Meningite: prevenção e ação rápida

By | 24 de abril de 2021

Autor: Vitor Yukio Ninomiya

22-04_foto

No dia 24 de abril de 2021, o Dia Mundial do Combate à Meningite chama a sua atenção para o reconhecimento da importância da prevenção da doença e do manejo rápido e eficiente na suspeita da doença. Com uma taxa de mortalidade que pode chegar a cerca de 90%, quando não tratadas corretamente, a campanha mundial (Confederation of Meningitis Organisations (CoMO)) reforça a necessidade de uma abordagem ágil nas primeiras 24 horas. Anualmente, mais de 5 milhões de pessoas são afetadas pela meningite, sendo que cerca de 10% delas acabam morrendo e 20% ficam com sequelas. Por isso, mantenha-se informado e saiba o que você pode fazer para evitar ou conduzir a doença  da melhor maneira possível.


ENTENDENDO A MENINGITE

Como você já deve imaginar, o cérebro é um órgão complexo e muito importante no funcionamento de todo o nosso organismo. Responsável por receber, processar e enviar as informações que permitam a nossa interação com o ambiente e pessoas que vivemos, ele é o principal órgão do chamado sistema nervoso central. E, para proteger esse órgão tão importante e ao mesmo tempo tão frágil do nosso corpo, além de estar imerso em um líquido (líquido cefalorraquidiano) e abrigado no crânio, é também protegido por três membranas (uma espécie de película protetora) chamadas de meninges, que recobrem todo o cérebro e medula espinhal.

Ao envolver o sistema nervoso central, pode-se dizer que as meninges são fundamentais no fornecimento de nutrientes e proteção mecânica essenciais ao seu funcionamento adequado. Contudo, quando uma infecção, invasão ou reação estranha ocorre nessas membranas, ocorre um acúmulo de células de defesa na região, levando a à inflamação das meninges, ou meningite.

A meningite pode afetar qualquer pessoa, a qualquer momento, e pode matar em horas.

A meningite tem como as principais causas as infecções por vírus, bactéria, fungos e parasitas, mas também pode estar relacionado ao câncer, doenças autoimunes (ex.: lúpus), medicamentos, traumatismos e relacionado à complicações de uma neurocirurgia.


COMO A MENINGITE É TRANSMITIDA?

Assim como muitas outras doenças infecciosas, como no caso da covid-19, a meningite pode também pode ser transmitida de pessoa a pessoa por meio do contato com as gotículas respiratórias eliminadas no espirro, tosse, fala, ingestão de alimentos contaminados e também pelo contato com superfícies e objetos contaminados pelo microorganismo.

Apesar de a meningite atingir principalmente as crianças menores de 5 anos, pessoas de qualquer idade podem ser infectadas e desenvolver a doença.

Os sinais e sintomas podem variar de acordo com o microrganismo causador da doença. Quando virais (principalmente em crianças), o quadro se assemelha às síndromes gripais, ou seja, acompanhado de febre, dor de cabeça, perda de apetite, rigidez nucal e irritabilidade. Já nos casos em que há o agente bacteriano, pode ocorrer febre alta, vômitos, manchas avermelhadas na pele, dor de cabeça intensa, rigidez nucal com limitação de movimento (por exemplo, não conseguir encostar o queixo no peito), irritabilidade, tontura, fotofobia, sinais de hemorragia e convulsão.

De maneira geral, uma meningite bacteriana costuma ser mais grave que o quadro viral, mas ambos podem apresentar sinais e sintomas muito semelhantes. Além disso, vale destacar que a meningite pode evoluir para um quadro grave em pouco tempo e o diagnóstico e tratamento devem ser feitos o quanto antes, pois trata-se de uma doença que pode levar à morte do paciente se não tratada a tempo. Por isso, sob qualquer suspeita do quadro, procure ajuda médica o mais rápido possível.

A meningite pode ser fatal e, em boa parte dos casos em que o tratamento não é feito a tempo, pode resultar em dano cerebral, perda auditiva ou alguma outra condição incapacitante.


PREVENÇÃO

Meningite_vacinas

  • Evitar locais com aglomeração de pessoas;
  • Deixar os ambientes ventilados e, se possível, com exposição solar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal;
  • Reforçar hábitos de higiene, como a lavar as mãos e a desinfecção de superfícies e objetos;
  • Manter a vacinação em dia.

Clique aqui para baixar o Calendário Nacional de Vacinação e mantenha a prevenção em dia!


SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

A Unidade Básica de Saúde (UBS) é a principal porta de entrada ao Sistema Único de Saúde (SUS). Estima-se que cerca de 80% das demandas de saúde da população sejam resolvidos no atendimento primário, sem que haja necessidade de encaminhamento a outros serviços, como especialistas, emergências e hospitais. Na atenção primária são oferecidos ao público os seguintes serviços de saúde: fazer curativos, fazer inalações, tomar vacinas, coletar exames laboratoriais, tratamento odontológico, receber medicação básica e encaminhamentos aos atendimentos especializados.

A principal medida de controle da meningite é a prevenção e a vacinação tem uma importante participação nessa ação. Manter a vacinação em dia ajuda a prevenir o desenvolvimento da doença frente aos seus principais agentes. Vale lembrar, porém, que a vacinação não garante imunidade total à doença, pois ela confere proteção somente a alguns dos principais causadores da meningite. Por isso, além da vacinação (oferecida gratuitamente pelo SUS), outras medidas de prevenção devem ser tomadas para se evitar a infecção.

Todos os tipos de meningite devem ser obrigatoriamente notificados às autoridades sanitárias, devido à sua importância clínica-epidemiológica. Dessa maneira, sob qualquer suspeita de meningite, procure ajuda médica o mais rápido possível. Todo o momento, desde a prevenção, diagnóstico, tratamento e, se necessário, internação hospitalar, é garantido pelo Sistema Único de Saúde.

Referências:

Deixe uma resposta