Setembro Amarelo: Mês de Prevenção ao Suicídio

By | 21 de setembro de 2021

por Pedro Otávio Oliveira Santos

Hands holding yellow ribbon, symbol of cancer awareness, medical

Autor*: Pedro Otávio Oliveira Santos

Desde o ano de 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria e o Conselho Federal de Medicina reservam o mês de setembro, especialmente o dia 10, para que todos possam lembrar e dar o devido valor ao tema tão importante e, infelizmente, muito presente na nossa sociedade, que é o suicídio. Mas, muito além disso, o Setembro Amarelo serve para nos alertar que juntos podemos virar este jogo.

Ao redor de todo o mundo, cerca de um milhão de vidas são perdidas para esta triste causa de morte, e o Brasil entra nesta estatística com cerca de 13 mil mortes a cada ano. Ainda é verdade que a maioria destes óbitos ocorrem na população jovem, mas é alarmante como os número tem crescido ano a ano entre a população idosa. 

Quer saber um pouco mais sobre como prevenir o suicídio e ajudar as pessoas que estão passando por momentos difíceis? Acompanhe o nosso post a seguir!

Como falar de suicídio?

Ao refletirmos brevemente sobre o nosso dia a dia, fica claro que nós, como sociedade, não damos a real importância para as mortes ocasionadas pelos suicídios. São mais de 13 mil vidas perdidas no país todos os anos, e mesmo assim existem tabus que de algum modo nos impedem de falar abertamente sobre esse tema tão prevalente. Seria isso medo de aumentar o número de mortes ao falarmos abertamente sobre o assunto? Ou apenas uma dificuldade inerente de discutir formas concretas para reduzir o número destas mortes?

Diversos estudos observacionais realizados nos indicam que dois sensos comuns que permeiam as sociedades não são verdadeiros. O primeiro é o que diz que se “uma pessoa fala que vai se matar, ela está apenas querendo chamar a atenção”. Diversos dados nos mostram que o paciente que revela pensamentos, mesmo que remotos, de suicídio, tem um risco muito superior de vir a cometer este ato.

O segundo pensamento popular que está equivocado, é o que nos faz acreditar que não podemos abertamente perguntar a uma pessoa se ela está pensando em fazer algo contra sua própria vida. Muitas pessoas imaginam que ao abordar um amigo, um familiar, um(a) namorado(a), o risco de suicídio aumentaria porque estaríamos dando uma ideia à eles. Mas, novamente, isso não é real. Pelo contrário, permitir que alguém se abra conosco, pode tirar um peso enorme das costas desta pessoa e ser o primeiro passo no caminho de buscar algum auxílio!

Você sabia? Como vimos até aqui, falar sobre suicídio pode ajudar muito aquelas pessoas que estão passando por momentos difíceis. Contudo, devemos nos atentar à forma de conversar. Ser acolhedor e evitar julgamento é fundamental. Precisamos ser um apoio e não um acusador!

Quais são os riscos para o suicídio?

Ao falarmos sobre os fatores de risco que aumentam a chance de um indivíduo cometer suicídio, devemos nos atentar que cada ser humano é um universo independente e diferente do seu próximo. Cada pessoa tem uma capacidade diferente de lidar com frustrações, perdas e acontecimentos ao longo da vida, e portanto, os fatores que aumentam o risco de suicídios podem ser muito diferentes para cada um. 

Porém, existem sim algumas características que são, inequivocamente, consideradas potencializadoras dos pensamentos suicidas e do ato consumado em si. Dentre estes fatores, temos como principais aqueles pacientes que possuem algum transtorno psiquiátrico de base, tais como depressão, transtorno bipolar e abuso de substâncias (álcool e outras drogas ilícitas, por exemplo). 

Você sabia? Ser do sexo masculino por si só é considerado um fator de risco para o suicídio, visto que a taxa de óbitos nesta população é bem maior do que na população feminina. Embora as mulheres tenham maiores números de tentativas de suicídio, os homens tendem a ser mais agressivos em suas tentativas e consumarem mais este ato.

Outros fatores que aumentam o risco de um paciente cometer suicídio são:

  • Doenças crônicas que limitam o dia a dia (câncer, por exemplo);
  • Perdas recentes;
  • Populações específicas como imigrantes e indígenas;
  • Ter parentes que já tentaram ou que cometeram suicídio;
  • Maus tratos, abuso físico ou sexual na infância;
  • Conflitos por identidade sexual.

Sendo assim, conseguimos notar que diversas situações e características podem aumentar a probabilidade de alguém cometer esta ação tão dolorosa contra sua própria vida. O suicídio nunca ocorre do nada, nunca ocorre por fraqueza da pessoa, e nunca deve ser entendido como algo para chamar a atenção das pessoas ao redor. Estas pessoas estão sofrendo, e mais do que nunca precisam da nossa ajuda!

A quem eu devo pedir ajuda?

setembro_amarelo2

Se você está passando por algum momento difícil, tem tido pensamentos recorrentes sobre como gostaria de não estar mais vivo ou que nada mais faz sentido, saiba que mesmo sentindo que está sozinho e que ninguém vai te entender, você não está! Além de várias pessoas estarem na mesma situação, diversas outras estão dispostas a te acolher, nem que seja apenas para ouvir o que você tem a dizer e conseguir de alguma forma te ajudar. 

Um primeiro passo que pode ser muito efetivo, é ligar para profissionais que sabem lidar com este momento tão delicado e te ajudar neste momento. O Centro de Valorização da Vida (CVV) é um serviço de tele atendimento gratuito que funciona 24h por dia, basta ligar no número 188.

Outra forma que as coisas podem começar a se ajustar neste momento é conversar com aquela pessoa que você considera mais próxima. Compartilhar seus medos e pensamentos, dar mais uma chance para que alguém veja seu momento difícil e te auxilie a sair aos poucos destes pensamentos que parecem não ter fim. As Unidades Básicas de Saúde (centros de saúde) e as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) estão sempre à disposição para receber todos aqueles que estão pensando em cometer algo contra si mesmos, procure o mais próximo da sua casa!

Você sabia? O Sistema Único de Saúde (SUS) conta com uma rede de atenção à saúde integrada por profissionais especializados em saúde mental para o atendimento adequado e o tratamento a longo prazo para que estes pensamentos recorrentes de morte possam parar de incomodar o paciente.

A Pandemia de Covid-19 e o Suicídio

Segundo dados da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), a pandemia de covid-19 aumentou expressivamente o número de suicídios ocorridos no ano de 2020. Principalmente no início da pandemia, com a necessidade mais presente do distanciamento social e dos planos de lockdown, diversos pacientes que já possuíam fatores de risco e predisposição para o suicídio, acabaram realizando este ato. Não só os pacientes, mas também os profissionais da saúde, tiveram uma incidência crescente destes ocorridos, justificados pelo aumento da angústia, medo e pensamentos recorrentes de solidão.

Outros fatores relacionados pela OPAS como sendo gatilhos para o aumento observado no número de mortes, têm sido relacionados com a expressiva elevação do consumo de substâncias dentro de casa, como o uso de álcool e outras drogas. Assim como o aumento alarmante da violência doméstica relata neste período de pandemia, que certamente contribuiu para desfechos desfavoráveis em pacientes predispostos. 

A pandemia não tem uma previsão exata para acabar, e neste contexto não podemos continuar perdendo vidas para esta causa tão cruel e solitária que é o suicídio. Devemos sim respeitar as regras de distanciamento e evitar aglomerações, mas podemos aproveitar as maravilhas das tecnologias atuais e manter contato com aqueles que sabemos estarem sozinhos e possivelmente passando por momentos desesperadores. Que possamos ser o diferencial na vida de alguém!

Referências:

  • MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS – DSM V
  • https://www.setembroamarelo.com/
  • https://www.setembroamarelo.com/post/suicidio-fatores-de-risco
  • https://www.setembroamarelo.org.br/o-movimento/
  • https://www.paho.org/pt/noticias/10-9-2020-pandemia-covid-19-aumenta-fatores-risco-para-suicidio
  • SUICÍDIO: INFORMANDO PARA PREVENIR – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA