Author Archives: Wander Veroni

#Ciência: Revista Reciis da Fiocruz aborda saúde, mídia e sistemas de informação

Revista Reciis_capa_banner

Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde (Reciis) encerra a comemoração dos seus 10 anos de existência reafirmando seu compromisso com o acesso aberto à produção científica e seu foco na interface da saúde com a comunicação e na informação e/em/para saúde, conforme explicitam seus editores. Para conferir a versão online do volume 11, número 4, da Revista Reciis, clique aqui.

Nesta última edição de 2017, a Estratégia da Saúde da Família é abordada tanto do ponto de vista da gestão do sistema em saúde, quanto da formação dos profissionais de saúde. A Nota de conjuntura destaca a atenção básica como espaço de formação para os profissionais de saúde e como sistema de produção de saúde (efetivo e de baixo custo) para a população.

Em um dos artigos, o Curso de Especialização Multiprofissional em Saúde da Família, oferecido pela Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS), é analisado em sua estrutura e resultados. Em outro, discute-se a educação permanente a partir de uma ação em que agentes comunitários de saúde e estudantes de medicina construíram coletivamente estratégias de combate à dengue, no interior de Goiás.

Também são encontrados nesse número, a análise do discurso de risco à saúde em programa da TV aberta, da relação de pesquisadores científicos com meios de comunicação de massa e com a divulgação científica em geral e da utilização de vídeos e jogos em sala de aula do ensino fundamental.

O emprego de softwares na elaboração de cardápio escolar, por nutricionistas, bem como no preenchimento de prontuário em serviços de saúde de fisioterapia e ainda um método de georreferenciamento e análise de sistemas de cuidado aos usuários de drogas são descritos em artigos dessa revista recém-lançada. O modelo e as práticas de comunicação de um conselho estadual de saúde (Mato Grosso do Sul) são objeto de um estudo de caso.

Fonte: Agência Fiocruz.

#SUS: Você já se vacinou contra a Febre Amarela?

Em vídeo publicado nas redes sociais da @SaúdeMG e do @GovernoMG, o subsecretário de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Rodrigo Said, reforça o convite para que toda população que ainda não se vacinou, vá até às unidades de saúde mais próxima da sua casa e se imunize contra a Febre Amarela. É importante lembrar que a vacina protege você e sua família desta doença que é grave e que pode levar à morte! Se você tem bebês com mais de 9 meses e adultos com até 59 anos já podem receber a imunização. Assista o vídeo:

#Ciência: Biblioteca Virtual reúne vida e obra do cientista Oswaldo Cruz

print_site_casa_osvwaldo crus_fiocruz

Perfil biográfico. Trajetória científica. Objetos museológicos. Correspondências. Bibliografia. O maior acervo já reunido sobre a vida e a obra de Oswaldo Cruz (1872-1917) está disponível agora a apenas alguns cliques de distância. Resultado de um trabalho multiprofissional da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), a Biblioteca Virtual Oswaldo Cruz (BVOC) oferece a pesquisadores, estudantes e curiosos em geral uma plataforma digital inovadora, que marca o centenário da morte do cientista e celebra o Ano Oswaldo Cruz.

Até o momento, a biblioteca virtual multimídia abriga 239 imagens, 159 correspondências, 11 vídeos e seis músicas, além de linha do tempo e outros textos de referência e material de apoio. Todo o conteúdo é oferecido em português e inglês, com o objetivo de ampliar o acesso do público internacional à obra do cientista. Responsáveis pela coordenação e pesquisa histórica do projeto, as historiadoras da Casa de Oswaldo Cruz, Nara Azevedo e Ana Luce Girão, levaram cerca de cinco anos trabalhando na BVOC, ao lado de profissionais de Tecnologia da Informação (TI), Design, Comunicação, Biblioteconomia e Arquivo.

Estudiosas da vida e da obra do patrono da Fundação Oswaldo Cruz, Nara e Ana Luce afirmam que a indexação do conteúdo disponível na biblioteca virtual foi um dos maiores desafios do projeto. O cuidado com a classificação dos documentos foi fundamental para o desenvolvimento de um sistema de busca integrado, que também é apontado como um dos diferenciais da BVOC. O objetivo era construir uma narrativa histórica atraente e acessível tanto para pesquisadores das áreas das ciências e da saúde quanto para o público em geral.

“O arquivo de Oswaldo Cruz foi organizado em 2000. A gente já teve para esse projeto acesso a uma documentação descrita, organizada e seriada. Isso permitiu uma visão mais ampla do nosso personagem”, explicou a pesquisadora.

Além da documentação sobre a vida pessoal e trajetória científica de um dos maiores cientistas brasileiros do século 20, que estão sob a guarda da Casa de Oswaldo Cruz, o novo site também apresenta material inédito, como a correspondência de Oswaldo Cruz, seja para os seus familiares, seja para colegas cientistas contemporâneos no Brasil e no exterior. O acervo com as cartas do cientista foi reforçado nos últimos anos, a partir da doação de material de seus herdeiros.

 

#SUS: Inscrições abertas para intercambistas no Programa Mais Médicos

banner_mais medicos_inscricoes

Médicos brasileiros que se formaram em instituições estrangeiras e têm habilitação para exercício da medicina no exterior têm até a próxima quarta-feira (17/01) para se inscreverem no Programa Mais Médicos. Contudo, as inscrições não garantem alocação e participação no Projeto, pois ainda não foi definido o número de vagas – que só serão divulgadas após o termino da 1ª fase (CRM Brasil), no dia 28/02.

Também na quarta-feira (17/01) termina o prazo para a entrega de documentos dos profissionais brasileiros que se inscreveram no 15º Ciclo do Programa. Esses inscritos devem comparecer, de 09h às 18h, em Brasília-DF, com a documentação completa, conforme previsto no SGTES/MS nº 12/2017.

De acordo com o cronograma do edital, a próxima fase é a validação dos documentos dos médicos brasileiros, entre os dias 23 e 31 de janeiro.

#FebreAmarela: Não se vacinar é a principal razão da ocorrência de casos no Estado

Por Míria César

post_febre amarela_info

Diante da confirmação de 11 casos de Febre Amarela em Minas, no período de julho de 2017 até o momento, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)intensifica as ações de controle da doença nas regiões com os casos confirmados e orienta à toda população do estado sobre a importância da vacinação no Sistema Único de Saúde (SUS) e pede atenção especial do público masculino, que se vacine.

Entre as ações definidas para controlar a febre amarela nas áreas rurais e manter a incidência zero de febre amarela urbana, destacam-se as campanhas educativas sobre a necessidade de vacinação, ampliação dos horários de vacinação nas unidades de saúde, a vacinação casa a casa na zona rural dos municípios com casos confirmados ou com epizootias (morte de primatas) confirmadas para a febre amarela e o aumento no número de equipes de saúde nas regiões e também parceria entre as áreas de Atenção Primária e Vigilância em Saúde.

Segundo a Diretora de Políticas de Atenção Primária à Saúde da SES-MG, Mayla Magalhães, essa parceria tem possibilitado a identificação das pessoas não vacinadas, checagem do cartão e atualização da vacina. “Especificamente neste momento de enfrentamento da Febre Amarela, essas áreas disponibilizam o diagnóstico situacional que permite a localização da população que ainda não está vacinada. Os agentes comunitários de saúde têm papel importante na criação do vínculo e nas relações de confiança com a população, pois fazem parte da comunidade e estão diariamente na rotina do município”, disse.

Ainda de acordo com a Diretora, “os agentes comunitários de saúde realizam visitas domiciliares, fazendo o acompanhamento dos cartões de vacina e prestando orientações à população, no intuito de mobilizá-las para as ações de prevenção e controle da doença.  As informações coletadas durante as visitas domiciliares possibilitam, também, que as equipes de Atenção Primária planejem suas ações e adotem as medidas efetivas no enfrentamento à febre amarela”, explicou.

Essas e todas as outras ações desempenhadas pelo Estado desde a primeira notificação da doença, em janeiro de 2017, contribuíram para que Minas Gerais alcançasse a atual cobertura vacinal de 81%, índice superior ao registrado no mesmo período de 2016, que era de 47%. Esse aumento coopera diretamente para o controle da ocorrência da doença, mas o Subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde, Rodrigo Said, ressalta que mesmo com essa cobertura, ainda há mais de 3,6 milhões de pessoas não vacinadas no estado.

“Temos um grande trabalho pela frente para alcançarmos a cobertura ideal de 95% de pessoas vacinadas. As estatísticas apontam uma cobertura menor entre indivíduos do sexo masculino, entre 15 e 59 anos. Apesar de todos os esforços realizados ao longo de 2017, ainda temos o desafio de aumentar essa cobertura em nosso estado, pois o vazio vacinal é o principal responsável pela ocorrência de casos. É extremamente necessário intensificar a vacinação em todos os municípios, principalmente nas áreas rurais”, afirmou.

  • Para ler a matéria completa no site da SES-MG, clique aqui.

 

 

 

#FAQ: Você já ouviu falar em transtorno dos jogos eletrônicos e como isso pode afetar a saúde?

banner_jogar video game_saude

O transtorno dos jogos eletrônicos (tradução livre de gaming disorder) é definido no rascunho da 11ª Revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-11) como um padrão comportamental que prejudica a capacidade de controlar a prática de jogos eletrônicos, de modo a priorizá-los em detrimento de outras atividades – ao ponto que o jogo se torna mais importante que outros interesses e atividades diárias.

Também é caracterizado pela continuidade ou intensificação do ato de jogar, mesmo com a ocorrência de consequências negativas.

Para que o transtorno dos jogos eletrônicos seja diagnosticado, o padrão de comportamento deve ser de gravidade suficiente para resultar em um comprometimento significativo nas áreas de funcionamento pessoal, familiar, social, educacional, profissional ou outras áreas importantes de funcionamento, e deve ser observado regularmente por pelo menos 12 meses.

Perguntas e respostas

1) O que é a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde?

A CID é a base para a identificação das tendências e estatísticas de saúde em nível mundial e do padrão internacional de notificação de doenças e condições de saúde. É usada por profissionais médicos em todo o mundo para diagnosticar condições e por pesquisadores para categorizar essas condições.

2) A inclusão de um transtorno na CID é uma consideração que os países levam em conta ao planejar estratégias de saúde pública e monitorar tendências de transtornos.

A OMS está trabalhando na atualização da CID. A 11ª revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde está programada para publicação em meados de 2018.

3) Por que o transtorno dos jogos eletrônicos está sendo incluído na CID-11?

A decisão de incluir o transtorno dos jogos eletrônicos na CID-11 tem base nas revisões das evidências disponíveis e reflete um consenso de especialistas de diferentes disciplinas e regiões geográficas envolvidos no processo de consultas técnicas realizadas pela OMS no processo de desenvolvimento da CID-11. A inclusão do transtorno dos jogos eletrônicos na CID-11 segue o desenvolvimento de programas de tratamento para pessoas com condições de saúde idênticas àquelas características do transtorno dos jogos eletrônicos em muitas partes do mundo e resultará em uma maior atenção dos profissionais de saúde aos riscos de desenvolvimento dessa condição e, consequentemente, às medidas relevantes de prevenção e tratamento.

4) Todos os jogadores de jogos eletrônicos devem se preocupar com o desenvolvimento do transtorno dos jogos eletrônicos?

Estudos sugerem que o transtorno dos jogos eletrônicos afeta apenas uma pequena proporção de jogadores de jogos eletrônicos. No entanto, as pessoas que praticam essa atividade devem estar atentas à quantidade de tempo que gastam fazendo isso, particularmente quando resulta na exclusão de outras atividades diárias, bem como quaisquer mudanças em sua saúde física ou psicológica e funcionamento social que possa ser atribuído ao seu padrão de comportamento em relação a jogos eletrônicos.

 

Fonte: OPAS.

#VidaSaudável: Alimentação saudável também ajuda a diminuir estresse

banner_alimentsacao_saudavel_1

Além de fazer o organismo funcionar melhor, uma alimentação adequada e saudável pode trazer diversos benefícios, como melhorar o humor, ajudar no tratamento da depressão e afastar aquele estresse presente no dia a dia. A nutricionista Renata Monteiro, que atua como professora do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília (UnB), explica como o que você escolhe para o seu prato pode transformar a vida como um todo.

“Quando temos a presença de uma variedade de alimentos, principalmente in natura, consumimos fontes de fibras, vitaminas e minerais que entram no organismo e produzem hormônios que estão ligados ao prazer e à satisfação, por exemplo. Ao passo que as dietas mais restritivas podem aumentar hormônios de estresse, gerando mau humor. Ou seja, quanto mais relação saudável temos com a comida, mais o bem estar vai ser favorecido”, aponta a nutricionista.

A variedade dos alimentos é importante para que corpo e mente fiquem saudáveis. Se você está acostumado a só comer as mesmas coisas, todos os dias, é hora de repensar o cardápio. “Se a alimentação tem baixa concentração de zinco e vitamina C, por exemplo, há um aumento de risco de processos inflamatórios. E isso reflete de todas as formas que puder imaginar. Então, para não sofrer estresse em relação ao organismo, o ideal é buscar mesmo uma alimentação saudável, colorida e variada para que tudo funcione corretamente”, recomenda Renata Monteiro.

Ficar sem comer para perder peso ou por falta de tempo pode aumentar o estresse e mexer completamente com o bem estar mental da pessoa. Sempre que puder, faça as principais refeições – café da manhã, almoço e jantar – e lanches leves entre esses períodos.

“Algumas dietas muito restritivas indicam períodos longos sem comer e isso gera irritabilidade, que pode provocar um consumo desenfreado na próxima refeição. Ou seja, para o melhor humor, há de se fazer várias refeições ao dia, sempre priorizando uma alimentação saudável e variada”, explica a nutricionista. Abaixo, confira algumas dicas no infográfico:

infografico_estresse

Fonte: Portal Saúde Brasil.

#EAD: UNA-SUS abre inscrições para curso sobre “Hemograma, Anemia e Linfadenopatia”

card_curso

Médicos interessados em ampliar os seus conhecimentos sobre hemograma, anemia e linfadenopatia, já podem se inscrever na terceira oferta do curso oferecido pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), integrante da Rede Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS). Gratuito e autoinstrucional, mais de mil profissionais de todo o Brasil já passaram por ofertas anteriores do curso Hemograma, Anemia e Linfadenopatia. As inscrições podem ser realizadas até o dia 18 de fevereiro, ou até as vagas se esgotarem, pelo link.

Com carga horária de 30h, a oferta aborda o reconhecimento de características fisiológicas e patológicas básicas do funcionamento do tecido sanguíneo e do sistema linfático, bem como suas inter-relações e mensurações quantitativas automatizadas de rotina.

Ao longo de 7 unidades, o aluno aprende a reconhecer e identificar características básicas dos elementos figurados do sangue e do tecido linfático para realizar diagnóstico diferencial inicial em patologias hematológicas e de tecidos linfáticos, bem como indicar tratamento inicial de patologias e encaminhar os casos pertinentes para instituição de cuidado médico terciário, quando necessário.

Apesar de ser um módulo integrante da capacitação dos Programas de Valorização da Atenção Básica (PROVAB) e Mais Médicos, o curso é livre para profissionais que não estão vinculados aos Programas.

Fonte: UNA-SUS/UFCSPA, com edições da SE/UNA-SUS.

#ClimaESaúde: Icict/FIOCRUZ lança série sobre como as mudanças no clima interferem na saúde

clima e saúde_ICIT_Fiocruz_2018

Não há como negar que as mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global – verões mais quentes e invernos mais rigorosos, primaveras mais chuvosas e outonos mais secos – estão alterando a vida de bilhões de pessoas em todos os continentes, trazendo impactos na saúde da população mundial.

Para entender um pouco mais sobre esses impactos no Brasil, o Icict está lançando a série “Clima e Saúde”, a partir dos estudos realizados pelo Observatório Nacional de Clima e Saúde, do Laboratório de Informação em Saúde (LIS/Icict)/Fiocruz. A primeira matéria da série – Observatório Clima e Saúde ganha destaque em publicações na OMS e na COP23 – mostra a importância que os estudos realizados pelo Observatório ganharam na COP23 e na publicação da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Acompanha esta matéria – além de farto material para pesquisa e estudos, a entrevista da coordenadora do grupo de Mudanças Climáticas, Rixa Schwarz, do Centre for Enviroment Education (CEE), da Nehru Foundation for Development, da Índia, que lançou – em parceria com a UNFCCC ((United Nations Framework Convention on Climate Change) e a Unesco a publicação “Good Practice in Action for Climate Empowerment – A compilation and analysis of case studies”.

Lançado em 2008, o Observatório tem parcerias com o Datasus, IBGE, Ibama, Ministério do Meio Ambiente, secretarias estaduais e municipais de Saúde, e instituições de ensino federais e estaduais, além de integrar a Rede Brasileira de Pesquisas Sobre Mudanças Climáticas Globais (Rede-Clima), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)/Ministério da Ciência e Tecnologia. Atualmente, o Observatório trabalha com informações dos seguintes sítios sentinelas de Porto Velho (Rondônia), Semiárido e Transfronteiriço (Guiana Francesa e Brasil), além do de Manaus (AM) e do Rio de Janeiro (RJ).

Para ler a primeira matéria da série, clique aqui.

Boa leitura! 😉💻📰💡💖

#DeuNaMídia: Rodrigo Said fala ao MGTV1 sobre os casos de Febre Amarela em Minas Gerais

entrevista_mgtv1_globo minas

Nesta quinta-feira (11/01), o subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Rodrigo Fabiano do Carmo Said, participou ao vivo do telejornal MGTV 1ª edição, da TV Globo Minas, para falar sobre os casos de Febre Amarela em Minas Gerais e a importância da vacinação como forma de prevenção contra a doença.

“Minas Gerais tem hoje um estoque de mais de 1 milhão de vacinas contra a febre amarela. Já vacinamos mais de 81% da população e a nossa meta é vacinar quem ainda não se imunizou”, explica Said. Para assistir o vídeo, clique aqui.

Veja também:
Linha Do Tempo: Ações da SES-MG para o enfrentamento da Febre Amarela
Encontrou um macaco morto ou doente na sua região? Saiba o que fazer!

 

 

#PartiuFérias: Incentivar as crianças brincarem ao ar livre faz bem à saúde

Foto: iStock / Reprodução.

Foto: iStock / Reprodução.

Hoje em dia, com as várias opções de jogos eletrônicos e/ou online, algumas crianças acabam ficando várias horas do dia deitadas ou sentadas, o que querendo ou não é um estímulo para o sedentarismo. Porém, não é necessário proibir esses jogos eletrônicos, mas sim estimular um horário do dia ou da semana para que as crianças se interessem também por outras atividades, além de mostrar para os pequenos que é possível também se divertir ao ar livre com brincadeiras variadas com bola ou corda, os chamados jogos tradicionais.

Então, vamos brincar ao ar livre? Vale na praça, no parque, no play ground do prédio ou até mesmo na varanda ou no jardim. Chame as crianças da sua família, do seu prédio ou da sua rua para que elas possam conhecer essas brincadeiras ao ar livre. Que tal? No vídeo abaixo do projeto “Saúde Brasil”, do Ministério da Saúde, o pesquisador de jogos tradicionais Daniel Cobra traz algumas dicas e explica como funciona o jogo “Pique-Bandeira”. Bora assistir?