DIA MUNDIAL DE COMBATE À LER/DORT

By | 28 de fevereiro de 2021

O Dia Mundial de Combate às Lesões por Esforços Repetitivos ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho – LER/DORT, instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e celebrado anualmente no dia 28 de fevereiro, tem como objetivo alertar a população e chamar a atenção das autoridades sobre a adoção de cuidados e medidas preventivas contra lesões associadas à repetição de movimentos.

O que é LER/DORT?

As lesões por esforços repetitivos contemplam diversas doenças causadas pela realização de atividades contínuas e repetitivas, responsáveis pela alteração de tendões, articulações, músculos e nervos, dentre as quais as mais conhecidas são a tendinite, a tenossinovite e a bursite.

ler_feed_01

Quando causadas por movimentos repetitivos durante a execução de um trabalho são chamadas de DORT, que se refere aos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho, e são consideradas por normas técnicas como síndromes clínicas, caracterizadas por dor crônica no pescoço, ombro e/ou braços, podendo também acometer os quadris e as pernas, devido ao esforço laboral.

Comportamentos geradores

Na maioria das vezes, as doenças são provocadas por atividades relacionadas à organização do trabalho, como a repetição de movimentos, postura inadequada, fatores psicológicos e sobrecarga física.

Principais sintomas

Os sinais e sintomas de LER/DORT são múltiplos e diversificados, podendo-se destacar:

• A dor como primeiro sinal;
• Alterações como formigamento e dormência, sensação de diminuição, perda ou aumento de sensibilidade, fraqueza para segurar objetos, desconforto, fadiga, inchaço, enrijecimento muscular, choques, agulhadas ou peso nos membros, aumento ou redução da temperatura;
• Dificuldade de movimento para uso dos braços, especialmente das mãos, podendo ocorrer sinais como inchaço, vermelhidão, e dor, além áreas com redução de volume.

Estes sinais e sintomas são de evolução lenta e insidiosa, o que leva muitos trabalhadores a procurar auxílio de um profissional especializado muito tardiamente. Daí a necessidade do trabalhador, ao primeiro sintoma, procurar a assistência médica.

O início dos sintomas é insidioso, com predominância nos finais da jornada de trabalho ou durante os picos de produção, ocorrendo alívio com o repouso à noite e nos fins de semana. Aos poucos, os sintomas tornam-se presentes por mais tempo durante a jornada de trabalho e, às vezes, passam a estar presentes durantes as noites e finais de semana.

Em geral, o alerta só ocorre para o paciente quando os sintomas passam a existir durante a realização de esforços mínimos, comprometendo a capacidade, seja no trabalho ou em casa.

Medidas de prevenção

As medidas de prevenção das LER/DORT englobam correções do ambiente de trabalho, adoção de medidas preventivas e de novas formas e ferramentas de trabalho por parte da empresa bem como as ações individuais por parte dos trabalhadores. Para isso, destaca-se algumas dicas importantes para evitar essas condições:

• Manter sempre uma postura apropriada durante o horário de trabalho, com as costas eretas, seja em pé ou bem apoiadas no encosto da cadeira quando assentado.
• Fazer pausas e alongamentos a cada 60 minutos.
• Respeitar os limites do corpo.
• Utilizar apoios ergonômicos para os punhos e pés durante a utilização do computador.
• Manter o monitor na altura dos olhos para evitar a sobrecarga no pescoço.
• Utilizar cintas e outros acessórios de proteção fornecidos pela empresa ao executar tarefas que exigem força física.
• Praticar exercícios físicos regularmente.
• Manter um estilo de vida saudável, com uma boa qualidade de sono, boa alimentação, condicionamento físico e manutenção da saúde em geral.

Tratamento

Quanto mais precoce o diagnóstico e o início do tratamento adequado, maiores as possibilidades de êxito. No entanto, geralmente o diagnóstico é difícil e o primeiro passo para um tratamento adequado é entender e determinar a causa dos sintomas, que podem variar de uma pessoa para outra. Muitas vezes é preciso recorrer a uma avaliação multidisciplinar para identificar corretamente a situação.

Grande parte das pessoas, no entanto, procuram ajuda profissional apenas quando estão em uma crise, optando pelo uso de anti-inflamatórios e repouso. A demora em tratar do problema pode trazer um problema ainda maior, exigindo, em alguns casos, fisioterapia e cirurgia.

Neste sentido, a prevenção é a melhor forma de tratar e combater a LER/DORT. Para isso, além do tratamento multiprofissional, empresas de todos os segmentos devem procurar aplicar ações de controle dos fatores desencadeantes e agravantes, a fim de preservar e equilibrar os colaboradores e as condições de trabalho, garantindo um ambiente mais seguro. Se não ocorrer mudanças nas condições de trabalho, há grandes chances de piora progressiva da doença.

Para a realização de um tratamento efetivo é necessário, entre outros, a investigação de fatores causais a partir do paciente. Para isso é importante identificar o histórico da queixa atual, avaliar o paciente de forma integral, bem como seus hábitos e comportamentos relevantes e, de fundamental importância, perguntar detalhes de como e onde o paciente trabalha, como é sua rotina e ambiente de trabalho, tanto do atual, quanto dos anteriores.

O que o SUS oferece?

Ao perceber os sinais e sintomas de LER/DORT é necessário procurar a Unidade Básica de Saúde. Em alguns casos o trabalhador pode ser encaminhado para um Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST), caso o município possua esse serviço, ou outro serviço de atenção especializada.

A Coordenadora do CEREST Araxá e fisioterapeuta com especialização em saúde do trabalhador, Flávia Aparecida Freire de Almeida, explica as ações realizadas pelo CEREST Araxá em relação à LER / DORT:

“Em relação ao protocolo de LER / DORT, o CEREST Regional Araxá, realiza atendimento a trabalhadores com doenças ou queixas de síndromes no sistema músculo esquelético causadas pelo processo produtivo. O trabalhador referenciado ou por demanda espontânea, passa pelo atendimento do CEREST, com acolhimento assistencial da sua história clínica e ocupacional, atendimento médico, quando necessário solicitação de exames complementares e fechamento de nexo causal. Esse trabalhador quando necessita de atendimento fisioterápico é referenciado pelo setor de regulação do município para realização de Fisioterapia na Rede de Atenção à Saúde. Os trabalhadores com quadro crônico são acompanhados no CEREST pelo grupo de alongamento e orientação postural, onde ao iniciar, recebem orientações sobre como melhorar suas atividades laborais realizando posturas adequadas ao realizar suas atividades no trabalho, orientações sobre pausas, alternância de atividades e orientações ergonômicas conforme sua atividade laboral. Quando é de consentimento do trabalhador vamos até o local de trabalho para dar sugestões de adequações ergonômicas. Os grupos de alongamento são realizados na sede do CEREST, grupos de até 10 trabalhadores com realização de exercícios ativos e alongamento postural.”

Bibliografia

1 INSTRUÇÃO NORMATIVA DC/INSS Nº 98 DE 05/12/2003. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=75579.

2 BRASIL. Diagnóstico, tratamento, reabilitação, prevenção e fisiopatologia das LER/DORT (Série A. Normas e Manuais Técnicos, nº 105). Brasília: Ministério da Saúde, 2001. 64p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diag_tratamento_ler_dort.pdf.

Deixe uma resposta