Dezembro Laranja: mês de prevenção contra o Câncer de Pele !

By | 10 de dezembro de 2021

Suntan lotion on woman's arm in sun shape Free Photo

Os cânceres de pele ocupam o primeiro lugar no pódio de tumores mais frequentes na população mundial!

Devido à prevalência tão grande, a Sociedade Brasileira de Dermatologia iniciou no ano de 2014 uma campanha de conscientização sobre esta enfermidade, e em todo mês de dezembro mais informações sobre este tema são divulgadas para a população. No ano de 2021, a campanha do dezembro laranja tem a mensagem central: “Adicione mais fator de proteção ao seu verão”, em alusão à importante medida de uso dos filtros solares.

Este tipo de câncer apresenta-se basicamente sob duas formas: o não melanoma, mais incidente, sendo os carcinomas basocelular e espinocelular os mais frequentes e o melanoma, menos incidente, porém com maior potencial de malignidade.

Quer saber um pouco mais sobre os tipos de cânceres de pele, seus maiores fatores de risco e como se proteger de forma efetiva? Acompanhe nosso post abaixo!


OS CÂNCERES DE PELE

A cada ano do triênio 2020-2022, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima cerca de 185 mil novos casos de cânceres de pele na população brasileira, e deste montante, 177 mil são dos chamados cânceres não-melanoma, ou seja, o carcinoma basocelular (CBC) e o espinocelular (CEC). Para o estado de Minas Gerais espera se 18.560 casos de câncer de pele (870 melanoma e 17.690 pele não melanoma).

E só de chegar aqui, percebemos que o número de casos relacionados ao melanoma de fato, são bem menos expressivos, porém, com uma mortalidade muito mais acentuada, devido ao seu potencial agressivo e de gerar metástases (espalhar o câncer por outros locais do corpo).

O interessante, e de certo modo bom para toda a população, é que muitos dos fatores de risco são compartilhados por estes tipos de câncer, fazendo com que nossas ações de precaução sejam efetivas contra todos eles de uma vez! De fato, existem alguns fatores de risco que não podemos mudar, por exemplo, a cor da pele mais clara, mas podemos evitar outros fatores que aumentam o risco destes tumores. Alguns destes fatores associados ao surgimento do câncer de pele são:

  • Pessoa com pele, olhos e cabelos claros;
  • Exposições solares prolongadas;
  • Exposições solares por curtos períodos, mas com alta intensidade solar;
  • História de câncer de pele na família (principalmente familiares de primeiro grau);
  • Exposição a câmeras de bronzeamento artificial

Devemos nos atentar, que não é apenas pelo fato destes cânceres serem mais frequentes em pessoas de pele mais clara, que não possam ocorrer em pessoas de pele escura. Eles podem sim! Mas de fato com uma incidência bem menor.

Você sabia? Os dados atuais derivados de estudos científicos nos mostram quais são os genes responsáveis por aumentar o risco de ter câncer de pele, principalmente melanoma, se algum familiar também tiver. Alguns desses genes são chamados de: BRAF, NRAS, CDK4, entre outros!


SINAIS E SINTOMAS

Os cânceres de pele podem aparecer em nossa pele com diversas aparências diferentes, e por isso é de extrema importância que estejamos atentos e habituados com nossos corpos para podermos notar qualquer sinal de mancha, pinta ou lesão estranha que aparece de repente. Nestes casos, o que devemos fazer é buscar o médico mais próximo de nós, não necessariamente um dermatologista, mas também um médico presente nas Unidades Básicas de Saúde.

As lesões que devemos ficar atentos e suspeitar de seu aparecimento possuem algumas características peculiares, que iremos descrever a seguir para podermos ficar de olho:

  1. “Caroço” escurecido (de qualquer tamanho);
  2. Lesão translúcida de aspecto perolado;
  3. Lesões com pequenos e finos vasinhos de sangue em cima ou ao redor;
  4. Lesões acastanhadas;
  5. Lesões que sangram facilmente ao tocarmos nela;
  6. Manchas que crescem, coçam e formam crostas que não cicatrizam;
  7. Lesões com bordas irregulares e de várias cores ao mesmo tempo;

Como vimos, quase todo tipo de lesão que aparece de repente deve suscitar desconfiança e nos forçar a buscar auxílio médico o quanto antes, pois é melhor descobrir que não era uma lesão perigosa, do que deixar uma lesão considerada maligna crescer e se desenvolver, chegando em um ponto que impossibilita a cura do paciente.

Você sabia? Os médicos usam uma regra, conhecida como regra do ABCDE para avaliar se uma lesão tem mais ou menos chances de ser maligna (um câncer). Cada letra significa um aspecto da lesão: A (Assimetria), B (Bordas), C (Cor), D (Diâmetro da lesão) e E (Evolução, ou seja, como a lesão se comporta com o passar do tempo). 


TRATAMENTO E PREVENÇÃO

De forma geral, todo câncer de pele deve ser tratado o mais precocemente possível, mesmo aqueles não-melanomas, para evitar que cresçam localmente (invadindo o local onde apareceram na pele da pessoa), além de evitar que ocorram as temidas e perigosas metástases. Existem atualmente diversas formas de tratar estes tumores, sendo algumas delas: biópsia excisional (retirar cirurgicamente toda a lesão), criocirurgia (destrói o tumor com nitrogênio líquido), cirurgia a laser e terapia fotodinâmica (o médico aplica um produto na lesão e expõe a pele a uma forte luz, ativando o produto químico e destruindo o tumor localmente).

Mas se tem uma coisa que realmente é efetiva, é evitar na medida do possível que estes cânceres apareçam. E para isso, diversas medidas podem ser tomadas, muitas delas nós já conhecemos bem, mas não custa relembrar atos tão importante:

  • Usar protetores solares de no mínimo 30 FPS (fator de proteção solar);
  • Usar chapéus, blusas de mangas compridas e óculos de sol;
  • Evitar exposições ao sol entre os horários de 10h e 16h;
  • Avaliar constantemente a nossa pele durante o banho e com auxílio de espelhos;
  • E sendo possível, consultar pelo menos uma vez ao ano com um dermatologista.

Com a pandemia da covid-19, acabamos voltando nossas atenções para outras medidas que nos mantêm protegidos, como utilizar máscaras e higienizar bem as mãos com álcool ou água e sabão. Mas não podemos esquecer de forma alguma das nossas “velhas práticas”, e com isso unir duas frentes de proteção, uma contra o coronavírus e outra contra os cânceres de pele. Vamos todos fazer a nossa parte!

 

Referências: