde em sua fase inicial, facilitando assim o tratamento ou redução de danos decorrentes da evolução da doença. Exemplos: rastreamento, diagnóstico precoce;
  • Prevenção terciária: ações voltadas à redução dos prejuízos funcionais consequentes de um problema agudo ou crônico, incluindo reabilitação. Exemplo: prevenir complicações do diabetes, reabilitar paciente pós-infarto.

Sendo assim, a adoção de um estilo de vida saudável e seguir as recomendações acima (tópico “prevenção”) são fundamentais na prevenção não somente do câncer, mas também de diversas comorbidades. E, caso seja necessária uma investigação de um possível acometimento oncológico, não deixe de procurar ajuda em um serviço de Atenção Primária, seja para uma investigação inicial ou apenas para a aquisição de informações úteis para prevenções.

Referências:

  • Ministério da Saúde. Rastreamento. Cadernos de Atenção Primária n.29.
  • Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva (INCA).

Deixe uma resposta